Carro Usado: Honda HR-V é um SUV para não esquentar a cabeça

O belo projeto e a boa-fama do fabricante foram as principais virtudes para ele cair no gosto do consumidor

Em 2015, o Honda HR-V estreou sob muita expectativa. O belo projeto e a boa-fama do fabricante foram as principais virtudes para ele cair no gosto do consumidor. Ao longo dos anos, vieram atualizações visuais, de conteúdos e a adição da opção turbinada Touring.

+ Novo Honda HR-V híbrido terá motor 1.5 e dois propulsores elétricos
+ Avaliação: Honda HR-V 2021 mostra as virtudes de um carro maduro
+ Comparativo: Jeep Compass vs. Peugeot 3008, Honda HR-V e VW T-Cross
+ Comparativos históricos (2017): Ford EcoSport vs. Honda HR-V e Jeep Renegade

Quem o vê com bons olhos, mas não quer ou não pode comprar um “zerinho” que está prestes a mudar de geração (e parte de R$ 107.900), pode garimpar uma versão EX, ano 2017, por R$ 77.284 no disputado mercado de usados. “É um carro que vende rápido, pois os Honda tem força no mercado”, diz Luiz Coria, da consultoria Auto Master.

“Tive três Volkswagen Fox e depois um CrossFox. Migrei para o Honda HR-V porque queria um carro alto e com bom consumo”, diz Michelle Karine de Campos Vieira. Sob o capô, o motor 1.8 naturalmente aspirado trabalha em conjunto com uma transmissão continuamente variável (CVT) com sete marchas simuladas, proporcionando um desempenho que é apropriado à proposta. “A potência é boa, além de ser um carro silencioso”, elogia Michelle.

Na hora da manutenção, o Honda HR-V não costuma desagradar seus proprietários. “Os japoneses são os melhores. Testam os componentes de forma incansável até dar desgaste. Depois, são realizadas melhorias ou até mudanças no projeto”, comenta Edson Roberto de Ávila, proprietário da Mingau Automobilística.

Em relação aos cuidados, o profissional pede atenção à qualidade do etanol usado: “A qualidade do combustível pode gerar danos nos bicos injetores ao chegar na faixa dos 80.000 a 90.000 quilômetros.” Já a parte da transmissão, segundo ele, apresenta alta durabilidade, mas exige certos cuidados: “Os prazos de substituição dos lubrificantes devem ser seguidos à risca, tanto do câmbio quanto do propulsor. Recomendamos a troca do óleo do câmbio a cada 40.000 quilômetros, em um uso mais urbano, ou 70.000 quilômetros se pega mais estrada”, explica Ávila.

“Eu já era cliente Honda. Infelizmente, nos primeiros meses sofri com uma infiltração severa na cabine e barulhos na suspensão”, conta Maria Rocha. Apesar da qualidade do nosso asfalto, na maioria dos casos o conjunto do HR-V aguenta o tranco. “Assim como na parte mecânica, o acesso aos componentes é descomplicado. Uma dica para preservar o sistema de direção é sempre movimentar o carro ao mover o volante em manobras. Isso diminui a chance de problemas no sistema elétrico”, alerta Mingau.

O bom espaço interno e a qualidade dos acabamentos (melhorada no primeiro facelift) são outros pontos-chave do Honda HR-V. “Ele é confortável e tem um bom porta-malas, mas acho a tampa traseira um pouco pesada”, diz Michelle. No fim, são poucas as críticas, e elas não tiram o brilho de um SUV confiável e fácil de manter e revender.

Pelo mesmo preço
Nissan Sentra SL 2018: R$ 72.320

Produzido no México, sua versão topo de linha traz de série controles eletrônicos de tração/estabilidade, seis airbags, alerta de ponto cego e colisão frontal, teto solar e som Bose. O motor 2.0 entrega 140 cv e 20 kgfm (g/e) e o câmbio é CVT.

Jeep Renegade Longitude AT 2018: R$ 74.179

O SUV da Jeep é cheio de personalidade e oferece um motor 1.8 16V com coletor da admissão variável (VIS) – que melhorou bem as respostas e a disposição nos baixos giros. Estão disponíveis 139 cv e 19,3 kgfm (etanol).

Volvo V40 T-4 Momentum 2017: R$ 76.187

Embora fora de linha, o hatch brinda o motorista com um 2.0 turbinado de 190 cv e saudáveis 30,6 kgfm. A relação peso-potência de 8,17 kg/cv permite acelerar de 0 a 100 km/h em 6,9 segundos. Mas a manutenção é cara.

Honda HR-V EX 2017: R$ 77.284

Motor: quatro cilindros em linha 1.8, 16V, comando variável, válvulas com abertura ajustável (VTEC)
Cilindrada: 1799 cm3
Combustível: flex
Potência: 140 cv a 6.500 rpm (g) e 139 cv a 6.300 rpm (e)
Torque: 17,3 kgfm a 4.800 rpm (g) e 17,4 kgfm a 5.000 rpm (e)
Câmbio: automático CVT, sete marchas simuladas, modos Low e Sport
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e disco sólido (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,294 m (c), 1,772 m (l), 1,586 m (a)
Entre-eixos: 2,610 m
Pneus: 215/55 R17
Porta-malas: 437 litros
Tanque: 51 litros
Peso: 1.270 kg
0-100 km/h: 11s2 (e)
Vel. máxima: 175 km/h (e)
Consumo cidade: 10,5 km/l (g) e 7,1 km/l (e)
Consumo estrada: 12,1 km/l (g) e 8,5 km/l (e)
Emissão de CO2 120g/km com etanol = 0 g/km
Nota do Inmetro: C
Consumo nota C
Classificação na categoria: C (SUV Compacto)

Mais na Motor Show

+ Confira quanto custa manter o Chevrolet Onix Turbo até os 100.000 km
+ Saiba como cuidar da pintura do seu carro
+ São Paulo dará desconto em juros e multas de IPVA atrasado; saiba mais
+ Renault Captur 2022 com novo motor 1.3 turbo começa a ser feito no Brasil
+ Novo Peugeot 3008 chega ao Brasil em junho
+ Caminhão gigante esmaga SUV por acidente; veja o vídeo