Evoluído

Ford fusion 2.5 R$ 84.900

A versão 2010 do Fusion evoluiu de maneira significativa com relação ao modelo até então comercializado em nosso mercado. A começar pelo motor: a versão antiga quatro cilindros 2.3 de 162 cv deu lugar a outro com capacidade cúbica aumentada para 2,5 litros, que agora produz bons 173 cv, também graças ao comando de válvulas variável, que melhorou os índices de consumo quando comparado ao anterior.

E olha que esses 11 cv, somados ao novo câmbio automático de seis marchas, em substituição ao antigo de quatro marchas, fizeram com que a performance do Fusion, uma das características mais criticadas do modelo antigo, se redimisse: agora o carro está ágil e responde mais prontamente ao comando do acelerador, como seria de se esperar de um carro que tem preço sugerido de R$ 84.900.

As suspensões independentes nas quatro rodas, com duplo triângulo na dianteira e multilink na traseira, oferecem um bom equilíbrio da carroceria sem que isso sacrifique o conforto ao rodar. O sistema de direção hidráulica do modelo anterior foi substituído por um sistema elétrico, mais moderno e preciso. Um bom e positivo acerto do conjunto suspensões/direção que proporciona uma boa dinâmica ao sedã, mesmo em velocidades elevadas. Em que pese o controle cada vez maior da velocidade máxima nas rodovias, o limite de 180 km/h imposto pela marca ao Fusion pode decepcionar.

A nova ponteira dupla de escape é pequena e desproporcional

No design externo, novas rodas de 17 polegadas fazem um conjunto harmônico com a nova frente.

A aparência agora é ainda mais agressiva e musculosa. Na traseira, lanternas, parachoque e tampa do porta-malas deixaram o Fusion realmente com aparência de carro novo. Crítica: a saída de escape dessa versão 2.5 feita através de uma ponteira dupla é pequena e desproporcional para o porte do carro. Parece escape de carro mil. O interior foi todo revisto: painel, instrumentos, agora com seis airbags, bancos, console…

Um carro bem interessante, mas que poderia ter um preço mais atraente, principalmente se considerarmos que é um modelo produzido no México e, por isso, não paga imposto de importação.

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar



COMPARTILHAR
Notícia anteriorMercado
Próxima notíciaO novo Chevrolet