Comparativos históricos (2010) : CrossFox x EcoSport

Em janeiro deste ano, comparamos diversos “aventureiros urbanos”, mas o EcoSport ficou de fora porque a versão 2011 estava prestes a ser lançada.


+ Ao vivo: Volkswagen apresenta agora o novo SUV Nivus
+ Segredo: o Mercedes-Benz GLA elétrico de nova geração, que se chamará EQA
+ Segredo: conheça o novo Renault Sandero, que deve conviver com o atual

No mês passado, ele chegou, quase igual – ganhou alguns itens de série, novas inscrições e preços um pouco mais atraentes. Naquele comparativo, o novo CrossFox havia se destacado dos rivais. Por isso, agora o confrontamos com o, até hoje, eterno líder de vendas da categoria – e em sua versão mais vendida, a Freestyle 1.6.

A vantagem do CrossFox começa no preço básico – R$ 45.500, contra R$ 49.900 de um Eco de entrada (XL). Já um Freestyle 1.6 sai por R$ 57.190, enquanto um CrossFox com os mesmos equipamentos custa R$ 51.170. O VW avaliado ainda tem airbag duplo, ABS e outros itens e, mesmo assim, é mais barato.

Outra vantagem do CrossFox é que você escolhe os opcionais que adiciona, montando seu carro. Já o EcoSport tem pacotes predeterminados, que nem sempre se encaixam em suas preferências. Em resumo, o VW é sempre mais barato que o Ford equivalente.

Com a mesma proposta – bom vão livre do solo, visual “off-road” e pneus mistos (opcionais, junto com as rodas de liga no Volks) – e a mesma construção sobre plataforma de hatch, o EcoSport consegue parecer mais “jipe” por adotar uma carroceria de SUV, enquanto o CrossFox usa a mesma carroceria do Fox, levemente modificada. Mas, independentemente do que parecem, eles têm as mesmas características: encaram estradas de terra (e o péssimo asfalto urbano) com mais tranquilidade e proporcionam posição de dirigir elevada.

Os motores também são semelhantes: 1.6 8V flex, com potência e torque equivalentes – mas o CrossFox é mais ágil, enquanto o concorrente tem desempenho de 1.4, além de oferecer um câmbio com engates mais precisos (não que o do rival seja ruim). Apesar do melhor desempenho, o motor do CrossFox passa mais ruído para a cabine – a Ford, ao longo dos anos, aprimorou esta característica no seu modelo.

No comportamento dinâmico, nova vantagem do Fox: ele inclina menos nas curvas, com mais segurança e esportividade, mas repassa mais das irregularidades do solo para a cabine. No rival, a suspensão trabalha com mais conforto, mas não dá para dizer que, por isso, seja melhor. É questão de gosto. O EcoSport é um pouco maior, mas isso não se traduz em grande vantagem. Como a distância entre-eixos é quase igual, o espaço para os passageiros é semelhante. E, embora não pareça, o porta-malas do VW é maior (quando o banco traseiro corrediço está mais para a frente; com ele recuado, perde para o Ford).

No CrossFox, há uma gaveta sob o assento. Com o banco traseiro para a frente, o portamalas é maior que o do Eco. O assento do Ecosport se abre, como a tampa de uma caixa. Já o espaço interno é quase o mesmo do volks

Mas o que importa no interior de um carro não é só espaço, mas, para muitos até mais importante, é o ambiente como um todo. Apesar da evolução que o EcoSport sofreu ao longo do tempo para diferenciá-lo do Fiesta, ele continua simples demais. Enquanto isso, o CrossFox, nesta nova “safra”, evoluiu muito e parece até de outra categoria. Além disso, oferece de série volante com ajuste de altura e profundidade, enquanto no Ford a regulagem é só em altura. Ambos têm soluções interessantes para aproveitar melhor o espaço: no Ford, o assento do banco do passageiro pode ser levantada, dando acesso a um porta-objetos; no Volks, há um espaço parecido, mas na forma de uma gaveta debaixo do banco do motorista.

Depois da compra, há o seguro, as revisões programadas e as peças. Neste ponto, a Ford trata melhor o cliente: todas as concessionárias consultadas praticavam o mesmo preço de peças, enquanto para quem compra o VW é recomendável pesquisar bem – a variação nos preços é grande. As peças do Ford também são mais baratas (leia tabela), assim como seu seguro, consideravelmente mais baixo em qualquer um dos perfis cotados (sua franquia, no entanto, é quase 25% mais cara).

Em relação às revisões, nas duas marcas elas são feitas a cada dez mil quilômetros, mas, para o cliente que roda menos de 20 mil quilômetros por ano, o EcoSport dá mais despesas: este consumidor é obrigado a comparecer nas concessionárias Ford mais frequentemente, com visitas obrigatórias a cada seis meses, independentemente de quanto rodar, enquanto na Volks as revisões, neste caso, são feitas apenas uma vez por ano. Portanto, se você roda muito vai gastar menos nas revisões com o Ford; se roda pouco, vai gastar menos comprando o CrossFox. Nas revendas da Ford consultadas, os preços de peças e serviços não tiveram grande variação. Já nas da Volks, eles chegam a variar até 100% de uma concessionária para outra. Portanto, pesquise!

No final das contas, boa parte do que diferencia esses carros é questão de gosto. O Eco tem peças e manutenção mais baratas, garantia de três anos e vantagens no espaço, conforto e silêncio ao rodar. O CrossFox responde com flexibilidade na escolha dos equipamentos, interior muito mais refinado, maior prazer de dirigir, melhor posição ao volante, mais agilidade e menor consumo. E ainda por cima custa menos. É, parece que o tempo fechou mesmo para o EcoSport.

Novos concorrentes

A Citroën prepara para setembro um novo concorrente para EcoSport e CrossFox. Ao contrário do que se imaginava, o modelo que será fabricado na planta de Porto Real (RJ) não será uma versão aventureira do C3 Picasso. Apesar de utilizar a plataforma do modelo europeu, o veículo terá uma carroceria nova e mais parecida com a de um jipe.

As medidas serão semelhantes às do EcoSport – ou até um pouco maiores que as do rival da Ford. “É um mercado totalmente novo para a Citroën e possivelmente iremos até exportar o modelo para a Europa”, afirmou Alexander Greif, gerente de planejamento de marketing e pesquisa da Citroën do Brasil. O nome ainda não foi definido, mas é certo que não fará nenhuma alusão ao C3. Por enquanto, acredita-se que o novo carro será chamado de Air Cross, nomenclatura para qual a marca já requereu patente. Inicialmente, sua motorização será a 1.6 16V flex de 110/113 cv, a mesma usada no C3.

A Renault também prepara seu off-road para 2011. Com base no Sandero (o interior é quase idêntico), segue a receita da Ford, que construiu o Eco com base no Fiesta. Como o EcoSport, ele também terá versões 4×2 e 4×4. Os preços devem ser alinhados com os do rival e o tamanho, 7 cm maior (4,31 m). O porta-malas, de 475 litros, é maior que a média, e os motores devem ser os mesmos do Sandero, 1.6 (um 2.0 também está sendo avaliado, principalmente para a versão 4×4).