Mini Cooper elétrico e a dúvida: autonomia importa?

No uso cotidiano, o Mini Cooper elétrico (SE) não chega a 200 km com uma carga da bateria. Mas sua vocação é urbana – e, neste papel, ele é brilhante

Mini Cooper elétrico SE

A primeira avaliação do Mini Cooper elétrico – o nome oficial é Mini Cooper SE – já demos aqui antes. Mas, como a experiência foi rápida e o percurso foi curto, não deu para “desmentir” os já parcos 234 quilômetros oficiais de autonomia.

Agora, durante uma semana inteira ao volante do Mini Cooper SE, não consegui rodar mais de 170 quilômetros com uma carga. Mas será que em um carro elétrico com vocação urbana como ele isso realmente importa?

+Mini Cooper SE lidera lista de vendas de elétricos compactos
+Avaliação: Jeep Commander é, sim, um Compass aumentado (e não há problema nenhum nisso)
+Teste especial: VW Golf GTI 2022 e sua fórmula mágica (teste na pista e todas as gerações comparadas)
+Avaliação: Volvo XC40 vira SUV elétrico com bom custo-benefício e pegada de esportivo
+Comparativo de SUVs: Jeep Compass vs. VW Taos e Toyota Corolla Cross
+MOTOR SHOW 441: Audi RS e-tron GT, Ford Mustang Mach 1, VW Golf GTI, Volvo XC40 elétrico e muito mais


Já adianto a resposta: não importa. Não consigo imaginar nenhuma situação de uso urbano cotidiano – a não ser que você seja motorista de aplicativo – em que seja necessário rodar mais do que isso em um dia. E, com um carregador tipo wallbox instalado em casa (leia mais aqui), já adotei o costume: carrego o carro toda noite, como faço com meu celular.

E, para o uso urbano, esse Mini Cooper elétrico é simplesmente perfeito. Acelera de 0 a 60 km/h incrivelmente rápido, junto com esportivos como um BMW M4 (e chega aos 100 km/h em bons 7s3). Além disso, ele tem um sistema de direção com pedal excelente, e que ainda conta com ajuda do radar dianteiro para recuperar mais energia e parar mais rápido quando há um carro na frente — caso não haja, ele fica um pouco mais solto.

Mesmo no modo Sport, não há como reduzir marcha, mas o modo de dirigir com um pedal já reduz o suficiente para as reduzidas em uma direção mais esportiva. A tradicional sensação de kart dos mini é garantida tanto pela direção direta e pela agilidade em baixa velocidades quanto pelo centro de gravidade mais baixo, consequência das baterias posicionada sobre o assoalho, como em todo elétrico.

E achei incrível como a suspensão ainda consegue ser confortável mesmo sendo tão esportiva, e não parece que ele é superpesado — a vantagem de não ter uma bateria tão grande — daí é autonomia tão limitada. Mas, repito, neste caso ela não importa.

Caindo na Estrada

Embora não seja pensando como um carro para encarar estradas, se a distância não for muito longa, não há do que reclamar. Peguei a Rodovia dos Bandeirantes, e, circulando a 110/120 km/h, com moderação e o ar-condicionado desligado (modo Green+), a média de consumo foi de ainda bons 6,5 a 7 km/kWh. Depois de pouco 60 quilômetros rodados, o Mini elétrico me dizia que ainda poderia rodar 109 – o suficiente para voltar para São Paulo com tranquilidade.

Mini Cooper elétrico SE

Mas no caminho havia um carregador rápido – e gratuito. Parei por 15 minutos, o suficiente para tomar um café e a bateria praticamente encheu. Na verdade subiu 27%, e não esperei completar porque os últimos 20% são sempre mais demorados.

Mini Cooper elétrico SE

Isso me liberou para acelerar o quanto quisesse. Mas acima de 110 km/h o fôlego logo acaba, e junto a diversão. Um Mini Cooper S “antigo”, a combustão, passou ao lado e quis ver o quanto o meu acelerava; me deixou para trás rapidinho (e, para piorar, este Mini Cooper elétrico não passa de 150 km/h). Além disso, é irritante o fato de reclamar sempre que passava de 110 km/h.

No fim, após 133 km rodados na estrada, minha média foi de 5,4 km/kWh. Bem pior do que os 8 km/kWh registrados na cidade em boas condições de trânsito – que, como previsto, se mostrou um ambiente bem mais agradável para este Mini Cooper elétrico.

Poucos defeitos

Do lado negativo, como todo Mini Cooper, o sistema multimídia na tela central é confuso de usar. O que salva a experiência de ser um completo desastre são os atalhos físicos entre os bancos, ao menos trazem atalhos e permitem selecionar as funções mais facilmente do que nos mínimos botões da tela sensível ao toque.

Mini Cooper elétrico SE

Ah, e apesar de ter adorado o carro, ainda achei mais um defeito para colocar na lista de pontos negativos: o barulho dele é bem bem chatinho. Ao invés de adotar a filosofia de “carro elétrico não faz barulho e isso é ótimo”, este Mini elétrico faz um barulho falso… Senti falta de um botão para desligá-lo.


FICHA TÉCNICA 


MINI COOPER S E

Preço: R$ 239.990
Motor: elétrico, dianteiro
Combustível: a bateria
Potência: 184 cv
Torque: 27,5 kgfm
Câmbio: caixa redutora com relação fixa, uma marcha à frente e uma à ré
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e multilink (t)
Freios: disco ventilado (d) e disco sólido (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 3,850 m (c), 1,727 m (l), 1,432 m (a)
Entre-eixos: 2,495 m
Pneus: 205/45 R17
Porta-malas: 211 litros
Bateria: íons de lítio, 32,64 kWh, 12 módulos
Peso: 1.365 kg
0-100 km/h: 7s3
Velocidade máxima: 150 km/h (limitada eletronicamente)
Consumo cidade: 8 km/kWh (teste MS)
Consumo estrada: 6,8 km/kWh (teste MS)
Autonomia: 234 km (ciclo WLTP)
Recarga: 80% em até 29 minutos (carregador 150 kW), 2h10 (Wallbox 11 kWh) e 14 horas (tomada comum 220V) 

LEIA MAIS SOBRE CARROS ELÉTRICOS E HÍBRIDOS:
+Avaliação: Audi RS e-tron GT pode soar falso, mas é ridiculamente rápido
+Avaliação: Volvo XC40 vira SUV elétrico com bom custo-benefício e pegada de esportivo
+Primeiro elétrico da Fiat, 500e chega ao Brasil por R$ 239.990
+Carro elétrico traz vantagens, mas não é solução mágica
+Avaliação: Hyundai Ioniq 5, um elétrico incrível, é verdadeira revolução coreana
+Teste de consumo: Corolla Cross Hybrid vs. Corolla Cross 2.0
+Audi e-tron vs. Jaguar I-Pace: os SUVs elétricos que adiantam o futuro
+Carros elétricos mais vendidos do Brasil em 2020: confira o ranking
+Avaliação: Mercedes-Benz EQA, o GLA elétrico que chega ao Brasil em breve
+Avaliação: Volkswagen ID.4 é o Taos do futuro (e já chegou)