DUSTER 2016 TRAZ NOVOS EQUIPAMENTOS E PREÇO MAIS BAIXO

A Renault lançou hoje em Tuiuti (SP) o Duster 2016. O crossover criado pela romena Dacia — que é fabricado em São José dos Pinhais (PR) sob a marca Renault — passou por uma atualização de design e equipamentos para enfrentar a nova concorrência que está chegando ao mercado brasileiro (Jeep Renegade, Peugeot 2008, JAC T6 e Honda HR-V). O Duster ficou mais barato nas versões 4×2 de entrada: a Expression 1.6 manual caiu R$ 500 e a Dynamique 1.6 manual desceu R$ 1.000.

O Duster é um carro estratégico para a Renault do Brasil. Ele ocupa atualmente a 21ª posição entre os carros mais vendidos do País (5.226 emplacamentos em 2015), o que representa 19,8% das vendas da marca nos primeiros dois meses. No ano passado, o Duster obteve 48.866 licenciamentos, ocupando a mesma 21ª posição no ranking geral, mas representando 20,6% das vendas da Renault. O Ford EcoSport, principal concorrente do crossover romeno-brasileiro, vendeu 6.210 unidades em 2015 e 54.263 no ano passado. Na categoria de SUVs, o Duster é dono de 14,4% do mercado, contra 17,1% do EcoSport.

Embora tenha ganhado 6 cv de potência no motor 2.0 flex e 1 kgfm no torque em baixa rotação tanto no 2.0 quanto no 1.6, o Duster 2016 tem no visual suas principais mudanças. Atualizações pontuais foram feitas na carroceria e no interior do veículo. Na dianteira, ele exibe nova grade, novo para-choque e novos faróis com máscara negra, que o deixaram mais insinuante. Na traseira, o Duster tem novo para-choque, lanternas redesenhadas e novo puxador da tampa do porta-malas. Nas laterais, as versões Expression e Dynamique ganharam novas rodas de liga leve aro 16 (os pneus são 205/60).

Como a concorrência vem forte, a Renault procurou caprichar no interior do Duster 2016. O carro ganhou materiais de melhor qualidade, mais suaves no toque das mãos, e acabamento em Black Piano na região central do painel. Melhorou, de fato, mas como se trata de um projeto mais antigo do que os da nova concorrência, alguns pênaltis ficaram claros durante o test drive realizado do aeroporto de Viracopos, em Campinas, ao Haras Tuiuti, onde existe uma pista particular de off road. Entre eles a má localização da tela do Media Nav (muito embaixo, distante dos olhos do motorista) e do controle dos espelhos elétricos (escondido embaixo do freio de mão).

De qualquer forma, o sistema multimídia agora é o Media Nav Evolution, que melhorou ao incorporar informações de trânsito em tempo real, novas funções (temperatura externa, Eco-Coaching e Eco-Scoring) e permitir acesso a mídias sociais por meio de um aplicativo do smartphone. Os bancos também estão mais confortáveis, mas o encosto de cabeça fica muito para trás e isso pode causar dor no pescoço em viagens. O quadro de instrumentos agora possui iluminação branca no conta-giros, velocímetro (ambos analógicos e de boa leitura) e no mostrador digital que exibe o nível de combustível e as informações do computador de bordo. Outra novidade é o indicador de troca de marchas, que permite ao motorista dirigir de forma mais econômica. De qualquer forma, o Duster tem nota A no programa de consumo no Inmetro tanto para o motor 1.6 de 110/115 cv (gasolina/etanol) como para o 2.0 de 143/148 cv. Nas duas motorizações a linha 2016 traz a função EcoMode (acionada por meio de um botão mal posicionado no pé do painel), que limita a potência e torque do motor, reduz a intensidade do ar-condicionado e permite uma economia de 10% no consumo de combustível.

Devido à importância do Duster em seus negócios no Brasil e à já conhecida capacidade off road do Jeep Renegade, a Renault procurou ressaltar as virtudes aventureiras de seu robusto crossover. Para tanto, incluiu um trecho de estrada de terra no percurso do test drive. E no Haras Tuiuti mostrou que a versão Dynamique 4×4 é capaz de superar inclinações, subidas, descidas e obstáculos que a maioria dos carros dito aventureiros não encararia. Isso porque sua tração 4×4 entra automaticamente quando necessária, mas também pode ser travada (nesse caso, sem fazer curvas) em situações mais difíceis. Outra diferença fundamental é que o Duster 4×4 dispõe de suspensão traseira independente multilink, enquando o Duster 4×2 tem suspensão traseira semi-independente. Entretanto, o carro não dispõe dos sistemas eletrônicos que tornam o Jeep Renegade uma fera na condução fora de estrada.

Mesmo assim, a guerra não está perdida pela Renault. Além de ter muitos admiradores no Brasil e a confiança dos proprietários, o Duster leva ampla vantagem na capacidade do porta-malas, que é de 475 litros, enquanto o EcoSport oferece 362 litros e o Renegade apenas 260 litros. O preço também pode ser um diferencial importante a favor do Renault Duster 2016. As versões já anunciadas são as seguintes:

Expression 1.6 manual 4×2: R$ 62.990 (caiu R$ 500);
Dynamique 1.6 manual 4×2: R$ 67.990 (caiu R$ 1.000);
Dynamique 2.0 manual 4×2: R$ 72.990 (manteve);
Dynamique 2.0 automático 4×2: R$ 75.990 (manteve);
Dynamique 2.0 manual 4×4: R$ 78.490 (manteve).