Fiat lança o Mobi com proposta urbana a partir de R$ 31.900

A Fiat apresentou hoje em São Paulo seu novo carro produzido em Betim (MG). O aguardado modelo de entrada chama-se Mobi, tem motor 1.0 flex de 73/75 cavalos (etanol/gasolina), câmbio manual de cinco marchas e é vendido apenas com quatro portas, em seis versões: (Nota da Redação: Confira aqui a avaliação que fizemos com a versão Like On do Mobi)

Easy: R$ 31.900

Easy On: R$ 35.800

Like: R$ 37.900

Like On: R$ 42.300

Way: R$ 39.300

Way On: R$ 43.800

Com o Mobi, a Fiat tenta introduzir no Brasil o conceito de carro urbano. A ideia é ocupar pouco espaço, ter grande agilidade para circular e estacionar com facilidade. Tanto que ele é menor do que o Uno (do qual herdou a plataforma, parte da carroceria e toda a parte mecânica) e trocou a capacidade do porta-malas pela praticidade. Em comprimento, o Mobi chega a ser menor do que o Fiat 147, primeiro carro produzido pela Fiat no Brasil. Enquanto o Mobi mede apenas 3,566 m, o 147 começou com 3,617 m e depois passou a 3,745 m. Em largura e altura, entretanto, o Mobi é maior e tem as mesmas dimensões do Uno. Uma de suas vantagens é a abertura das portas traseiras em 75 graus, o que facilita o entra-e-sai do carro.

É preciso entender a proposta do Mobi para gostar dele. Criado para as grandes cidades, o carrinho tem uma cara ousada e dá mais ênfase à praticidade do dia-a-dia do que ao refinamento mecânico. Ele não foi feito para ser barato nem para ser usado pela família. Por isso, o porta-malas do Mobi é minúsculo. Carrega 235 litros na versão Easy e ainda menos (215 litros) na versão Like, pois vêm com uma caixa de plástico removível que pode ser dividida em dois tamanhos. Embora essa seja uma questão considerada fundamental para vender carros no Brasil, a Fiat decidiu quebrar esse paradigma, pois aposta numa nova conscientização do público brasileiro, especialmente das grandes cidades, para quem o consumo deve ser consciente. Mais do que numa nova mentalidade, a montadora acredita que o Mobi será o segundo ou terceiro carro da família, que não o usará em viagens, mas exclusivamente nas cidades.

Tecnicamente, o Mobi não traz inovações. O motor 3 cilindros 1.0 foi adiado (ou cancelado) e a solução foi usar o velho 4 cilindros 1.0 Fire, de duas válvulas por cilindro. Como esse motor não tem a mesma eficiência energética dos atuais 3 cilindros 1.0 presentes no mercado brasileiro (equipando, entre outros, o rival Volkswagen Up), a Fiat procurou tirar o máximo de peso possível do Mobi. Uma das soluções foi fazer a tampa do porta-malas toda de vidro (como no Up europeu), o que deu também um ar de inovação ao Mobi, pois é o primeiro carro nacional a usar esse sistema. Segundo a Fiat, esse vidro é trez vezes mais resistente do que os normais.

Visualmente, o Mobi leva vantagem sobre o Up, pois tem um desenho muito mais insinuante e criativo. Visto de frente, parece até ser um carro maior do que realmente é. A Fiat também deu atenção especial à conectividade. Entretanto, por alguma razão não explicada, o interessante sistema Live On, que transformará o próprio smartphone do motorista na tela multimídia do painel, só chegará no final de junho, como opcional. Por enquanto, o Mobi oferece o mesmo quadro de instrumentos do Uno, com visor em LCD. A partir das versões Like, o carro tem rádio  com comandos no volante e conexões bluetooth, além de entradas USB e auxiliar.

Veja a seguir os principais equipamentos de cada versão:

Mobi Easy. De série: banco traseiro bipartido, para-choques pintados na cor da carroceria, Lane Change, ESS, rodas de 13 polegadas com calotas, retrovisores com comando interno e para-sol com espelho para o passageiro. Opcionais: ar quente e pacote Functional (vidros dianteiros e travas elétricas, limpador e desembaçador do vidro traseiro e predisposição do rádio).

Mobi Easy On. De série: acrescenta ar-condicionado, direção hidráulica, volante com regulagem de altura e rodas de 14 polegadas. Opcionais: não possui.

Mobi Like. De série: acrescenta vidros e travas elétricas, predisposição de rádio, computador de bordo, chave telecomando, console central longo com porta copos para os passageiros do banco traseiro, limpador e desembaçador traseiro, cintos de segurança dianteiros ajustáveis em altura, maçanetas e retrovisores externos pintados na cor da carroceria, grade dianteira pintada em preto brilhante, comandos internos para abertura do bocal de combustível e do porta-malas, revestimento do porta-malas e cargo box. Opcionais: rádio B7 e o Fiat Live On, ambos acompanhados de alarme e comandos no volante.

Mobi Like On. De série: acrescenta rodas de liga leve de 14 polegadas, faróis de neblina, banco do motorista com regulagem de altura, retrovisores elétricos com tilt down e repetidores de direção, kit Comfort (apoio para o pé esquerdo do motorista, porta-óculos e alças de segurança), sensores de estacionamento, tecidos diferenciados em duas cores com costuras brancas, alarme e rádio B7 com comandos no volante. Opcionais: não possui.

Mobi Way. De série: conteúdo da versão Like mais barras longitudinais de teto, para-choques exclusivos e as molduras nas caixas das rodas (14 polegadas com suspensões mais elevadas). Opcionais: rádio B7 e o Live On, ambos acompanhados de alarme e comandos no volante.

Mobi Way On. De série: visual da Way e conteúdo da Like On, com a adição de rodas de liga leve de 14 polegadas com desenho próprio e console de teto com porta-objetos e espelho extra.

Veja aqui no site, a partir de amanhã, a avaliação do Mobi Like On, e na revista Motor Show o comparativo do Fiat Mobi com o Volkswagen Up.

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar