Cruze vem com tudo

Divulgação

Antes de você acabar de ler este parágrafo, mais um carro com a gravatinha dourada irá rodar seu primeiro quilômetro nas mãos de um consumidor sorridente em um dos cinco continentes.Alan Batey, chefe global da marca Chevrolet e presidente da General Motors North America, fez a conta: “A cada 7 segundos, um Chevrolet é vendido em algum lugar do mundo”. Dentre os inúmeros modelos da empresa, a quarta maior montadora de veículos do planeta, o mais vendido é o Chevrolet Cruze. Desde que foi lançado, em 2008, o sedã médio é um fenômeno, com mais de 3,5 milhões de unidades emplacadas.

Seus principais mercados são China, Estados Unidos, Brasil e Canadá. No Brasil, em 2014, um ano difícil para a indústria, foram emplacadas 24.506 unidades da versão sedã e 17.049 da hatch, o que o deixou em terceiro lugar entre os sedãs médios mais vendidos (atrás do Toyota Corolla e do Honda Civic) e também entre os hatches médios (atrás do Fiat Punto, na realidade um hatch compacto, e do Ford Focus, esse sim um verdadeiro rival). Neste ano, até junho, a venda acumulada do Cruze Sedan é de 6.109 unidades (perdeu a posição para o Nissan Sentra) e a do Cruze Hatch é de 5.137 (foi ultrapassado pelo VW Golf).

No que depender da Chevrolet, essa briga vai ficar ainda mais acirrada em 2016. O Cruze de segunda geração, apresentado no final de junho nos Estados Unidos, chega ao Brasil no segundo semestre de 2016 com muito mais munição que o atual e, em alguns casos, até mais competitivo que os concorrentes. Para resumir, o Cruze ficou mais leve, mais eficiente, mais potente, mais forte e muito mais conectado. O design ficou mais expressivo e elegante. “Ouvimos os consumidores e demos o que eles querem, um carro global mais espaçoso e que oferece mais economia de combustível”, afirmou Batey no palco do clássico Fillmore Theater, em Detroit.


A nova central multimídia deixou o Cruze muito mais conectado para atrair o público jovem. No banco traseiro, o espaço para os passageiros aumentou

A ambição, claro, é destronar os rivais japoneses com um design mais moderno e fluído e com muita tecnologia. “Queremos ser líderes, não seguidores”, resume o executivo, no estilo conquistador (Non Ducor Duco) dos paulistas. O sedã é o responsável pelo rejuvenescimento da Chevrolet, pois 35% dos seus compradores são clientes novos da marca e 34% têm idade inferior a 35 anos. Não por acaso, o modelo sairá de fábrica a partir de janeiro de 2016, nos EUA, com dois sistemas – o Android Auto, do Google, e o Apple Car Play, da Apple – que o conectam ao celular e espelham vários aplicativos na intuitiva central multimídia, com tela de 7 polegadas sensível ao toque.

O novo motor Ecotec 1.4 turbo tem 155 cavalos e é mais potente que o 1.8 atualmente vendido no Brasil (144 cv). Vem acompanhado de cambio automático de seis marchas. O peso total do veículo foi reduzido em 113 quilos, o que, junto com o sistema start-stop, permitirá mais economia de combustível. O novo Cruze acelera de 0-100 km/h em 8 segundos e o consumo esperado é de 17 km/l na estrada. O comprimento foi reduzido em 68 mm e a altura, em 25 mm, o que o conferiu uma aparência mais longilínea.

O espaço para as pernas no banco de trás aumentou 5,1 cm e ficou mais confortável que os concorrentes Ford Focus e Hyundai Elantra. Dentre os itens de segurança, o Cruze disporá de alertas de ponto cego, de ultrapassagem, de mudança de faixa e de aproximação dianteira. Como dizem seus criadores, é um “sedã compacto, mas com atitude de carro premium”. O preço atual vai de R$ 72.450 a R$ 89.750. Espera-se que a versão 2016 custe entre R$ 80.000 e R$ 95.000.

Conectividade

Enquanto o novo modelo não está disponível para os brasileiros, a Chevrolet apimentou a versão atual com um serviço inédito no País: o OnStar, um sistema que oferece ao motorista um atendimento online, a viva voz, com ajuda em situações de emergência, segurança, navegação e conectividade. O OnStar tem 7 milhões de usuários nos Estados Unidos, no Canadá e na China e chega ao Brasil até o final do ano. Usando o próprio celular, o motorista pode travar e destravar o veículo e acionar a buzina e o pisca alerta (ideal para os perdidos nos estacionamentos). Com a conexão permanente do carro na rede telefônica 4G, a central de atendimento do OnStar pode localizar o veículo roubado e até desligar seu motor para facilitar uma eventual perseguição policial.

Basta acionar o aplicativo no celular ou na central multimídia ou apertar um botão no espelho retrovisor para obter conexão imediata com a central. O operador pode pedir solicitar resgate (em caso de acidente, isso é automático se o airbag disparar) ou simplesmente fornecer dicas de hotéis e restaurantes, fazer reservas e ajudar a localizar um endereço. E o OnStar ainda faz diagnóstico do veículo, alertando para as manutenções de praxe. O custo do OnStar ainda será definido. “Estamos negociando com as principais operadoras de telefonia e, em breve, detalharemos os serviços do OnStar no País”, diz Marcos Munhoz, vice-presidente da GM do Brasil.

—–

Ficha técnica:

Chevrolet Cruze Premier 2016

Motor: 4 cilindros em linha, 16V, injeção direta, turbo, start-stop
Cilindrada: 1399 cm3
Combustível: gasolina
Potência: 155 cv a 5.600 rpm
Torque: 24,5 kgfm de 2.000 rpm a 4.000 rpm
Câmbio: automático sequencial, seis marchas
Tração: dianteira
Direção: elétrica
Dimensões: 4,666 m (c), 1,795 m (l), 1,458 m (a)
Entre-eixos: 2,700 m
Pneus: 225/40 R18
Porta-malas: não divulgado
Tanque: 52 litros
Peso: 1.269 kg 0-100 km/h: 8s
Velocidade máxima: não divulgada
Consumo cidade: não divulgado
Consumo estrada: 17 km/l*
Nota do Inmetro: não participa

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar