Gasolina comum, aditivada, premium ou etanol? Escolha certo no reabastecimento

"Quando se fala em combustível correto, é preciso considerar se o correto refere-se àquele que rende mais e custa menos no bolso ou que proporciona o melhor desempenho com a manutenção mais barata"

Bruno Cecim/Futura Press

Quem é que nunca ficou em dúvida na hora de reabastecer o tanque de seu carro? As opções são muitas, mas qual é o combustível correto para o seu carro? E até mesmo quando se fala em combustível correto, é preciso considerar se o correto é aquele que rende mais e custa menos no bolso, ou que proporciona o melhor desempenho com a manutenção mais barata. E podemos ter prejuízos se fizermos a escolha incorreta. Acompanhe comigo e vamos tentar determinar qual é o combustível que custa menos para o seu bolso e vai proporcionar o melhor desempenho.

+ Honda confirma morte de brasileiro que ignorou recall de airbag
+ Motorista que destruiu Porsche responderá por embriaguez
+ Conheça os carros do acervo histórico da Fiat

Vamos começar pela gasolina comum. Ela pode ser utilizada pela grande maioria dos automóveis vendidos no mercado nacional. Algumas marcas até deixam claro em seus manuais que a gasolina recomendada é a comum. Mas é sempre bom lembrar que a gasolina comum não possui nenhum tipo de aditivo que impeça, a longo prazo, a formação de resíduos carbônicos no interior do tanque de combustível, bomba, tubulações, válvulas e válvulas injetoras. Funciona satisfatoriamente bem, mas tem o agravante de ser muito adulterada por distribuidores e postos desonestos em função do grande volume em que é vendida. Se você utiliza a gasolina comum há muito tempo, continue com ela, pois se tentar uma aditivação extra para limpar o sistema de alimentação, corre o risco de toda a sujeira acumulada durante anos se soltar de uma única vez e entupir o sistema de alimentação inteiro, podendo causar sérios problemas para o motor. Se optar pela gasolina comum, dê preferência a uma marca conhecida e abasteça em postos grandes e com bandeira.

Vamos falar agora da gasolina aditivada. A primeira vantagem está no fato dela ser menos adulterada do que a comum, porque é vendida em um volume bem menor. Você vai pagar um pouco mais caro, mas terá o benefício de adquirir um combustível com aditivos detergentes e dispersantes que, a longo prazo, vão reduzir a formação de resíduos carbônicos em todo o sistema de alimentação.

Agora, é bom esclarecer, que a gasolina aditivada não melhora o desempenho ou reduz o consumo como algumas propagandas afirmam: ela tem o mesmo poder calorífico e a mesma octanagem da gasolina comum. Só mantêm o sistema de alimentação mais limpo. Outro fato a ser esclarecido é o de que a gasolina aditivada só promoverá a limpeza do sistema de alimentação a longo prazo. Não pense você que uma única vez que o carro for abastecido com gasolina aditivada, todo o sistema de alimentação estará limpo. Isso só acontecerá após meses ininterruptos da gasolina aditivada, porque os elementos químicos nela colocados são bem suaves e leves, e promovem essa limpeza depois de muito tempo de uso. Mas o fato dela ser menos adulterada, já é um grande ponto a seu favor.

Chegou a vez da premium. Uma gasolina especialíssima, que não é encontrada em todos os postos. A mais conhecida delas é a Podium, da Petrobras. As outras principais distribuidoras de combustíveis também possuem uma gasolina premium, mas encontradas e vendidas em uma escala bem diminuta. Com alta octanagem e um poder calorífico ligeiramente maior, até em função de possuir menos álcool em sua composição, essa gasolina é recomendada para motores de alta performance, notadamente aqueles encontrados nos superesportivos importados, nas grandes motos de alto desempenho e até mesmo em lanchas esportivas.

Vale a pena ser usada em um carro comum? Pode ser utilizada sem problema algum, mas, na realidade, é um grande desperdício. Essa super gasolina custa cerca de 30% a mais que uma aditivada e a calibragem do motor de um carro comum não seria capaz de aproveitar todas as suas vantagens energéticas. Talvez aconteça uma redução no consumo e até uma melhora no desempenho, mas essas vantagens são muito pequenas se considerarmos seu preço muito mais alto. Acreditem, nossa gasolina Podium é classificada mundialmente como uma das melhores gasolinas do planeta. Mas só recomendo sua utilização se o seu carro ou moto tiver um motor de alta performance.

Finalmente vamos falar do nosso combustível tupiniquim, o etanol. Por incrível que possa parecer, o combustível mais barato encontrado em nossos postos de serviço é o melhor e mais nobre. Quando o assunto é performance, os resultados são obtidos com o velho e bom álcool, recentemente batizado de etanol. Tanto é verdade que, nos motores flex, mesmo utilizando uma baixa taxa de compressão para que o motor funcione com gasolina, o etanol chega a produzir até 10% a mais de potência e torque, melhorando substancialmente o desempenho do veículo. Não suja nem contamina o sistema de alimentação e oferece uma boa durabilidade a todos os seus componentes.

Consome mais que a gasolina, de 25% a 35% dependendo do motor, mas custa mais barato, se equilibrando com os combustíveis derivados do petróleo quando o assunto é economia para o bolso. Uma outra vantagem do etanol está no menor grau de contaminação do óleo lubrificante e nas partes internas do motor: câmaras de combustão, válvulas e dutos de admissão e escapamentos mantêm-se limpos, não alterando a performance do motor ao longo dos anos.

Um combustível digno de estar no tanque de carros especiais pelo mundo, mas que, aqui no Brasil, temos o privilegio de tê-lo no tanque de carros comuns. Um combustível renovável, que polui muito menos o meio ambiente, além, é claro, de melhorar o desempenho do seu carro. Mundialmente, carros de competição de altíssima performance utilizam algum tipo de álcool como combustível.Entenderam agora porque o etanol é um combustível nobre?

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar