Estepe temporário pede cuidado redobrado na direção; veja como usá-lo corretamente

Mais fina que o normal, roda temporária afeta a dirigibilidade do veículo

0
105

Estepe temporário pede cuidado redobrado na direção
Estepe temporário pede cuidado redobrado na direção

Durante muito tempo, o estepe de uso temporário — aquele mais fino e que se assemelha a um pneu de moto — era uma exclusividade dos carros importados mais caros. Mas de uns anos para cá, já é comum que eles estejam presentes inclusive em modelos compactos feitos no Brasil.

+ Comissão da Câmara rejeita projeto que exige estepe idêntico aos pneus de rodagem
+ Estepe e bolsas são os itens favoritos dos ladrões
+ Como funcionam os pneus que rodam sem ar
+ Pneus: Tudo o que você sempre quis saber, mas sempre tinha vergonha de perguntar

Criado com o objetivo de contribuir para a redução do peso nos veículos, reduzir o espaço ocupado no porta-malas e também para facilitar a troca em caso de emergência, o estepe temporário não é uma unanimidade, já que impede o uso do pneu da roda reserva em uma eventual troca do jogo instalado nas rodas de rodagem.

Por ser mais fino do que as rodas normais, é importante ainda que o motorista tenha cuidado redobrado ao guiar o veículo com a roda temporária. Confira as orientações a seguir.

Velocidade reduzida

O pneu de uso temporário não foi projetado para ser usado de forma definitiva no veículo. De acordo com os fabricantes, a recomendação é rodar no máximo 80 km, a até 80 km/h.

Rodagem prejudicada

Por ser bem mais fino que um pneu normal, o estepe temporário proporciona uma condução mais áspera, com menos aderência e tração. Caso o veículo fique instável, reduza a velocidade para conduzir o veículo com segurança até um local onde seja possível fazer o reparo do pneu danificado.

Somente um por vez

Justamente por afetar bastante a condução do veículo, os fabricantes recomendam que não se utilize mais de um estepe temporário no carro ao mesmo tempo

Cuidado com os buracos

Por ser mais sensível, o estepe temporário não deve ser utilizado em estradas com revestimento de cascalho ou muitos buracos, valetas e lombadas. Se possível, evite ainda manobras como subir uma calçada.

Troca por tempo

A borracha dos pneus envelhece mesmo sem eles rodarem. Por esse motivo, faça a troca depois de seis anos. Se for necessário usar a roda de emergência mais velha, o faça com cautela e rodando bem abaixo do limite de 80 km/h para este tipo de pneu.

Mais na Motor Show

+ Para isentar motos, governo vai aumentar pedágio de outros motoristas
+ Empresa brasileira lança filtro de ar-condicionado antiviral
+ Leilão em SP tem Chevrolet Corvette com preço de Onix 0 km
+ Toyota Supra de “Velozes e Furiosos” vai a leilão nos EUA
+ Rodoanel Mario Covas terá check-up gratuito para motoristas
+ SUV elétrico e vegano, Fisker Ocean vai se tornar papamóvel

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel