Avaliamos o novo BMW X1

Nem é preciso dizer que o BMW X1 é um best-seller. Lançado em 2009, ele soma mais de 740.000 unidades vendidas no mundo – e 17.000 apenas no Brasil. Conforme antecipamos na MOTOR SHOW 379 (outubro de 2014), a segunda geração sairá da fábrica de Araquari (SC) neste ano. São duas versões maneiras e uma nervosa. A sDrive20i GP (R$ 166.950) e a sDrive20i X-Line (R$ 179.950) têm motor 2.0 16V turbo de 192 cv de potência e 28,5 kgfm de torque. A topo xDrive25i Sport (R$ 199.950) usa o mesmo bloco, mas com tração integral, 231 cv e 35,7 kgfm.

Construído sobre a plataforma UKL, a mesma do Série 2 Active Tourer e dos Mini Hatch e Clubman, o X1 também traz tração dianteira – o primeiro foi o Série 2 AT. Essa base trouxe novas dimensões e o comprimento diminuiu 15 mm, enquanto a altura e a largura cresceram 53 mm e 23 mm, respectivamente. Por dentro, a posição de dirigir do X1 foi elevada em 40 mm e há 37 mm a mais de espaço entre a primeira e a segunda fileiras de bancos. O porta-malas é de 505 litros (85 a mais que o X1 anterior) ou 1.505 litros com o assento traseiro rebatido.

O motor 2.0 16V TwinPower Turbo a gasolina está de acordo para a proposta desse crossover. O bom torque disponível numa ampla faixa de giro garante fôlego. A partir de março o X1 será flex, mas a BMW garante que não haverá mudança de desempenho. O câmbio automático de oito marchas oferece trocas sequenciais pela alavanca ou pelas borboletas atrás do volante – dependendo da situação, até cinco marchas são reduzidas. A dirigibilidade sempre foi um ponto alto do X1, e a tração dianteira não tirou esse brilho.

As suspensões independentes cooperam na estabilidade e os amortecedores ficam mais firmes no modo Sport. Só o conforto é levemente sacrificado pelo uso de pneus run-flat. O novo desenho do X1 trouxe um coeficiente aerodinâmico menor – foi de 0,33 para 0,28 – e isso reduziu bastante o ruído interno. Dirigindo de forma constante entre 50-160 km/h, ao tirar o pé do acelerador é engatado o ponto morto do câmbio. Já o start-stop desliga o motor durante breves paradas, como nos semáforos.

Uma novidade para os consumidores que enfrentam trajetos de fora de estrada é a inclusão do controle de velocidade em descida. Além disso, o X1 tem mais comodidades, como o BMW ConnectedDrive (informações de trânsito em tempo real, concierge, chamada de emergência inteligente, entre outros) e o BMW Remote, com acesso a funcionalidades do carro usando aplicativos para smartphone com plataformas Android e iOs (iPhone e iPads).

—–

Ficha técnica:

BMW X1 sDrive 20i

Preço básico: R$ 166.950
Carro avaliado: R$ 166.950
Motor:
4 cilindros em linha 2.0, 16V, turbo, injeção direta, duplo comando variável, start-stop
Cilindrada: 1998 cm3
Combustível: gasolina
Potência: 192 cv entre 5.000 e 6.250 rpm
Torque: 28,5 kgfm entre 1.250 e 4.500 rpm
Câmbio: automático sequencial, oito marchas
Direção: elétrica
Suspensões: McPherson (d) e multilink (t)
Freios: discos ventilados (d/t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,454 m (c), 1,821 m (l), 1,598 m (a)
Entre-eixos: 2,670 m
Pneus: 255/55 R17 (d) e 275/55 R17 (t)
Porta-malas: 505 litros (1.505 litros com o banco rebatido)
Tanque: 61 litros
Peso: 1.485 kg
0-100 km/h: 7s7
Velocidade máxima: 225 km/h
Consumo cidade: não divulgado
Consumo estrada: não divulgado
Emissão de CO2: sem dados
Nota do Inmetro: não participa