Ferrari 250 GTO pode bater recorde de carro mais caro já leiloado

Valor estimado para o disputado esportivo de 1962 é de US$ 45 milhões (R$ 169 milhões)

Reprodução/RM Sotheby's

Os modelos da Ferrari produzidos entre os anos 1950 e 1960 costumam ser vendidos por somas milionárias em leilões. E no topo desta lista estão as 250 GTO, com apenas 36 exemplares produzidos entre 1962 e 1964 e que raramente trocam de donos. Mas uma delas será oferecida em agosto, em um leilão organizado pela RM Sotheby’s nos Estados Unidos. A expectativa é de que o esportivo italiano seja vendido pela soma de US$ 45 milhões (cerca de R$ 169 milhões), se tornando assim o mais caro automóvel já vendido em um leilão na história.

O exemplar, de 3413 GT, foi a terceira 250 GTO produzida pela Ferrari e foi pilotada por Phil Hill (o único piloto nascido nos Estados Unidos a vencer uma corrida na Fórmula 1) na edição de 1962 da Targa Florio, tradicional prova disputada nas estradas italianas entre os anos de 1906 e 1977. Vendido pela fábrica, o esportivo teve uma carreira vitoriosa nas pistas nas mãos de vários pilotos independentes, sem sofrer acidentes ou quebras. Para completar, ainda ostenta o motor, câmbio, eixo traseiro e a carroceria originais de fábrica. Algo raro para um carro de corrida.

O recorde atual, de 2014, pertence a outra Ferrari 250 GTO de 1962, que foi vendida na época por US$ 38,1 milhões.

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel