Avaliação: VW Virtus 1.6 MSI é um Voyajão ou um Mini-Jetta?

Mais barato da linha, o Virtus 1.6 MSI tem preço de Voyage, mas sem perder as qualidades das versões mais caras

Já avaliamos (e aprovamos) a versão topo de linha Highline 200 TSI do Volkswagen Virtus na edição passada (confira aqui a avaliação). Mas, custando R$ 79.990, ela está mais próxima dos sedãs médios – entre eles, o Jetta, da própria Volks. Agora é a vez de avaliarmos a versão de entrada 1.6 MSI do novo sedã da marca alemã. Com preço básico de R$ 59.990, ele custa apenas R$ 290 a mais que o irmão Voyage na versão Comfortline 1.6 I-Motion, e briga diretamente com o Chevrolet Cobalt e com o recém-lançado Fiat Cronos. A boa notícia é que esse Virtus mais em conta também está bem armado para agradar o consumidor em busca de um carro familiar.

Tudo bem que o visual externo é mais simples, com rodas de 15 polegadas (16” no Highline), e faltam os repetidores de seta nos retrovisores, os faróis de neblina e as luzes diurnas de LED. Mas os principais ingredientes da receita do Virtus mais caro continuam presentes: o acerto dinâmico preciso e a ótima posição de dirigir do Polo, somados ao espaço traseiro digno de um sedã médio, com entre-eixos de 2,565 m (8,6 cm a mais que no hatch) e um porta-malas de 521 litros.

Trabalhando em conjunto com um câmbio manual de cinco marchas preciso, o motor 1.6 MSI de até 117 cv também não decepciona nada, e agrada pelo bom desempenho. Não tem a força de saída do TSI (o torque máximo só chega em 4.000 rpm), mas o propulsor trabalha sempre cheio e já se nota uma boa dose de força mesmo abaixo das 2.000 rpm. E os números não nos deixam mentir: 0-100 km/h em 9,8 segundos e velocidade máxima de 195 km/h.

Por dentro, o Virtus 1.6 MSI combina erros e acertos. Na lista de equipamentos, airbags laterais, ar-condicionado, vidros elétricos e isofix são itens de série, mas os controles eletrônicos de tração e estabilidade, a central multimídia compatível com Android Auto, as rodas de liga leve e os sensores de estacionamento traseiros são oferecidos como opcionais. Isso eleva o preço do carro em mais de R$ 4 mil. Por outro lado, só dá para ajustar os retrovisores externos manualmente e não há iluminação dentro do porta-malas. E o acabamento do Virtus, com plásticos duros, peca pela simplicidade.

Com uma mecânica bem acertada e um pacote de equipamentos razoável, esse Virtus de entrada tem tudo para se dar bem no mercado, pois seu preço é competitivo. Se repetir o sucesso do hatch Polo, que fechou janeiro na quarta posição no ranking da Fenabrave,
o sedã também vai dar trabalho para a concorrência.


Ficha técnica:

Volkswagen Virtus 1.6 MSI

Preço básico: R$ 59.990
Carro avaliado: R$ 64.390
Motor: 4 cilindros em linha 1.6, 16V
Cilindrada: 1598 cm³
Combustível: flex
Potência: 115 cv a 6.000 rpm (g) e 116 cv a 6.000 rpm (e)
Torque: 15,8 kgfm a 4000 rpm (g) e 16,5 kgfm a 4000 rpm (e)
Câmbio: manual, cinco marcha
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e tambor (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,482 m (c), 1,751 m (l), 1,472 m (a)
Entre-eixos: 2,651 m
Pneus: 195/65 R15
Porta-malas: 521 litros
Tanque: 52 litros
Peso: 1.134 kg
0-100 km/h: 10s2 (g) e 9s8 (e)
Velocidade máxima: 191 km/h (g) e 195 km/h (e)
Consumo: não divulgado
Emissão de CO²: 104 g/km
Nota do Inmetro: B (estimada)
Classificação na categoria: A (estimada)

blog comments powered by Disqus