(Carros pra casar? Costuma-se falar daqueles que sofrem grande desvalorização e ficam com um valor de revenda tão baixo que você se recusa a vender. Ou daquela versão manual de um sedã médio pelo qual ninguém mais tem interesse. Enfim, daqueles carros dos quais você quer se livrar e não consegue. Mas essa não é a minha visão de um casamento; não o vejo como algo do qual as pessoas querem se livrar. Para mim, casar é uma forma de ficar pra sempre com alguém (ou algo, no caso aqui) que se ama. Nessa seção do Blog Sobre Rodas, portanto, falo de carros que conquistaram meu coração. Daqueles pra colecionar, casar, pra ter para sempre como companhia).

Depois do Honda Civic Si (leia aqui) e do Range Rover  Vogue (leia aqui), ganha um lugar especial no meu coração de jornalista automotivo um conversível de primeira. Ou Cabriolet, como prefere a Mercedes-Benz. O modelo é vendido no Brasil só na versão C 300, de R$ 308.900, e em quantidade insignificante (25 unidades de janeiro a maio deste ano). Em sua versão “sem graça”, C 300 Sport – com a mesma mecânica, porém quatro portas e teto fixo – foi lançada há pouco por R$ 241.900. Já é um carro incrível, esportivo e familiar na medida certa (leia mais aqui). Esse C 300 Cabriolet, porém, vai a outro nível. Por quê?

O que desperta a paixão

  • Cabelos ao vento. Andar de conversível é sempre uma experiência única e especial. Aquela sensação de acelerar com apenas o céu sobre sua cabeça, a integração completa com o ambiente ao redor… é até difícil descrever. A capota se abre ou fecha em menos de vinte segundos, e mesmo com o carro em movimento (até 60 km/h). Bastam poucos segundos para optar entre estar em um carro “normal” ou em um deslumbrante conversível.

 

  • E as escolhas aqui não se limitam a teto ou céu… A versatilidade vai bem além. O Drive Select (controle de modos de direção) permite escolher entre suspensões macias ou firmes, respostas do motor suaves ou ríspidas, volante leve ou pesado. Há modos confortável, econômico e esportivos (dois níveis diferentes). Tudo muda ao toque de um botão. E como  personalidade do C 300 se transforma! De um confortável e tranquilo carro de passeio com suspensões macias a um esportivo “nervoso” em instantes. Como seu humor mandar.

 

  • O visual arrebatador. Belas e enormes rodas aro 19, grade toda com detalhes que lembram diamantes, capota e interior vermelhos realçando com a carroceria branca… Para quem acha que beleza é fundamental, o C 300 Cabrio não decepciona. Não é uma beleza exótica, como a de muitas top models, mas uma beleza clássica, uma elegância discreta.

 

  • O acabamento interno. O couro vermelho é apenas uma das opções e pode não agradar as todos. Alguns acham meio exagerada, daquelas típicas coisas que com o tempo desgastam a relação lentamente. Se você é mais conservador, vá de preto ou branco. Fora isso, o interior tem materiais de qualidade impressionante, que conquistam tanto pelo visual que enche os olhos quanto pelas texturas que o tato sente.

 

  • O motor 2.0, que mais parece um bom e velho V6 – no desempenho –, mas gasta quase tão pouco quanto um moderno 1.0. E não pense que por ser turbinado seu ruído decepciona. Quieto num rodar suave, ele passa a emitir um ronco delicioso quando se opta pelo modo Sport+. O 0-100 em pouco mais de seis segundos é mais que suficiente, e, apesar do turbo, são raríssimas as situações de “chamar” e o carro demorar a responder – o famoso turbo lag.

 

  • O novo câmbio de nove marchas casa perfeitamente com esse motor. Mesmo se tratando de um automático convencional, suas respostas são rápidas como as de uma boa caixa de  dupla embreagem. Com um torque tão alto e quase sempre disponível na sua totalidade, nem se precisaria de tantas marchas – mas elas deixam tudo ainda melhor, e ainda dá para assumir as trocas usando as generosas borboletas junto ao volante.

 

  • A dinâmica proporcionada pela tração traseira.  Sempre “empurrado” pelo eixo posterior, o C 300 têm uma dinâmica deliciosa. As suas suspensões de construção sofisticada e com rigidez ajustáveis ajudam. E o bom é que como não se trata de uma potência “ignorante” como a dos AMG, a traseira não fica escapando pra lá e pra cá… Dá para brincar de pisar fundo sem levar sustos.

 

  • O controle do vento. De teto aberto, sim! A criança no banco traseiro rodou mais de 200 km no banco traseiro, com a capota aberta e a 110 km/h, sem reclamar. A boa aerodinâmica evita que haja muita turbulência ali – e olhem que nem usei o defletor que ali pode ser instalado….

O que pode levar ao divórcio

  • A (sua) falta de desapego. Pra que carregar tanta coisa? Se quiser deixar espaço para poder abrir a capota, o porta-malas fica pequeno. Mas porta-malas é para os fracos, não? E, pensando bem, não é tão ruim assim: 285 litros é o que leva um Up… o problema está mais no seu formato. E se estiver sem crianças dá pra usar banco traseiro pra bagagem. O encosto é, inclusive, rebatível para levar coisas maiores. Problema resolvido. Um pouco de esforço em nome do amor…

 

  • A central multimídia. Ainda sem Android Auto, o sistema da Mercedes-Benz é ruim de usar, tem comando duplicados (pra que um controle rotatório E um touchpad, mas nada de tela sensível ao toque?). Além disso, alguns recursos são difíceis de usar, e o mapa do GPS é horrível, destoando do resto do carro. Uma vergonha! Mas é um daquele defeitinhos com os quais que a gente aprende a conviver em nome de algo maior.

Filhos?

  • Nem muito pequenos, nem muito grandes. O espaço no banco traseiro é suficiente para crianças usando boosters ou até adolescentes com uns 14 anos. Bebê-conforto e cadeirinha volumosa já não se acomodam tão bem ali. E também há o citado problema do porta-malas limitado (mas não tanto). É tudo uma questão de comprá-lo no momento certo. Capriche no planejamento familiar e seja feliz!

FICHA TÉCNICA

MERCEDES-BENZ C 300 CABRIOLET
Preço básico: R$ 308.900
Carro avaliado: R$ 308.900
Emissão de CO2: 139 g/km
Nota do Inmetro: C
Com etanol: 0 g/km


Mercedes-Benz C 300 Cabriolet
Motor: 4 cilindros em linha 2.0, 16V, duplo comando variável, turbo, injeção direta, start-stop
Cilindrada: 1991 cm3
Combustível: gasolina
Potência: 245 cv a 5.500 rpm
Torque: 37,7 kgfm de 1.300 rpm a 4.000 rpm
Câmbio: automático sequencial, nove marchas
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e multilink (t)
Freios: disco ventilado (d) e disco sólido (t)
Tração: traseira
Dimensões: 4,686 m (c), 1,810 m (l), 1,409 m (a)
Entre-eixos: 2,840 m
Pneus: 225/40 R19 (d) e 255/35 R19 (t)
Porta-malas: 285 (capota aberta) a 360 litros (fechada)
Tanque: 66 litros
Peso: 1.690 kg
0-100 km/h: 6s4
Velocidade máxima: 250 km/h (limitada)
Consumo cidade: 8,7 km/l
Consumo estrada: 11,7 km/l
Nota do Inmetro: C
Classificação na categoria: A (Esportivo)

NOSSO VEREDICTO
Motor
Câmbio
Desempenho
Consumo
Segurança
Equipamentos
Multimídia
Conforto
Porta-malas
Prazer ao dirigir
COMPARTILHAR
Notícia anteriorHonda Fit ganha visual aventureiro no Japão
Próxima notíciaMercedes-Benz anuncia recall de dois modelos