Ford Ka 2019 leva três estrelas em teste de colisão

Com reforços estruturais, compacto melhorou nos testes. Mas ainda tem desempenho considerado mediano pelo Latin NCAP

Divulgação

Depois de zerar nos testes de colisão do Latin NCAP no ano passado (leia mais aqui), os Ford Ka Hatch e Sedan foram reavaliados pelo programa que analisa a segurança dos carros vendidos na América Latina. E os reforços estruturais na coluna lateral e nas portas lançados na linha 2019 dos dois modelos surtiram efeito, com os compactos obtendo três de um total de cinco estrelas na proteção de adultos e quatro estrelas na proteção de crianças. Os resultados desta bateria de testes foram divulgados nesta quinta-feira (20).


De acordo com o Latin NCAP, apesar da melhora na pontuação, a proteção ao tórax do passageiro ainda foi considerada “fraca” no impacto lateral. Outros fatores que contribuíram para a nota mediana foram a ausência do controle eletrônico de estabilidade e dos airbags laterais em todas as versões, equipamentos disponíveis apenas nas versões FreeStyle e Titanium (Ka Hatch) e nas configurações SEL e Titanium (Ka Sedan).

O Latin NCAP divulgou também os resultados do sedã compacto Hyundai Accent. Produzido na Coreia do Sul e vendido em alguns mercados latinos, o modelo zerou na avaliação, já que não conta com os airbags como item de série.

Confira o teste do Ford Ka no vídeo:

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel