De cara nova, mas com qualidade

Roberto Assunção

Não foi dessa vez que o Volkswagen Jetta começou a ser feito na Fábrica Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP). Mas a fabricação nacional, segundo a Volkswagen, começa ainda no primeiro semestre deste ano. Mesmo importado do México, o Jetta 2015 recebeu mudanças pontuais e uma nova versão, a Trendline, que complementa a gama junto da Comfortline (das fotos) e da topo de linha Highline. As novidades da dianteira estão no para-choque redesenhado, nos faróis, na grade do radiador e no capô. Já na traseira, mudaram o parachoque, a tampa do porta-malas (que passa a ter um aerofólio), os logotipos e as lanternas (de LED na Highline). O novo desenho do Jetta também aumentou o comprimento do carro em 15 mm em relação ao modelo anterior.

Com um visual exterior mais dinâmico, por dentro a cabine também está diferente. O Jetta passa a ter um novo quadro de instrumentos com mostrador multifuncional, que é preto e branco na Comfortline e colorido na Highline. O volante é o mesmo para as três versões. A versão intermediária Comfortline tem quatro airbags, câmbio automático de seis marchas, central multimídia com rádio RCD 510entrada auxiliar e USB. As rodas da Trendline e da Comfortline são aro 16, mas com desenhos diferentes, podendo ser opcionalmente aro 17 na versão intermediária.

O Jetta Highline turbo oferece uma lista de itens de série e de opcionais a mais, como retrovisor interno eletrocrômico e seis airbags (nas demais versões são quatro). A Highline oferece dois pacotes opcionais: o Exclusive (bancos esportivos com  revestimento em couro, comando automático dos faróis, sensor de  chuva, ajuste elétrico do assento do motorista, faróis bixenônio com luz de indicação diurna em LED, regulagem de altura e luz de conversão dinâmica) e o Premium (rádio RNS315 com navegador, o da foto). Ele tem tela maior.

As versões Trendline e Comfortline usam câmbio automático convencional de seis velocidades. A Higline também tem seis marchas, mas usa a transmissão automatizada DSG de dupla embregaem. A Trendline e a Comfortline continuam com o motor 2.0 aspirado flex de 120 cv (etanol). O conjunto garante certa agilidade ao Jetta Confortline aspirado que avaliamos, mas não espere por muitas emoções. Agora, ao volante da versão Highline a conversa é outra. O torque de 28,6 kgfm a 2.000 rpm garante respostas ágeis e tempero esportivo. O câmbio DSG faz as mudanças ou reduções serem quase imperceptíveis, além de oferecer trocas sequenciais pela alavanca ou pelas borboletas atrás do volante. A direção do Jetta Highline tem assistência elétrica e respostas diretas ao esterço. Já as suspensões são multilink para todas as versões, com novas molas e novos amortecedores.

Em segurança, além dos seis airbags, o Jetta Highline oferece controle de estabilidade, bloqueio de diferencial, sistema de assistência à frenagem e assistente de partida em rampa. Embora ainda seja importado do México, o VW Jetta atende os consumidores que desejam algo a mais em um sedã médio.