Do Corcel ao Fiesta: os Ford feitos em São Bernardo

Unidade industrial no ABC paulista já concentrou a produção de automóveis da marca no Brasil

4483
Ford Corcel (Divulgação)

A Ford anunciou nesta terça-feira (19) que irá interromper a produção de automóveis na fábrica de São Bernardo do Campo (SP) (leia aqui), pondo fim à história de 50 anos da unidade industrial como fabricante de automóveis da marca do oval azul.

Construída nos anos 1950 pela Willys Overland do Brasil, era desta fábrica que saíam modelos como o Jeep Willys, a station wagon Rural e o sedã Itamaraty.

A Ford assumiu a planta industrial em 1967, com a aquisição do controle acionário da Willys. Até então, a única fábrica de carros da Ford no Brasil ficava no bairro paulistano do Ipiranga, onde eram produzidos os caminhões da marca e o recém-lançado Galaxie.

Na nova fábrica, a Ford manteve inicialmente em linha os produtos da empresa incorporada. O primeiro Ford de São Bernardo viria apenas em 1969, com o lançamento do médio Corcel. Em 1973, a marca lançou o Maverick, modelo que veio para substituir o Aero Willys e o Itamaraty.

Ao longo dos anos 1980, São Bernardo se tornou o centro das operações automotivas da Ford no Brasil. Do compacto Escort ao médio Del Rey, passando por Belina, Corcel II, Pampa e Verona, todos eram feitos na fábrica do ABC paulista. Apenas os caminhões e as picapes Série-F seguiam em produção na fábrica do Ipiranga.

Em 1996, após o fim da Autolatina, a fábrica foi reprojetada para montar o Ford Fiesta de 4ª geração, que havia sido lançado apenas um ano antes na Europa. No ano seguinte, São Bernardo começou a produzir o Ka de 1ª geração e a picape Courier, modelo derivado do Fiesta.

Em 2001, com a inauguração da fábrica de Camaçari (BA), a unidade do ABC paulista passou a perder produtos, embora tenha incorporado a linha de montagem de caminhões em 2001, após o fechamento da fábrica do Ipiranga. Desde 2013, o hatch Fiesta era o único carro de passeio que ainda era feito em São Bernardo.