Carro como serviço: Stellantis prevê novas interações com motoristas

O grupo planeja investir mais de 30 bilhões de euros até 2025 para executar sua transformação

0
2
Foto: Divulgação

A Stellantis planeja sua estratégia de software para implantar plataformas de tecnologia de próxima geração, com base nas capacidades existentes de veículos conectados e, desta maneira, transformar a forma como os seus clientes interagem com os veículos.

O grupo planeja investir mais de 30 bilhões de euros até 2025 para executar sua transformação – que inclui as áreas de software e eletrificação.

+ Stellantis e Senai desenvolvem tecnologia de gestão de produção
+ Fiat e Jeep dão liderança para Stellantis na América do Sul
+ Stellantis, Tim e Accenture criam piloto 5G para a indústria


O negócio de software e serviços conectados terá cinco pilares principais: serviços e assinaturas; recursos sob demanda; dados como serviço e serviços de frota; preço do veículo e valor de revenda; e conquistas, retenção de serviço e venda cruzada.

Atualmente, a Stellantis tem 12 milhões de carros conectados que podem ser monetizados em todo o mundo. Em 2026, espera-se que cresça para 26 milhões de veículos e gere aproximadamente 4 bilhões de euros em receitas e, em 2030, atingirá 34 milhões de veículos e aproximadamente 20 bilhões de euros em receitas anuais. “Monetizável” é definido como os primeiros cinco anos de vida do veículo.

Aproveitando seus recursos de coleta de dados, em 2022, Stellantis lançará um programa de seguros baseado na utilização (que monitora a forma como o motorista dirige e pode baratear o custo, dependendo de seus hábitos de segurança), oferecido por meio de braços de financiamento cativo na Europa e América do Norte, com a intenção de se expandir globalmente.

Três novas plataformas de tecnologia em 2024

Foto: Divulgação

Com lançamento em 2024, três novas plataformas serão implantadas em escala nas quatro plataformas de veículos da Stellantis nos próximos dois anos. Veja abaixo:

STLA Brain

O coração da transformação para serviços centrados no cliente é a nova arquitetura elétrica/eletrônica (E/E) e de software, “STLA Brain”.

STLA Brain é capaz de realizar atualizações regulares remotas pelo ar (over-the-air, OTA), com 30 módulos endereçados, contra 10 atualmente. É uma arquitetura orientada a serviços totalmente integrada com a nuvem, que conecta unidades de controle eletrônico dentro do veículo com o computador central de alto desempenho (HPC) do veículo por meio de um barramento de dados de alta velocidade.

Ele quebra o vínculo atual entre as gerações de hardware e software, permitindo que os desenvolvedores de software criem e atualizem recursos e serviços rapidamente, sem esperar pelo lançamento de um novo hardware. Essas atualizações OTA reduzem drasticamente os custos para os clientes e para Stellantis, simplificam a manutenção para o usuário e sustentam os valores de revenda do veículo.

STLA SmartCockpit

O STLA SmartCockpit, construído sobre o STLA Brain, integra-se com a vida digital dos ocupantes do veículo para criar um terceiro espaço de vida personalizável.

STLA SmartCockpit

STLA SmartCockpit, desenvolvido pela joint venture Mobile Drive entre Stellantis e Foxconn, oferece aplicativos baseados em IA, como navegação, assistência de voz, mercado de comércio eletrônico e serviços de pagamento.

STLA AutoDrive

O STLA AutoDrive, desenvolvido em parceria com a BMW, oferecerá recursos de direção autônoma de Nível 2, Nível 2+ e Nível 3 e será continuamente atualizado por meio de atualizações OTA.

MAIS NA MOTOR SHOW:

+ Qual é a melhor versão do Jeep Compass 2022?
+ FlixBus inicia suas atividades com viagens de ônibus a partir de R$ 19,90
+ Range Rover Evoque volta a ser produzido no Brasil; veja os preços
+ Ferrari Testarossa (1987) de Elton John vai a leilão; veja os detalhes
+ Teste especial: VW Golf GTI 2022 e sua fórmula mágica (teste na pista e todas as gerações comparadas)
+ Veja como verificar a pintura de um seminovo na hora da compra
+ Eletricz lança bike elétrica no Brasil com até 160 km de autonomia
+ Avaliação: Volvo XC40 vira SUV elétrico com bom custo-benefício e pegada de esportivo
+ Hyundai convoca recall do HB20 por problema no freio
+ Avaliação: ao volante do Volkswagen ID.4, o Taos do futuro
+ Avaliação: Fiat Pulse tem potencial para vender muito
+ Avaliação: Hyundai Creta 2022 arrisca no visual, mas se destaca pelo motor