Comparativo: Chevrolet Onix vs. Hyundai HB20 (um novo patamar)

Com a total renovação de Chevrolet Onix e Hyundai HB20, a antiga disputa entre os hatches chega a um novo patamar, no qual as versões topo de linha elevam os padrões do segmento – mas não são baratas

Chevrolet Onix Hyundai HB20

Caso você tenha 30 anos ou mais, já deve ter assistido ao filme “Te Pego Lá Fora” (Three O’ Clock High), em que o personagem Jerry Mitchell, interpretado pelo ator Casey Siemaszko, faz de tudo para não brigar com o delinquente Buddy Revell (interpretado por Richard Tyson). Mas, ao contrário da produção cult de 1987, Chevrolet Onix e Hyundai HB20 gostam de brigar.

O duelo entre Chevrolet Onix e Hyundai HB20 rola há anos e… não tem hora marcada para acabar. Esses dois hatches são dois “queridinhos” do mercado. Segundo a Fenabrave, no primeiro semestre deste ano, o Onix acumulou 60.267 unidades licenciadas, contando também a versão Joy, com carroceria antiga, e o HB20, 32.843. Embora esses números, com os dois modelos afetados diferentemente pela pandemia, não digam tanto, eles são arquirrivais e disputam o mesmo consumidor.

Renovados

Chevrolet Onix e Hyundai HB20 foram totalmente revigorados por fora e por dentro no final do ano passado. O Onix abdicou da plataforma Gamma II para adotar a GEM (Global Emerging Markets), para mercados emergentes, compartilhada tanto pelo “irmão” Onix Plus quanto pelo SUV Tracker. Já o novo HB20 segue na plataforma Hyundai-Kia PB, mas com muitas alterações, como a inclusão de 11% a mais de aços de alta resistência e de uma nova arquitetura eletrônica.

Chevrolet Onix Hyundai HB20

No design, de um lado do ringue o Onix tem linhas retas, com um visual ousado, porém mais harmonioso que o do HB20, que continua a dividir opiniões com seu desenho controverso. Mas gosto é algo subjetivo, não é mesmo? Então, deixamos isso por sua conta, e vamos aos fatos. Reunimos aqui suas versões topo de linha, na faixa de R$ 80 mil, para ver qual deles leva a melhor.

Chevrolet Onix Hyundai HB20

Cabine

Estes dois hatches já não são mais tão compactos assim: ambos ficaram maiores frente a seus antecessores – principalmente o Onix. Esta nova geração do modelo da Chevrolet cresceu para 4,163 m de comprimento (23,3 cm a mais), 1,730 m de largura (2,5 cm adicionais) e 2,551 m de entre-eixos (2,3 cm extras).

O Onix oferece tomadas USB e mais espaço no banco traseiro, mas seu porta-malas é menor. Os bancos dianteiros, com couro bicolor e interiços (não têm ajuste do apoio de cabeça)

Já o sul-coreano HB20, fabricado em Piracicaba, São Paulo, é um tanto menor no comprimento – 3,940 m, 2 cm a mais do que antes –, mas sofreu um aumento na distância entre-eixos, que fica bem próxima: 2,530 m (3 cm a mais do que antes). A largura do Hyundai também é quase igual à do rival: 1,720 m.

O acesso ao interior do carro é melhor no Onix, que abusa de texturas nas superfícies do painel para transmitir ares de sofisticação – com sucesso. Por outro lado, jogam a favor do Hyundai os plásticos de melhor qualidade.

+Toyota Corolla Cross e mais 40 SUVs que chegam no próximo ano
+Avaliação: vale a pena pagar quase R$ 80.000 na Fiat Strada Volcano?

+Avaliação: com preço de RAV4, Volvo XC40 híbrido faz 25 km/l na cidade 
+Avaliação: Ferrari SF90 tem 1.000 cv, mas é fácil de domar

E, se as dimensões do Onix proporcionam mais espaço no banco traseiro, com ótimo aproveitamento do espaço, o HB20 tem bancos dianteiros mais espaçosos e confortáveis, com apoios laterais mais pronunciados. Por fim, embora o Onix tenha porte maior, o porta-malas do HB20 comporta 300 litros (mesma capacidade do VW Polo), contra 275 litros no Chevrolet.

O espaço atrás é menor no HB20, e não há saídas USB para quem viaja no banco traseiro. Os bancos são mais confortáveis. Já o porta-malas acomoda 300 litros, 25 a mais do que no rival

A ergonomia de Chevrolet Onix e Hyundai HB20 é beneficiada pelos ajustes da coluna de direção em altura e profundidade (o último um pouco mais ampla no Onix) e pelos comandos bem posicionados. À época do lançamento, em 2012, o Onix trazia um controverso quadro de instrumentos inspirado nas motocicletas. A solução foi abandonada pela Chevrolet, mas estreou neste HB20.

Conteúdo

 

O ar-condicionado do novo HB20 é manual (apenas tem um display LCD). As trocas sequenciais de marcha podem ser feitas usando a alavanca, depois de deslocá-la para a esquerda, ou as aletas no volante, a qualquer momento. No acabamento, enquanto o Onix usa texturas, o HB20 aposta tem uma faixa azul no painel e detalhes em “black piano”

Os dois têm centrais multimídia com Android Auto, Apple CarPlay e interfaces intuitivas. As telas têm 7” no Chevrolet e 8” no Hyundai. O Onix Premier ainda oferece o serviço de concierge OnStar e o wi-fi nativo.

O sistema permite conectar sete aparelhos e funciona a até 15 metros do carro, mas a comodidade é oferecida em parceria com a operadora Claro em planos pagos: há quem alegue – com certa razão – que hoje todos têm internet no celulares, então não se justificaria um sistema com mensalidade extra. Mas isso vai depender do uso de cada um.

As cabines são parecidas. Enquanto o Onix abandonou o cluster “estilo moto” (velocímetro digital e conta-giros analógico), o HB20 o adotou. Ambos têm centrais multimídia com tela “flutuante” e práticos botões de atalho. O ar-condicionado do Onix Premier tem controle automático opcional. O botão na alavanca de câmbio muda marchas no modo L

Do alto do meu 1,70 m com o banco do motorista ajustado para mim, o espaço aos ocupantes traseiros é superior no Chevrolet. Além disso, que viaja atrás nele tem à disposição duas entradas USB. No HB20 também são duas, mas só na frente (uma para conexão com a central multimídia e outra de carregamento rápido).

Ainda em equipamentos de conforto e conveniência, o Onix Premier tem carregador de celular sem fio e pode receber um pacote com alerta de pontos cegos, sensores de estacionamento dianteiro, lateral e traseiro e sistema estacionamento automático – itens normalmente vistos em segmentos superiores.

Ao volante

Os dois modelos têm motores tricilíndricos 1.0 turbo associados a transmissões automáticas de seis marchas. Mas o motor do Onix tem injeção indireta, ao passo que o do HB20 tem injeção direta, mais sofisticada.

E o Hyundai ainda tem start-stop, que desliga e religa automaticamente o motor em breves paradas, como em semáforos. Esse sistema ajuda a reduzir o consumo (e, também por causa dele, o HB20 é mais econômico na cidade). Já o Onix tem uma calibração que o leva a ter vantagem sobre o rival no consumo rodoviário.

Em relação ao desempenho, o Chevrolet pesa 1.113 kg, ante 1.091 kg do rival, que ainda é um pouco mais potente. Assim, as relações peso-potência são de de 9,59 kg/cv e 9,09 kg/cv, respectivamente.

Apesar de terem desempenho muito parelho, o Onix é discretamente mais rápido nas saídas a partir da imobilidade, pois sua transmissão trabalha de forma mais rápida (às custas de às vezes ser arisco demais; para quem gosta de suavidade, o Hyundai é melhor).

Uma vantagem do HB20 é que enquanto no Onix as mudanças sequenciais de marcha podem ser feitas apenas por um nada prático botão na sua lateral – e isso só após colocar a alavanca na posição L (Low) –, o Hyundai traz aletas no volante, que podem ser acionadas a qualquer momento. Outro ponto de destaque do coreano é que, comparando as duas unidades três cilindros no uso diário, vibração e ruído são maiores no Onix Premier.

Chevrolet Onix e Hyundai HB20 são carros que atendem a diferentes públicos, de solteiros a jovens casais, com ou sem filhos. Por isso, nenhum tem pretensões esportivas. Ainda assim, para quem busca por uma pitada de diversão ao volante, o Onix é mais dinâmico no contorno de curvas e aponta com mais facilidade a dianteira. Isso ao custo de um acerto de suspensões mais firme que no HB20. Além disso, o Onix tem rodas aro 16 e pneus 195/55, ao passo que no Hyundai elas são aro 15 com “borrachudos” pneus 185/60.

Assim, o hatch da Chevrolet pode até oferecer um “temperinho” extra nas curvas, mas quem se sai melhor no nosso asfalto ruim é o HB20 Diamond Plus, com uma calibração mais macia e equilibrada, que lida melhor com as imperfeições do nosso piso. Já em relação ao sistema de direção, o Chevrolet é mais leve e tem respostas melhores de esterço e retorno – mas não há absolutamente nada do que reclamar no Hyundai nesse quesito.

Segurança extra

Em ambos, a segurança é garantida por controles eletrônicos de tração/estabilidade, assistente de partida em rampas e monitoramento da pressão dos pneus. No entanto, o Onix Premier tem seis airbags (frontais, laterais e de cortina), enquanto no HB20 Diamond Plus tem quatro (dianteiros e laterais).

Em caso de acidentes, o Onix pode até ser melhor, mas, para evitá-los, esta versão do HB20 inclui assistente de mudança de faixas e alerta de colisão com frenagem automática – que puderam estrear por conta da nova arquitetura eletrônica.

Conclusão

O Onix é um mais equipado e tem plataforma nova, com dimensões maiores e mais espaço no banco traseiro, além de maior conectividade com o On Star e o wi-fi nativo – no entanto, pagos a parte –, além da dinâmica mais apurada.

Em contrapartida, o HB20 tem uma cesta de peças com valores inferiores e preços das revisões mais em conta (veja tabelas), além de dois anos a mais de garantia, motor mais moderno, porta-malas maior e rodar mais confortável. E se o Onix é o mais econômico na estrada, o HB20 ganha no consumo urbano.

Sem dúvida esta é uma briga bastante acirrada: prova disso é que nas notas finais, ao lado, os dois empataram. Embora o HB20 seja nossa Compra do Ano 2020, nessas versões topo de linha cada um tem suas vantagens, e a decisão final depende das prioridades de cada um. De qualquer modo, quem ganhou com essa competição foi o consumidor, que passou a ter duas novas e ótimas opções de compra. Porque HB20 e Onix elevam os padrões do segmento.

 

 

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar