Carros eletrificados poderão representar até 22% do mercado brasileiro em 2030, aponta Anfavea

Mesmo no cenário mais conservador, o mercado brasileiro vai demandar milhões de unidades de veículos eletrificados até a metade da próxima década

0
650
Mini Cooper SE 100% elétrico
Foto: Divulgação

A Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) apresentou recentemente um estudo inédito da Boston Consulting Group que avaliou os cenários para o futuro da motorização no Brasil.

+ Especial de eletrificação: híbridos plug-in são os mais elétricos dos híbridos
+ Especial de eletrificação: full hybrid é o híbrido “de verdade”
+ Especial de eletrificação: o futuro dos motores a combustão


Foram avaliados três grandes cenários possíveis para o país nos próximos 15 anos. O primeiro seria o “Inercial”, no qual a transformação viria no ritmo atual, sem metas estabelecidas, sem uma organização geral dos setores envolvidos e sem uma política de Estado.

O segundo, batizado de “Convergência Global”, seria o mais acelerado no sentido de acompanhar os movimentos já em curso nos países mais desenvolvidos. O terceiro é o “Protagonismo de Biocombustíveis”, um caminho que privilegiaria combustíveis “verdes”, mas com um grau de eletrificação semelhante ao do cenário “Inercial”.

Se hoje os modelos eletrificados respondem por 2% do mix de vendas de leves, em 2030 eles representarão de 12% a 22%, dependendo dos cenários previstos no estudo, e de 32% a 62% em 2035.

Mesmo no cenário mais conservador, o mercado brasileiro vai demandar milhões de unidades de veículos eletrificados até a metade da próxima década. Seriam 432 mil veículos leves/ano em 2030, subindo para 1,3 milhão/ano em 2035. De acordo com a Anfavea, esse é um volume grande demais para ser totalmente importado, exigindo assim investimentos maciços em toda a cadeia para a nacionalização desses veículos eletrificados.

Isso vai exigir também por parte do poder público o estabelecimento de políticas de aceleração da descarbonização, com medidas como menor tributação, isenção em pedágios, rodízio e zona-azul, ou até mesmo bônus diretos aos compradores, como acontece na Europa.

No cenário de Convergência Global, é avaliada a necessidade de instalação de ao menos 150 mil carregadores para atender os veículos eletrificados, o que implica num investimento da aproximadamente R$ 14 bilhões.

Mais na Motor Show

+ Especial de eletrificação: híbridos plug-in são os mais elétricos dos híbridos
+ Último Renault Clio 0km da Argentina é vendido após 10 anos; entenda
+ Veja os 10 países mais caros para se comprar e manter um carro
+ Vídeo: dono de Ferrari Roma erra cálculo e entala esportivo em rua
+ Troller anuncia fim da produção para setembro
+ Toyota SW4 ganha versão esportiva na Indonésia