Emerson Fittipaldi: Meu último ano na McLaren

“Consegui segurar o M23 em lindos drifts com quatro rodas nas curvas mais rápidas.”

EMERSON FITTIPALDI

Depois do bicampeonato de 1974, começamos a temporada de Fórmula 1 de 1975 cheios de esperança. Nos despedimos de Denny Hulme, que estava se aposentando após vencer o Campeonato pela Brabham em 1967 e se tornar essencial na McLaren de 1968 a 1974, e meu novo companheiro de equipe era Jochen Mass, outro cara muito legal. Nosso carro, o McLaren M23, estava em seu terceiro ano, mas ainda era muito competitivo.

O primeiro GP foi em Buenos Aires, e a mídia local e os fãs ficaram empolgados com o que viam como uma rivalidade acirrada entre o herói local, Carlos Reutemann, e seu oponente brasileiro – eu. Carlos se classificou na P3 com o Brabham BT44B, dois lugares à minha frente. Na primeira fila, Jean-Pierre Jarier, na Shadow (surpresa) e meu velho amigo (também brasileiro) Carlos Pace, na Brabham.

+Segurança na Fórmula 1: como a morte de Senna ajudou a salvar vidas
+Exclusivo: como Prost fez Senna perder o contrato com a Ferrari
+Exclusivo: Emerson Fittipaldi acelera um Fórmula 1 moderno

Jean-Pierre parou com problemas no câmbio e Carlos, com falha no motor. Assim, o clímax ficou entre Reutemann, James Hunt (Grã-Bretanha, Hesketh) e eu. Carlos e James eram ambos grandes pilotos, naturalmente talentosos, justos e extremamente corajosos. Então, quando a corrida entrou na fase final, comecei a me preparar para a batalha: Carlos liderava, mas James o seguia de perto e logo começou a tentar ultrapassar. Fiquei atrás dos dois, deixando que brigassem, esperando para agir nas voltas finais.
Na volta 26, James ultrapassa Carlos e começa a abrir vantagem. Se eu quisesse disputar a vitória com Hunt, teria que passar Carlos. Foi o que fiz: comecei a correr para colocar o bico do meu McLaren a uma distância de ataque da asa traseira do Hesketh de James.

“Consegui segurar o M23 em lindos drifts com quatro rodas nas curvas mais rápidas.”

O confiável M23 se comportava perfeitamente. Consegui segurá-lo em lindos drifts de quatro rodas nas curvas mais rápidas do circuito de Buenos Aires, e logo alcancei James e comecei a planejar a ultrapassagem. Na volta 35, consegui. Fiquei radiante. Abri vantagem e conquistei a vitória seis segundos à frente de James; Carlos terminou 11 segundos atrás dele, completando o pódio.

Já o segundo GP de 1975 foi em Interlagos, em São Paulo – a minha cidade natal. Eu estava muito confiante, pois era o campeão mundial e havia vencido o GP anterior; estava no auge da minha forma, meu carro era um dos mais rápidos e a McLaren sabia muito bem como chegar à vitória.

Me classifiquei na P2, atrás de Jean-Pierre Jarier, da Shadow. No início, porém, meu carro destracionou muito e perdi algumas posições. Mas Jean-Pierre novamente não terminou a prova, e consegui voltar ao segundo lugar, atrás apenas do meu velho amigo Carlos Pace – muito feliz por vencer o GP em casa.

Não vou falar aqui da temporada de 1975 corrida a corrida, mas queria apenas dar uma amostra de como tudo começou. Eu liderava o Campeonato de Pilotos após duas rodadas e senti que a McLaren e eu tínhamos uma grande chance de vencer dois Campeonatos consecutivos. Mas, como bem sabemos, não foi isso que aconteceu. Continuo essa história na próxima edição.

EMERSON FITTIPALDI

LEIA AQUI MAIS TEXTOS DE EMERSON FITTIPALDI