BMW 420i Cabrio: um conversível racional

Roberto Assunção

O Brasil tem apenas sete carros conversíveis médios ou grandes de quatro lugares abaixo de R$ 300.000. O mais barato é o Peugeot 308 CC (R$ 153.790), que tem motor 1.6 de 165 cv. O mais caro é o Mercedes-Benz E 250 Cabrio (R$ 282.900), equipado com um 2.0 de 211 cv. Entre eles estão os dois BMW da Série 4: o 420i Cabrio de 187 cv (R$ 215.950) e o 428i Cabrio de 248 cv (R$ 286.950), ambos com motor 4 cilindros 2.0 biturbo com duplo comando de válvulas variável. Avaliamos o 420i, que não compete diretamente nem com o Audi A3 Cabrio (R$ 165.000) nem com o Audi A5 Cabrio (R$ 254.000) – quem rivaliza com este último é o 428i.


O interior do 420i Cabrio é espaçoso e todos os comandos extras (modo de condução, multimídia e capota) ficam agrupados perto da alavanca de câmbio. O ar é automático

O sétimo competidor desse nicho é o Chevrolet Camaro Conversível (R$ 261.290). Longe da marcante presença de um Camaro, do porte sofisticado de um E 250 ou da potência de um A5 Cabrio (256 cv), o BMW 420i Cabrio pode ser considerado um conversível racional. Mesmo assim, ele conquistou corações durante nossa avaliação, a ponto de ser abordado em pleno trânsito do litoral paulista por mulheres ousadas, por rapazes atrevidos e até por um simpático caiçara que queria apenas fazer uma foto ao lado do carro “para dar uma ostentada”.

Fabricado em Regensburg, Alemanha, e vendido no Brasil desde dezembro de 2014, o Série 4 Cabrio deixa bastante evidente o design do Série 4 Coupé, do qual é derivado. Em comparação ao antigo Série 3 Cabrio, o 420i é visivelmente maior em largura, comprimento e distância entre-eixos. Observado de frente, o carro destaca-se por transmitir uma dimensão maior do que tem; visto de lateral, pelas cortinas de ar posicionadas logo atrás das caixas de rodas dianteiras. O desenho da traseira, entretanto, parece mais conservador – desse ângulo, com a capota fechada, o carro perde o charme.

A capota de aço de três peças (retrátil) é um pouco lenta na operação automática de abre-e-fecha. Uma vez fechada, o silêncio a bordo é muito bom e dá até mais confiança ao motorista. Com a capota baixada, apesar do barulho do trânsito e do vento, é possível escutar músicas e conversar civilizadamente (sem gritar) mesmo rodando entre 80 e 100 km/h com os vidros abaixados. A partir dessa velocidade, convém levantar os vidros. Como segurança, o carro tem duas barras que sobem automaticamente, como um santantônio, em caso de capotagem.

Dinamicamente, o 420i Cabrio comporta-se bem nas curvas (o sistema EfficientDynamics contém vários controles eletrônicos), acelera razoavelmente (0-100 km/h em 8,3 segundos e 80-120 km/h em 10 segundos) e oferece quatro diferentes modos de condução: EcoPro (muito econômico), Comfort (macio), Sport (duro) e Sport + (com os controles de estabilidade e tração parcialmente desligados).


A abertura da capota é totalmente automática, mas um pouco demorada, pois o módulo retrátil é dividido em três peças. Acima de 100 km/h, é melhor levantar os vidros

Também ajudam no equilíbrio do carro os pneus largos (225/45), a suspensão dianteira de alumínio e a traseira de aço leve com cinco braços.. Por fim, o câmbio de oito marchas garante uma ótima utilização do torque a partir de 1.250 rpm. Se, por um lado, o BMW tem bom espaço interno, sistema multimídia com internet e um porta-malas engenhoso (que dá acesso às bagagens mesmo com a capota recolhida), por outro, não dá para entender como um carro de R$ 215.000 não possui câmera de ré e acendimento automático dos faróis.

—–

Ficha técnica:

BMW 420i Cabrio Sport GP

Motor: 4 cilindros em linha, 16V, biturbo, duplo comando variável
Cilindrada: 1997 cm3
Combustível: gasolina
Potência: 187 cv de 5.000 a 6.250 rpm
Torque: 27,6 kgfm de 1.250 a 4.500 rpm
Câmbio: automático sequencial, oito marchas
Tração: traseira
Direção: elétrica
Dimensões: 4,368 m (c), 1,825 m (l), 1,384 m (a)
Entre-eixos: 2,810 m
Pneus: 225/45 R18
Porta-malas: 370 litros (220 com capota aberta)
Tanque: 60 litros
Peso: 1.750 kg 0-100 km/h: 8s3
Vel. máxima: 230 km/h
Consumo cidade*: 12 km/l
Consumo estrada*: 18,9 km/l (*dados da Europa)
Nota do Inmetro: não participa

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar