Duas faces de um esportivo

Há alguns carros que se alimentam de velocidade. O Mercedes-Benz CLA 45 AMG é um deles. Dono do mais potente 4 cilindros do mundo, um 2.0 de 360 cv, ele chega agora ao Brasil (e futuramente ganhará um rival, o BMW M235i da próxima reportagem). A avaliação completa desse Mercedes mostramos na edição 368, quando o testamos na Alemanha (leia em www.motorshow.com.br). Agora, foi a vez de andar na pista de Interlagos. E ele não estava sozinho: junto, conhecemos sua versão de competição, o CLA 45 AMG Racing Series, que resolve o maior problema do CLA 45 “de rua” – justamente o apetite por velocidade. 

Isso porque esportivos como esse AMG geram uma vontade insana de transgredir as regras e afundar o pé no acelerador. Por outro lado, o bom senso e as leis pedem moderação. Então a versão Racing Series permite extrair, sem infrações, o máximo do esportivo. Ou melhor, não exatamente dele: ele é o mesmo carro, mas é diferente – a começar pelo preço, que vai de R$ 289.900 para R$ 360.000. São muitas modi cações: tomadas de ar maiores, gaiola, bancos-concha, freios, apêndices aerodinâmicos, aerofólio… O resultado é que ele foi 15 segundos mais rápido na pista – mérito principalmente dos pneus. Ah, e vale lembrar que ele não pode circular nas ruas – só nas pistas da Grand Challenge, competição nacional com gasto estimado em R$ 400.000 (oito corridas).

“A grande diferença está nos pneus slick e na asa [o enorme aerofólio]”, diz Ricardo Maurício, bicampeão da Stock Car. “O de corrida aponta mais rápido e tem mais velocidade de contorno nas curvas; é só posicionar bem para a retomada, aproveitando quando a turbina abre”, completa. E a tração principalmente dianteira, que os fãs da rival BMW criticam? “O carro sai mais de frente, mas é mais fácil de corrigir. É uma delícia sair de curvas com ele”, conta Ricardo. Palavra de piloto. 

Veja também

+ Fiat faz desconto em toda a linha; preço do Toro cai R$ 32 mil
+ Acesso de fúria de macaco deixa um homem morto e 250 pessoas feridas na Índia
+ Risco de casos graves de Covid é 45% maior em pessoas com sangue do tipo A, segundo pesquisadores europeus,
+ Aprenda a fazer o brigadeiro de paçoca de Ana Maria Braga