Conheça o interior do Honda HR-V, revelado em Detroit

A Honda ficou tão feliz com retumbante sucesso do Acura NSX que esqueceu de manter fechado o interior do crossover HR-V em seu estande, a poucos metros do superesportivo da submarca japonesa. Dessa forma, a imprensa brasileira acabou tendo acesso a vários detalhes do carro. Confira todos eles em nossa galeria de fotos. Somente o quadro de instrumentos não foi totalmente revelado. O Honda HR-V começa a ser vendido no Brasil em março, com fabricação nacional, e deve competir diretamente com o Ford EcoSport, líder do segmento. O motor será 1.8 flex de até 140 cv, com câmbio CVT ou manual de seis marchas. Os detalhes que descobrimos no Salão de Detroit são os seguintes:

1) volante multifuncional com design do usado no Fit, mas de pegada melhor, contendo controle de velocidade à direita e comandos do computador de bordo à esquerda;


2) controle do sistema de áudio à esquerda e comandos do telefone celular na parte debaixo;

3) borboletas de bom tamanho atrás do volante;

4) quadro de instrumentos com três grandes “relógios”, sendo o central maior, como no Fit;

5) botão Eco verde para condução econômica do lado esquerdo do volante;

6) tela multimídia posicionada bem à direita, quase à frente do passageiro, mas com a face voltada para o motorista;

7) duas saídas de ar para o motorista nas laterais do cluster; saída de ar diferente para o passageiro, em formato horizontal, logo acima do porta-luvas, medindo 2,5 palmos;

8) rádio posicionado embaixo da tela multimídia e da saída de ar central, logo à frente da alavanca de câmbio, com tela sensível ao toque, mas parece mal posicionada;

9) dois profundos porta-garrafas no console central e mais um porta-objetos quadrado logo atrás deles, com cobertura, também profundo, mas estreito;

10) console vazado por baixo para permitir acesso a mais um porta-objetos, mas com acesso ruim;

11) dois porta-copos em cada porta dianteira e um porta-copos em cada porta traseira, além de um terceiro porta-objetos traseiro entre os bancos dianteiros;

12) porta-luvas meio raso;

13) três encostos de cabeça traseiro, bom espaço para as pernas, espaço suficiente para a cabeça (porque o teto desce a partir da coluna B) e péssimo assento para o quinto passageiro, se for usada a mesma solução mostrada em Detroit, pois o banco é dividido e tem uma saliência.