Esqueça o 4×4

Começaram as vendas do Ford Edge FWD, de tração dianteira. Boa notícia. A tração “nas quatro” – que faz sentido nos EUA, por melhorar a tração no gele e na neve – aqui é dispensável. Afinal, crossover não é SUV e ninguém pretende fazer trilhas com esse carro. Ou seja, não há dúvida de que o Edge 4×2 é a melhor escolha. Mas não compre o carro de entrada. Por R$ 127.150, a SEL perde muito, em beleza e tecnologia. Você abrirá mão das rodas aro 20, do sistema multimídia sensível ao toque com GPS, do porta-malas com abertura elétrica, da partida sem chave, da câmera de ré, do monitoramento de pontos cegos, do sensor de chuva e dos bancos dianteiros elétricos. A própria Ford reconhece que se trata de uma versão de “chamariz” que leva o consumidor à concessionária, mas não será a escolhida na hora da compra.


A aposta certeira é na versão intermediária: Limited de R$ 141.050 com tração 4×2. Ela tem todos os itens citados acima, sem o peso extra da tração integral, que aumenta o consumo e deixa o volante pesado no uso urbano e em manobras. É o Edge ideal! O teto solar panorâmico sai por R$ 9.540 adicionais. Torna as viagens mais agradáveis, mas tem preço salgado. Já a versão Limited AWD, topo de linha (que ilustra a reportagem), continua como antes: completa e com a tração integral. Sai por R$ 155.890.

Além de cheio de tecnologia, o Edge tem um acabamento melhor que a média. Pela cabine, parece um modelo europeu. Mas basta pegar a estrada para lembrar que é um típico crossover americano de rodar silencioso, confortável e, acima de tudo, macio. As suspensões, apesar da enorme capacidade de ignorar obstáculos, são equilibradas e não chegam a dar sustos em manobras bruscas.

O espaço interno é excepcional, os comandos estão bem localizados e o V6, aliado ao bom câmbio de seis marchas, gira pouco. Pena que as trocas sequenciais sejam feitas em um botão na lateral da alavanca. Nada ergonômico. Mas, em um carro que cumpre tão bem seu papel de familiar, não compromete.

Agora com comandos em português, o GPS faz parte do completo e e ciente sistema de entretenimento do Edge que pode ser acionado por comando de voz ou pela tela sensível ao toque. Mais abaixo, os pequenos botões para as trocas manuais das marchas. Além de difícies, essas trocas só podem ser feitas com a alavanca na posição M

UMA CHAVE CHEIA DE TRUQUES

O MyKey é uma chave configurável que permite limitar, por exemplo, o volume do rádio e a velocidade máxima do carro. Vai emprestar o carro para seu filho? Dê a ele uma MyKey para garantir que não irá abusar. O mesmo vale para o manobrista do estacionamento. Além disso, basta que a chave do Edge esteja no bolso para abrir e ligar o carro. À distância é possível, ainda, acionar o motor (mantendo as portas trancadas) para resfriar ou aquecer o carro antes de “embarcar”. Se preferir, você pode esquecer que a chave existe! Deixe-a guardada no porta-luvas e use a trava na porta. Você digita uma senha secreta e trava o carro, como em um cofre. Simples!

Ford Edge Limited AWD

MOTOR seis cilindros em V, 3,5 litros, 24V, duplo comando variável independente Ti-VCT TRANSMISSÃO automática sequencial, seis marchas, tração integral DIMENSÕES comp.: 4,70 m – larg.: 1,92 m – alt.: 1,71 m ENTRE-EIXOS 2,824 m PORTA MALAS 909 a 1.971 litros PNEUS 245/50 R20 PESO 2.053 kg ● GASOLINA POTÊNCIA 289 cv a 6.500 rpm TORQUE 35 kgfm a 4.000 rpm VELOCIDADE MÁXIMA 180 km/h (limitada)* 0 – 100 KM/H 8 segundos* CONSUMO não disponível CONSUMO REAL cidade: 7,6 km/l / estrada: 10,6 km/l (EUA)

* Europa

SHARE
Artigo anteriorMercado
Próximo artigoContato