Editorial: sob o domínio dos SUVs (ou: até tu, Bond?)

Os SUV são um fenômeno, e tornaram-se obrigatórios até para marcas como a Aston Martin, conhecida pelos carros do James Bond. E agora chegam a uma nova era

sob o domínio dos SUVs

Os utilitários esportivos, mais conhecidos como SUVs, são, já faz um bom tempo, um verdadeiro e quase inexplicável fenômeno do mercado. E, para comprovar isso, a nova edição da MOTOR SHOW, que já está nas bancas virtuais e reais, faz testes de diversas novidades do segmento, uma nova era dos SUVs.

Comparados aos sedãs e peruas, os SUV são mais altos e, portanto, menos estáveis. Além disso, quase sempre têm consumo maior. E, na sua, maioria não trazem vantagem no uso ao qual mais comumente os compradores destinam – são os “SUVs de shopping”. Ainda assim, são muito desejados e um absoluto sucesso de vendas.


+Avaliação: Jeep Renegade Moab é diesel com preço de flex. Vale a pena?
+Honda Civic 2022 é evolução (e não revolução) em sua 11ª geração
+Avaliação: Toyota Corolla Cross é aposta segura contra Jeep Compass

Cientes desta preferência dos consumidores de SUVs, as fabricantes de automóveis vêm há décadas investindo em modelos que nada lembram os “SUVs raiz”, com construção com chassis – como nas picapes médias para uso pesado.

Usando as mesmas plataformas de automóveis hatches e sedãs – o que simplifica tudo industrialmente – e quase sempre abrindo mão da tração 4×4, a maioria dos SUVs de hoje são algo como as “novas peruas”.

E, se o cliente sempre têm razão, e as montadoras querem ganhar dinheiro, elas fazem o que ele pede. A Porsche passou a vender mais SUVs do que esportivos clássicos, e até as tradicionalíssimas Lamborghini, Bentley e Rolls-Royce se renderem à moda.

Agora, é a vez de a Aston Martin – que está de volta ao Brasil – lançar o DBX, que avaliamos na MOTOR SHOW de abril/maio. Sim, até mesmo o James Bond, o agente 007, vai abandonar seus clássicos cupês para andar de SUV.  Agora só falta a Ferrari (que chega logo, lamento — ou não? — dizer).

SUVs

O fenômeno dos SUV se repete entre os modelos eletrificados, que já estão em forte ascensão nos mercados desenvolvidos, e que, aos poucos, chegam ao Brasil. A Tesla lançou seu excêntrico Model X nos EUA em 2015, mas a concorrência se mexeu, e rivais já chegaram ao mercado, inclusive por aqui (como Jaguar I-Pace e Audi e-tron/e-tron Sportback – que já comparamos neste link). Mas quem tem incomodado (e muito) a Tesla é a releitura de um mítico Muscle Car.

SUVs elétricos

+Carros elétricos mais vendidos do Brasil em 2020: confira o ranking e veja todos os elétricos à venda hoje
+Audi e-tron vs. Jaguar I-Pace: um comparativo dos SUVs elétricos que adiantam o futuro
+Carros elétricos vs. a combustão: mundos em choque

Sim, o Ford Mustang virou um SUV elétrico, o Mustang Mach-E. Fabricado no México, ele chega ao Brasil este ano com preço competitivo. Veja o teste completo na nova MOTOR SHOW. Outro SUV elétrico que chega logo ao Brasil é o VW ID.4, que também já aceleramos e mostramos nesta mesma edição. Pouco maior que o VW Taos, é a grande aposta da marca também nos EUA – onde, em um infeliz brincadeira de 1o de abril lançada em 30 de março, a marca alemã anunciou que mudaria seu nome para Voltswagen.

Volkswagen ID.4 SUVs
Foto: Divulgação

A jogada de marketing pode ter sido de mau gosto, mas o carro é muito bom. Confira nossas impressões na revista. Completando a edição – que virou, quase sem querer, um especial de SUVs –, temos o aguardadíssimo SUV médio da Toyota, o Corolla Cross (leia aqui), que chegou para desafiar o líder Compass apostando, inclusive, em uma versão híbrida flex.

SUVs

Aliás, o Compass se renova este mês por aqui (leia aqui a avaliação da versão híbrida), principalmente na cabine e na mecânica (trocando o 2.0 flex por um 1.3 turboflex — leia aqui sobre o novo motor), mas também ganha opção híbrida, plugável e com capacidade off-road garantida pelo motor elétrico traseiro. Esta versão chega no fim do ano, mas já avaliamos em primeira mão.

Nissan Kicks 2022 SUVs
Foto: Murilo Góes

Por fim, temos a avaliação de um SUV compacto de sucesso agora renovado (Nissan Kicks), segredos sobre os planos da megamontadora Stellantis (que incluem, obviamente, SUVs como ou “baby Renegade” – clique aqui para ler a reportagem), um SUV-cupê superesportivo “à moda antiga” (Mercedes AMG GLC 63 S Coupé) e um comparativo que deixa claras as vantagens da eletrificação (o híbrido Volvo XC40 — leia  teste aqui — com o “tradicional” Mercedes-Benz GLA — aqui).

Mercedes-Benz GLA 200 AMG Line SUVs

A nova revista MOTOR SHOW já está disponível, nas bancas de jornal e, na íntegra, para os assinantes digitais e para sistemas de leitura digital. Veja a capa baixo. Em breve, o conteúdo também será disponibilizado gratuitamente, aos poucos, aqui no site.

Flávio Silveira | Editor


Motor Show 438 Abril Maio SUVs

Mais na Motor Show:

+Qual é a melhor versão do Jeep Compass 2022?
+Avaliação: novo Peugeot 208 e a questão das prioridades

+Impressões: o que estão falando sobre o Ford Bronco Sport no exterior
+Avaliação: Jeep Renegade Moab é diesel com preço de flex. Vale a pena?
+Honda Civic 2022 é evolução (e não revolução) em sua 11ª geração
+Avaliação: Toyota Corolla Cross é aposta segura contra Jeep Compass
+ Carro com placa final 2 em SP deve ser licenciado em maio; saiba como
+ Carros usados: vendas fecham abril em baixa
+ Caoa Chery confirma motor turbo para o Tiggo 3X brasileiro
+ Fiat revela dianteira do Progetto 363, o SUV do Argo
+ Volvo XC40 lidera ranking de importados da Abeifa em abril