CEO da Renault-Nissan, Carlos Ghosn é preso no Japão

O executivo brasileiro é acusado de fraude financeira e de ter utilizado ativos da companhia para "fins pessoais"

1774
Divulgação

O executivo brasileiro Carlos Ghosn foi preso no Japão nesta segunda-feira (19), sob a suspeita de ter falsificado relatórios para declarar uma renda inferior à real.

Em nota, a Nissan destaca que uma investigação interna da empresa teria identificado que, “durante anos”, Ghosn e outro alto executivo do grupo, Greg Kelly, teriam reportado à Bolsa de Valores de Tóquio somas de compensação menores do que as reais, além de uma série de outras irregularidades, como o uso de ativos da companhia para fins pessoais. A empresa japonesa destaca ainda que o CEO Hiroto Saikawa irá recomendar a remoção de ambos do quadro de dirigentes da companhia.

Tendo iniciado sua carreira profissional na Michelin, Ghosn foi para a Renault em 1996. Em 1999, assumiu um posto de direção na Nissan após a empresa francesa virar uma das controladoras da montadora japonesa, tendo sido um dos responsáveis pelo plano de recuperação da companhia.