Carro compartilhado: alugamos um BMW de R$ 350 mil por R$ 100/hora; veja como funciona a Turbi

Testamos o serviço de carros compartilhados da Turbi. Entre as opções disponíveis, estão modelos de entrada até esportivos, como BMW M235i xDrive Gran Coupé

carsharing
Foto: Divulgação

Ter um carro gera despesas com seguro, IPVA, licenciamento, manutenções e até eventuais reparos de funilaria. O carro compartilhado por ser uma opção. A Turbi, empresa de carsharing (no termo em inglês), atua no Brasil desde 2017 oferecendo uma frota de 1.700 modelos distribuídos em 700 espaços públicos de São Paulo, Guarulhos, Osasco, Barueri, Alphaville e Grande ABC paulista. Entre as opções há desde os “populares” até esportivos, como os Mini Cooper S/Cabrio e o BMW M235i xDrive Gran Coupé.


Todo o processo de locação é online e realizado por meio do aplicativo gratuito da Turbi para as plataformas iOS e Android. Antes de utilizar o serviço é preciso realizar um cadastro sujeito à aprovação (nome completo e CPF, celular, endereço residencial, foto da CNH/motorista, dados do cartão de crédito, senha).

Feito isso, o usuário do carro compartilhado seleciona a região e o modelo, que traz informações sobre a transmissão, o dia do rodízio e a quantidade de combustível no tanque. Concluída a reserva, deve-se chegar ao local em 30 minutos. A chave fica no porta-luvas e a abertura das portas feita pelo smartphone.

Se a intenção é alugar um Ford Ka, segundo o app da empresa, são cobrados R$ 10/hora mais R$ 0,50 por quilômetro rodado (não existe limitação). Contudo, existe a possibilidade de ficar um período maior de tempo, como 24 ou 48 horas e até uma semana.

Para ser o “proprietário” do compacto da Ford no sistema de carro compartilhado por sete dias os preços sugeridos são: R$ 168/dia, R$ 0,50/km rodado e R$ 7/hora adicional. O pagamento ocorre por cartão de crédito via app. Para comparação, as locadoras “normais” cobram no mínimo três diárias. Ainda segundo a Turbi, “Qualquer acesso ou uso por menores de 18 anos é expressamente proibido”.

+ Lamborghini SC20 é exemplar único feito para cliente secreto
+ Avaliação: novo Nissan Versa sobe de patamar para atacar VW Virtus, Chevrolet Onix Plus e cia.
+ Dieselgate: 80 mil Amarok teriam sido fraudadas no Brasil; indenização pode partir de R$ 15 mil por unidade
+ Avaliação: irmão maior do Compass, Jeep Grand Cherokee continua ótimo (o problema é a concorrência)

“O veículo deve ser retirado/devolvido no mesmo local”, comenta Luiz Bonini, CGO da Turbi. O abastecimento ocorre por meio de um cartão localizado no porta-luvas. Caso o motorista não encontre um estabelecimento credenciado durante o carsharing, o usuário será ressarcido em 72 horas mediante a inclusão da nota fiscal da plataforma. “Pedimos apenas para não devolver o carro com o tanque na reserva”, fala o executivo.

Um dia de Turbi 

Para experimentar o serviço de carro compartilhado, escolhemos o BMW M235i xDrive Gran Coupé, que cobra R$ 100/hora mais R$ 2/km. “Essa iniciativa de oferecê-lo surgiu da Turbi e do Grupo Osten. É uma alternativa de test-drive diferente, além de proporcionar a oportunidade do público conhecer o carro”, diz o executivo.

O coupé de quatro portas fica estacionado em uma concessionária da Osten na região oeste de São Paulo. Antes de sair dirigindo por aí, é passada uma explicação sobre o carro e feita uma verificação de riscos/arranhões. A partir daí é ser o “proprietário” de um BMW… tomando todos os devidos cuidados ao volante! Aliás, no sistema de carro compartilhado, como nas locações normais, todas multas são reponsabilidade do motorista.

Caso ocorra um acidente, “todos os veículos são segurados e se acontecer algum sinistro quem aluga tem cobertura total. Contudo, o valor da franquia, varia de acordo com o modelo alugado, sendo 10% do valor médio do carro”, diz Luiz Bonini.

Com um estilo que divide opiniões, os preços do Série 2 na configuração 218i Gran Coupé Sport GP inicia em R$ 248.950 – um valor próximo ao do 302i GP (que custa a partir de R$ 245.950). Já esta variante M235i xDrive Gran Coupé cobra R$ 349.950.

Feito sobre a plataforma UKL2 (sigla para Untere Klasse, em alemão) – a mesma dos BMW X1/X2 e do Mini Clubman, por exemplo – , ele mede  4,526 m de comprimento, 1,800 m de largura, 1,420 m de altura e 2,670 m de entre-eixos.

Há bom espaço para os ocupantes dianteiros, entretanto, os passageiros traseiros com alta estatura raspam a cabeça por conta do caimento do teto. E o túnel central elevado tira um pouco do conforto do quinto ocupante. O porta-malas é de 430 litros.

Entre os itens de série, estão presentes o quadro de instrumentos totalmente digital, o carregador de smartphone por indução, o teto solar panorâmico, o alerta de colisão frontal/mudança involuntária de faixas, os seis airbags, os controles eletrônicos de tração/estabilidade e a frenagem autônoma de emergência.

O condutor se acomoda em bancos com desenho esportivo e a posição de dirigir é baixa. Durante o nosso contato com o coupé de quatro portas foi possível constatar o bom fôlego do motor de quatro cilindros 2.0 turbinado casado ao câmbio automático de oito marchas para entregar saudáveis 306 cv de potência e brutos 45,9 kgfm de torque a partir de baixos 1.750 rpm.

+ Land Rover Defender é modificado ao custo de um Porsche
+ Carros elétricos vs. a combustão: mundos em choque
+ Avaliação: por R$ 24 milhões e com motor V12, Pagani Huayra é grito de resistência contra esportivos elétricos
+ Minicarro elétrico da Hyundai ajuda no tratamento de pacientes

Esse conjunto entrega boas doses de esportividade. Com relação peso-potência de 5,1 kg/cv, o “BM” acelera de 0 a 100 km/h em 4,8 segundos e crava 250 km/h de velocidade máxima (limitada eletronicamente). A tração é integral sob demanda.

Também estão presentes os modos de condução, entre eles, o ECO Pro, o Comfort e o Sport, que alteram determinados parâmetros do veículo, como as respostas do motor/transmissão e da caixa de direção, por exemplo.

A boa dinâmica é garantida pelas suspensões com calibração firme, porém, não ao ponto de incomodar ao trafegar pelo nosso asfalto. Um cuidado extra deve ser tomado com os buracos, pois as rodas de 18″ usam pneus de medidas 225/40. Já a direção assistida eletricamente é rápida ao esterço/retorno – uma apreciada característica dos modelos do fabricante bávaro.

Se você não quer desembolsar os mais de R$ 300.000 cobrados pelo M235i xDrive Gran Coupé, o carsharing é uma alternativa para curtir o carro por um período. Seja pelo BMW ou um sedã/SUV disponíveis na plataforma, a Turbi é uma alternativa interessante no quesito mobilidade urbana, principalmente, em tempos de pandemia.


FICHA TÉCNICA

FICHA TÉCNICA
BMW M235i xDrive Gran Coupé 

Preço básico: R$ 349.950
Carro avaliado: R$ 349.950

BMW M235i xDrive Gran Coupé
Motor: quatro cilindros em linha 2.0, 16V, duplo comando variável, turbo e injeção direta
Cilindrada: 1998 cm³
Combustível: gasolina
Potência: 306 cv a 5.000 rpm
Torque: 45,9 kgfm a 1.750 rpm
Câmbio: automático sequencial, oito marchas
Direção: elétrica
Suspensão: MacPherson (d) e multi-link (t)
Freios: discos ventilados (d/t)
Tração: integral sob demanda
Dimensões: 4,526 m (c), 1,800 m (l), 1,420 m (a)
Entre-eixos: 2,670 m
Pneus: 225/40 R18
Porta-malas: 430 litros
Tanque: 58 litros
Peso: 1.570 kg
0-100 km/h: 4s8
Velocidade máxima: 250 km/h (limitada eletronicamente)
Consumo cidade: 6,5 km/l
Consumo estrada: 11,9 km/l
Emissão de CO2:  g/km
Nota do Inmetro: C
Classificação na categoria: D (categoria extra grande)

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel