Harley-Davidson vai ficar em 50 países; e no Brasil?

Harley-Davidson anunciou que vai fechar em 450 países. E como fica no Brasil?
Harley-Davidson anunciou que vai fechar em 450 países. E como fica no Brasil?

A Harley-Davidson anunciou no Paraguai que vai fechar em 50 países. A decisão de fechar sua operação no país sul-americano já era esperada, mas a surpresa veio com o anúncio, divulgado em rede social da marca de que a marca americana estaria suspendendo atividades em tantos mercados.


No Brasil, a assessoria da marca corrigiu essa informação. Segundo comunicado, a empresa passa por uma reestruturação estratégica batizada de The Rewire. Essa medida visa, entre outras coisas, concentrar a produção da marca nos 50 principais mercados.

Vídeo: moto elétrica da Harley tira racha com Tesla; quem ganha?
Harley-Davidson adota o Android Auto para sua linha Touring

Ainda segundo o post feito na conta da marca no Facebook, a medida deve ser concluída até o final de 2021. Até o momento apenas Índia e Paraguai confirmaram o encerramento das atividades da marca. As informações são da IstoÉ Dinheiro.

Harley-Davidson vai fechar? Veja máquinas incríveis

Uma das marcas mais icônicas no universo do motociclismo, a Harley já vinha dando sinais de fadiga com o avanço da covid-19 no mundo, principalmente após anunciar que abandonaria suas operações na Índia, o maior mercado de motos do planeta, há pouco mais de 4 semanas.

O anúncio no mercado latino foi feito na semana passada. O comunicado diz que a companhia estava saindo do país sul-americano, além de outros países, bem como encerrando contratos de lojas nos Estados Unidos e reduzindo sua produção de motos.

O Free Press Journal, uma publicação da Índia, indicou que a Harley-Davidson decidiu reposicionar a estratégia global neste segundo semestre e isso deve levar a uma escalada de demissões da empresa globalmente. Somente no mercado indiano seriam mais de 2 mil desligamentos de funcionários.

“Uma reconfiguração total é necessária para tornar a Harley-Davidson uma empresa de alto desempenho”, disse o CEO da empresa, Jochen Zeitz, em um comunicado em julho. Segundo a CNN, a companhia já vinha patinando nas vendas antes da pandemia fechar os mercados em todo o mundo e viu a situação piorar com os produtos de luxo deixando de ser uma necessidade para as pessoas neste momento.

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel