Carros pra Casar: Mini Cabrio JCW é pura diversão

Divertidíssimo ao volante como um kart, mas capaz de acomodar a família (com algum aperto), o Mini Cabrio JCW é um conversível quase irresistível

Depois de me apaixonar pelo Honda Civic Si (leia aqui), pelo Range Rover Vogue (leia aqui) e pelo Mercedes-Benz C 300 Cabriolet (leia aqui)e pelo Mercedes-AMG C 63 S Coupé (leia aqui), vou falar do Mini Cabrio JCW, outro carro que teria garagem se dinheiro não fosse uma limitação.

Não que o preço deste Mini Cabrio JCW seja impublicável. Mas, por pouco mais de R$ 200 mil, a razão mandaria um pai de família como eu comprar um Honda Accord ou, por até menos que isso, um SUV como o Toyota RAV4. Afinal, espaço e conforto deveriam ser minhas prioridades. 

Mas posso dizer que depois de uma semana com este Mini Cabrio JCW, com direito a uma descida até o litoral, minhas convicções, que são sempre tão racionais, estão fortemente abaladas.

O QUE DESPERTA A PAIXÃO

Cabelos ao vento

Claro que a maior motivação de compra de um carro conversível é a sensação de liberdade que só os cabelos ao vento proporcionam. Em pouco mais de dez segundos, a até 30 km/h,  a apertada cabine se abre para o mundo, tornando-se ampla e deliciosa.

Com quatro pessoas a bordo, as do banco de trás sofrem um pouco com o vento quando se passa dos 80 km/h (mas as crianças não reclamaram, deslumbradas com a paisagem e as sensações. Os da frente viajam com conforto até indo mais rápido, com o uso do defletor de ar que reduz o turbilhonamento.

O design charmoso e divertido

Na orla da praia, uma criança vê o Mini Cabrio JCW e comenta: “Olha, o Carro do Mickey”. Não exatamente. Mas a cor verde, as linhas vermelhas e o ar retrô formam um conjunto belíssimo e divertido, principalmente com a capota abaixada. E mesmo com ela fechada, diferentemente do que ocorre com muito conversível, o Mini Cabrio JCW continua bonito.

A dinâmica de kart 

Uma qualidade que está em todos so Mini e não falta no mini Cabrio JCW  é a diversão ao volante. Aquela famosa sensação de se estar em um kart é amplificada nesta versão JCW. Tanto pela mecânica quanto pelo fato de que kart também não tem teto. E a velocidade parece maior quando se está mais exposto.

O ronco que faz falta no Mini 3 cilindros aparece forte, com direito a “pipocos” nas reduzidas e nas trocas no modo Sport. O 2.0 turbinado tem 231 cv e 32,6 kgfm. O câmbio de 8 marchas é um automático tradicional com respostas, por incrível que pareça, ainda mais rápidas que na caixa de dupla embreagem. Principalmente em situações de súbita redução-aceleração, frequentes em retomadas e ultrapassagens. 

Para melhorar, o Mini JCW tem uma transmissão que, no modo manual, não reduz automaticamente as marchas no kick-down (quando se afunda o pé direito). E nem as sobe ao chegar no limite de giros – prefere cortá-los. Como deve ser em um esportivo “puro”. As aletas no volante ajudam a ter mais controle do carros nas tomadas e saídas das curvas.

A versatilidade

O melhor é que toda essa esportividade do Mini Cabrio JCW não é obrigatória. Claro que ele nunca é macio como um SUV americano, mas é como se fosse três carros em um. Quando você dá partida, ele é um Mini tradicional, que qualquer um que já teve um carro “normal” da marca reconheceria. Ágil, imediato, bastante prazeroso de guiar.

Mas basta passar o Mini Cabrio JCW para o modo de condução “Sport” que ele vira um monstro quase indomável. As esticadas de marchas vão longe, e a velocidade cresce de forma assombrosa. A prova de 0-100 km/h é vencida em cerca de 6 segundos.

O novo 2.0 demonstra um fôlego e uma capacidade de girar que são surpreendentes para um carro turbinado – assim como a falta de lag nas respostas, principalmente neste modo radical.

Para completar, o modo Sport do Mini Cabrio JCW também enrijece as suspensões do carro – que passa a transmitir para a cabine qualquer defeitozinho ou oscilação do piso. Ótimo para encarar curvas com disposição e equilíbrio máximos, mas não muito para minha hérnia de disco.

O consumo

Com a família a bordo do Mini Cabrio JCW, melhor é aliviar o pé para evitar deixar todos enjoados. A suspensão mais macia também ajuda a deixar todos mais confortáveis. Nesse modo, a banguela automática ajuda a poupar gasolina. O consumo é melhor que o de muito carro com menos da metade da potência: fiz  13,5 km/l descendo a serra e 11,5 km/l subindo. Bom, até porque ninguém gosta de queimar dinheiro à toa.

O QUE PODE LEVAR AO DIVÓRCIO

O espaço (na cabine e no porta-malas)

Confesso que a viagem à praia estava já programada e levei um susto quando descobri que teria que ir com o Mini Cabrio. Tenho dois filhos, uma de três anos e um de oito. Eles ficaram tão empolgados quanto eu ao saber que iam viajar de conversível. Mas logo joguei um balde de água fria: “Pode ser que não vocês dois não caibam e tenhamos que ir com o carro da vovó.”

Bem, não é que coube? Com muito aperto, claro. Afinal, a Stella ainda usa a cadeirinha, que ocupa um belo espaço, então minha esposa teve que ir de pernas cruzadas (e olha que ela não é alta). Já o Mathias foi no Booster, atrás de mim (que também não sou alto). Não precisei me espremer contra o volante, mas usei o ajuste mais recolhido da coluna de direção e fiquei com as pernas um pouco mais dobradas do que gostaria.

Para usar o porta-malas do Mini Cabrio JCW, outro drama. Para poder abrir a capota, as capacidade cai de 215 litros para 160, menor que no Fiat Mobi ou até no Ford Ka de primeira geração. Ainda bem que a viagem era para a praia no verão. Uma mochila para cada um, alguns suprimentos e pronto. Acabou o espaço. E, com as crianças no banco de trás, nem dá para rebater os bancos ou levar coisas na cabine. É tudo bem “justinho”. Se você não consegue economizar na mala, desista.

A central multimídia

Além de ser difícil de controlar, com comandos nada intuitivos e os botões mal localizados, entre os dois bancos, atrás do freio de estacionamento (ainda convencional), a central multimídia do Mini não aceita quem tem Android – só tem conectividade com Apple CarPlay. Isso é bastante irritante, um descaso da marca com o consumidor que opta pelo sistema Android. Tive que colocar a ventosa no para-brisas para segurar meu celular (e o para-brisa não é nada grande, então ficou bem na visão). Péssimo.

A visibilidade

Seja com a capota aberta ou fechada, a visibilidade pelo retrovisor interno é sofrível, e há muitos pontos cegos causados pela própria capota de lona. O que melhora um pouco a situação são os generosos espelhos externos, que precisam ser ajustados de modo a ajustar a ver o que há atrás do carro. Neste ponto, a câmera de ré também é indispensável.

As multas

Difícil é dirigir um esportivo desses sem se empolgar. Para quem não tem muito autocontrole, pode ser motivo para desistir deste casamento. As multas vão chegar sem você nem perceber quando foi multado. É bom ficar atento ao velocímetro. Mas, para piorar, ele é ruim de ler.

FILHOS?

Com mais um bebê no banco de trás eu não conseguiria guiar o Mini Cabrio JCW. E é preciso abrir mão de carrinhos e outros acessórios. Com duas crianças no booster, ou crianças que não usam mais booster, é totalmente viável. Mas lembre-se que, se for viajar, terá sempre que sempre economizar na bagagem. E posso garantir que vale este sacrifício vale muito a pena.

(Carros pra casar? Costuma-se falar daqueles que sofrem grande desvalorização e ficam com um valor de revenda tão baixo que você se recusa a vender. Ou daquela versão manual de um sedã médio pelo qual ninguém mais tem interesse. Enfim, daqueles carros dos quais você quer se livrar e não consegue. Mas essa não é a minha visão de um casamento; não o vejo como algo do qual as pessoas querem se livrar. Para mim, casar é uma forma de ficar pra sempre com alguém (ou algo, no caso aqui) que se ama. Nessa seção do Blog Sobre Rodas, portanto, falo de carros que conquistaram meu coração. Daqueles pra colecionar, casar, pra ter para sempre como companhia).