Crise dos chips, guerra, eletrificação: do carro popular os carros de elite, cada vez mais caros

Os carros estão mais caros, e isso não deve mudar tão cedo. E não adianta achar que os carros elétricos são a solução, pois também devem subir de preço

0
58
BMW iX carros mais caros

A crise dos chips deixou os carros mais caros, trazendo à tona a vulnerabilidade de um sistema de produção de automóveis que há anos – por conta da globalização – transferiu grande parte dos processos a países que produzem em grande volume a baixo custo.

E a este problema, ainda longe de acabar, acrescenta-se outro: a guerra na Ucrânia. O conflito evidencia esta deficiência do setor, que depende tanto do país agressor quanto do agredido para peças e matérias-primas que não chegam mais à cadeia de suprimentos.

Faltam tantos componentes para carros em geral, como microchips, quanto para os eletrificados – como o níquel, do qual a Rússia é o terceiro maior produtor e cujo preço aumentou 197%. Isso resulta em paradas nas linhas de produção, com custosos lay-offs e atrasos nas entregas de até um ano, como no caso do Jeep Commander.


Uma situação dramática para fabricantes, que já lutam com aumentos anteriores à guerra nos preços do alumínio, aço e, no caso dos elétricos, cobalto e lítio. Tudo deixando os carros mais caros, sejam a combustão ou não.

Assim, a prometida eletrificação “total” do mercado deve demorar mais que o esperado – e será ambientalmente menos eficaz em mercados como o europeu, que terá que usar mais energia elétrica “suja” para diminuir a dependência da Rússia (a Itália vai reabrir sete usinas a carvão).

Nesse ponto, até um fabricante insuspeito como a Volvo, que investe pesado em elétricos, reconhece que seus modelos a bateria, com as atuais fontes de energia, levam 110.000 quilômetros para ter uma pegada de carbono menor que o equivalente a gasolina. Usando carvão, esse equilíbrio vira fantasia…

Volvo C40

Além disso, há os custos industriais: hoje um carro elétrico custa até 50% mais que um a combustão na Europa, e até 100% no Brasil, no caso de um “popular” como o Kwid E-Tech (isso porque há incentivos ou redução de impostos).

+Comparativo de Carros Elétricos: Peugeot e-208 GT vs. Mini Cooper SE vs. Fiat 500e vs. Renault Zoe
+Compra do Ano 2023/Esportivo Elétrico: Audi RS e-tron GT

Se o aumento das matérias-primas continuar, tornam-se inviáveis. E, ao escolher elétricos como futuro inevitável, a indústria fica presa também à China, que controla boa parte da cadeia, da maior parte da extração de cobalto e lítio à produção das baterias.

E não adianta voltar correndo para os modelos a combustão, no caso da Europa, ou atrasar a eletrificação a no Brasil, onde ainda é bastante incipiente: mesmo no caso deles, a pressão nos custos se reflete nos preços, que crescem sem parar com a demanda superior à oferta.

Somando isso à inflação alta, que corrói o poder aquisitivo, e a consequente decisão das marcas de focar em modelos de maior valor e lucratividade, o carro zero-quilômetro, cada vez mais caro, volta a ser um bem para poucos privilegiados, destinado a se tornar – como disse Akio Toyoda – “uma flor no topo da montanha”.

carro popular vai morrendo, e passamos a ter só o carro de elite — até porque abastecê-los está caríssimo.

Nesse triste contexto de carros mais caros e inatingíveis torna ainda mais essencial a edição especial da Compra do Ano da revista MOTOR SHOW. Ainda que carros zero-quilômetro sejam para poucos, ou justamente por se tornarem um “investimento” tão mais significativo, torna-se ainda mais importante acertar na escolha.

E é justamente para isso que a equipe da MOTOR SHOW indica, com base em suas experiências e nas avaliações e testes realizados, os melhores modelos para você colocar na sua garagem em 22 categorias – sejam de R$ 60 mil, sejam de R$ 1 milhão.

OS VENCEDORES – CLIQUE NO NOME DO CARRO PARA LER MAIS (ATUALIZAÇÃO DIÁRIA):

HATCH PREMIUM: MERCEDES-BENZ CLASSE A
AVENTUREIRO: FIAT PULSE
CUSTO-BENEFÍCIO: FIAT ARGO TREKKING
ESPORTIVO: FORD MUSTANG MACH-1
CUPÊ-CONVERSÍVEL: PORSCHE 718
ELÉTRICO ATÉ R$ 300 MIL: PEUGEOT E-208 GT
ELÉTRICO ACIMA DE R$ 300 MIL: VOLVO C40
ESPORTIVO ELÉTRICO: AUDI RS E-TRON GT
SEDÃ DE LUXO: BMW SÉRIE 5