Carro Usado: Jeep Compass a diesel reúne versatilidade e valentia

O Jeep Compass é um carro de sucesso e um usado desejado, principalmente nas versões a diesel. Mas, antes da compra, é importante atentar a alguns detalhes

Jeep Compass

Não há dúvidas de que o Jeep Compass seduziu os brasileiros, e prova disso é que ele é um enorme sucesso de vendas, que grada tanto pela beleza quanto pelo bom acabamento, pelo porte e pela versatilidade. Ele chegou com motores 2.0, tanto flex quanto a diesel, associados aos câmbios automáticos de seis e nove marchas, respectivamente. Na linha 2022, estreou o novo 1.3 16V turboflex, mas o dois-litros a diesel foi mantido, agora renomeado como TD350 (leia aqui a avaliação).

São 170 cv e 35,7 kgfm de torque, mas quem deseja uma versão mais preparada para o fora-de-estrada deve escolher a Trailhawk, que se destaca pelas suspensões com maior distância do solo, além de ganchos para reboque na dianteira e na traseira, proteções inferiores no motor, câmbio e tanque de combustível e, ainda, pelo exclusivo modo de condução “Rock”. Assim como nas demais versões a diesel, há bloqueio eletrônico do diferencial, reduzida e assistente para descidas.

+Qual é a melhor versão do Jeep Compass 2022?
+Avaliação: Fiat Toro Ultra é Compass diesel em forma de picape com “porta-malas”; vale a pena?
+Comparativo de SUVs: Jeep Compass vs. VW Taos e Toyota Corolla Cross
+Avaliação: Jeep Compass Sport 2022 e a relação custo-benefício
+Teste de consumo: Corolla Cross Hybrid vs. Corolla Cross 2.0

“Ando por estradas de terra e o Compass me encheu os olhos pela combinação de altura elevada, motor a diesel e tração 4×4”, conta Matheus Henrique Marçal de Costa. Já para Aldo Magalhães, outro proprietário, o Jeep “é um carro econômico e que permite viajar com conforto”.

Na hora da compra, embora nenhum modelo esteja livre de problemas, no caso deste Compass é importante ficar atento para evitar dores de cabeça. Segundo Sandro dos Santos, da oficina Doctor American Car, especializada em Chrysler, Dodge e Jeep, ocorre com certa frequência o travamento do rolamento da bomba d’ água. “Com o veículo em funcionamento, isso afeta a correia dentada e, consequentemente, ocorre o atropelamento das válvulas. Temos histórico de carros com 50.000 km fazendo cabeçote por conta desse defeito”, alerta.

Outra falha pode ocorrer na junta da tampa de válvulas do motor. De acordo com o profissional, na hora da troca é necessário desmontar toda a parte de correia e comandos de válvulas. Já o turbocompressor, as suspensões e a tração não geram inconvenientes, mas é preciso dar atenção ao câmbio… “O óleo da transmissão passa por um resfriador, que também circula água. Devido a uma irregularidade, o líquido pode invadir o interior da caixa automática, interferindo nos componentes eletrônicos e até a enferrujando. O custo de reparo é de R$ 20 mil. Por isso, recomendamos substituir o lubrificante preventivamente a cada 80.000 quilômetros”, explica Santos.

Apesar dos elogios dos donos, claro que o SUV não está livre de críticas. “Ele poderia ter mais potência, além dos pneus serem barulhentos demais”, reclama Magalhães. Já Costa critica o acabamento do painel e a qualidade dos botões do ar-condicionado e do volume do rádio.Jeep Compass

Jeep Compass Trailhawk 2018
R$ 157.712

Motor: quatro cilindros em linha 2.0, 16V, turbo, injeção direta
Cilindrada: 1956 cm3
Combustível: diesel
Potência: 170 cv a 3.750 rpm
Torque: 35,7 kgfm a 1.750 rpm
Câmbio: automático sequencial, nove marchas
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e multilink (t)
Freios: disco ventilado (d) e disco sólido (t)
Tração: integral, com reduzida e seletor de terreno
Dimensões: 4,416 m (c), 1,819 m (l), 1,645 m (a)
Entre-eixos: 2,636 m
Pneus: 235/45 R19
Porta-malas: 410 litros
Tanque: 60 litros
Peso: 1.717 kg
0-100 km/h: 10s0
Vel. máxima: 194 km/h
Consumo cidade: 10,2 km/l
Consumo estrada: 13,4 km/l
Emissão de CO2: 173g/km
Com etanol = 0 g/km
Nota do Inmetro: C
Classific. na categoria: B (Fora de Estrada)

Pelo mesmo preço

Mercedes-Benz C 180 Avant. 2018: R$ 147.406


Este sedã alemão da geração W205 oferece faróis full-LED e lanternas também de LED, enquanto as rodas são de 17”. Com 4,686 m de comprimento, 2,840 m de entre-eixos e 480 litros de porta-malas, tem sob o capô um motor 1.6 turboflex de até 156 cv e 25,5 kgfm (etanol). Leia aqui a avaliação completa.

Ford Ranger Limited 3.2 2017: R$ 154.322


A versão topo de linha, entre outros itens, oferta sensores de estacionamento dianteiro e traseiros, assistente de manutenção em faixas e frenagem de emergência. O motor cinco cilindros 3.2 turbodiesel entrega 200 cv e 47,9 kgfm, com tração 4×4. Suas medidas são avantajadas, e a caçamba leva 1.180 litros. Leia aqui a avaliação completa.

Chevrolet Trailblazer LTZ 2.8 2016: R$ 141.866


O SUV “raiz” leva até sete pessoas com amplo espaço interno. O motor 2.8 turbodiesel é ligado a um câmbio automático de seis marchas e produz 200 cv e 51 kgfm. O porta-malas de 554 litros vai a 205 litros na configuração de sete assentos.

MAIS NA MOTOR SHOW:

+Crise dos chips: entenda por que faltam carros zero no mercado e os preços dos usados dispararam
+Prepare o bolso: IPVA deve ficar mais caro com valorização de novos e usados
+Segredo: os novos SUVs compactos da Volvo e da Smart
+Avaliação: Fiat Argo 1.0 S-Design é ótimo popular-chic, mas vale a pena?
+Avaliação: Audi RS 6 Avant, a perua milionária que nos faz perder o juízo
+Qual é a melhor versão do Jeep Compass 2022?
+Comparativo: Volvo XC40 vs. Mercedes-Benz GLA
+Teste de consumo: Corolla Cross Hybrid vs. Corolla Cross 2.0
+Avaliação: Jeep Compass Sport 2022 e a relação custo-benefício
+Avaliação: Honda CR-V 2021 muda visualmente e nos conteúdos, mas faltou ser híbrido
+Avaliação: Volkswagen ID.4 é o Taos do futuro (e já chegou)