Ganhe menospara ganhar sempre

Conforme adiantamos na edição anterior, a venda de modelos montados no Brasil começa a causar efeito no mercado de motos. Marcas premium estão conseguindo oferecer produtos de ponta por valores atraentes e complicando bem a vida das empresas acostumadas à falta de concorrência local. Mais oferta signi ca preços mais baixos, o que é excelente para o consumidor. Se uma BMW comercializa sua F800R ao preço de R$ 36.900, as fabricantes tradicionais precisam reagir para não perder território. E foi exatamente isso que a Honda fez com sua CB 600F Hornet, líder na categoria. Na versão mais completa, que inclui freios ABS, essa motocicleta custava R$36.680.

Agora, reposicionada, sai por R$ 33.800. Sem o sistema que evita o bloqueio das rodas em frenagens, custa R$ 3.000 a menos. Apesar de seu preço atraente, depois de quatro anos de mercado, o modelo precisava de uma rejuvenescida. E as alterações dessa versão 2012 foram bem-vindas. Começando pela dianteira, com novo farol de parábola única com lâmpada de duplo lamento, sendo 55W para o baixo e 60W para o alto (no anterior usava 55W). Além da mudança visual, isso melhorou a visibilidade durante a pilotagem noturna. Para a lanterna, um novo desenho e iluminação com lâmpadas de LED.

Os freios com C-ABS são opcionais e o novo painel de instrumentos digital deixou a Hornet mais moderna

Honda CB 600F Hornet

Motor 599,3 cm3, quatro cilindros em linha, quatro tempos, DOHC, refrigeração líquida Transmissão manual de seis velocidades Suspensões dianteira: garfo telescópico invertido, 120 mm de curso – traseira: monoamortecedor, 127 mm de curso Dimensões comp: 2,08 m – larg.: 0,76 m – alt.: 1,09 m – alt. assento: 0,79 m Entre-eixos1,437 m Pneus 120/70 R17 (dianteiro) – 180/55 R17 (traseiro) Peso177 kg (ou 173 kg sem ABS)

• GASOLINA Potência 102 cv a 12.000 rpm Torque 6 , 5 kgfm a 10.500 rpm Velocidade máxima 200 km/h (limitada)* 0 – 100 km/h 11,9 segundos Consumo não disponível Consumo real não disponível

O painel, agora mais completo e moderno, eliminou os mostradores analógicos de velocidade e rotação, que foram substituídos por informações digitais, visualizadas em um display de LCD. A moto ganhou ainda uma nova rabeta. Mais alta, a traseira ajudou a criar uma sensação de maior esportividade. Os apoios para o garupa agora cam escondidos na parte de baixo da carenagem, e o banco, mais no, melhora o posicionamento do piloto e o conforto.

Com o mesmo motor quatro cilindros de 600 cm3 , que desenvolve 102 cv de potência, continua sendo a motocicleta mais potente da categoria e nenhuma das mudanças alterou sua pilotagem, que ainda é caracterizada pela agilidade e manobrabilidade impecáveis.

O motor de 600 cm3 tem potência de sobra e o design da rabeta é bastante esportivo e agressivo

Para se diferenciar ainda mais frente aos competidores, a Honda criou uma série de programas de pós-venda para garantir uma manutenção mais em conta à Hornet. Esse pode ser um diferencial decisivo na hora de optar entre esse modelo ou uma BMW, por exemplo, que, apesar de montada no Brasil, continua tendo diversas peças importadas. Em parceria com as concessiónarias a marca está disponibilizando kits de reposição de peças de alto-giro. São itens que são dani cados em pequenas quedas como a tampa do motor, a pedaleira, as manoplas, o manete, as setas, o guidão, a carenagem e o retrovisor. Dessa forma, a substituição é mais barata e rápida.

Além disso, a Honda trabalha em parceria com a Porto Seguro para obter uma redução no valor da apólice para suas motos de altas cilindradas. Outra tacada de mestre que deve ajudar a manter a marca – e a Hornet – no topo do segmento.

Veja também

+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA

+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar



COMPARTILHAR
Notícia anteriorAqui cabem sete
Próxima notíciaBenz, a embaixatriz