Hatches vitaminados

 

 O design futurista do Ford é o que chama a atenção no interior. Na lista de equipamentos, o sistema Sync, que permite fazer ligações e ouvir músicas do celular, além de enviar e receber mensagens de texto

Depois de muita espera, a Ford finalmente lançou o New Fiesta Hatch no mercado nacional, posicionado acima do novo (e mais antigo) Fiesta tradicional. Você deve estar se perguntando: “Mas nesse segmento a marca já não tem o Focus?” Pois bem, a nova aposta mira os compradores de Volkswagen Polo e Fiat Punto, oferecendo mais tecnologia e design inovador. “É um carro global com mais de 1,5 milhão de unidades produzidas e mais de 80 prêmios recebidos”, diz Rodnei Ramos, coordenador de marketing de produto. Lado a lado com a versão sedã, aparecem as diferenças. A grade trapezoidal do radiador ganhou outro desenho e o cromado foi abolido. Nas extremidades do para-choque dianteiro, há uma fileira vertical de LEDs para aumentar a visibilidade durante o dia. De resto, o carro tem sua personalidade própria com linhas bastante vincadas. “O estúdio de Camaçari também participou desse projeto”, conta João Marcos, designer-chefe de produto.


A Ford acredita que essa versão não irá canibalizar o sedã, mas dará volume às vendas da linha Fiesta. A expectativas é vender 800 a mil unidades ao mês. Mas o preço inicial de R$ 48.950 pode assustar. Supera os R$ 46.432 cobrados pelo Punto e os R$ 44.390 do Polo (o Sportline custa R$ 51.360). Já a versão top de linha (R$ 54.950) custa pouco mais que um Focus 1.6 de entrada.

O Fiat mantém seu design praticamente inalterado desde o lançamento, em 2007. Do outro lado, o Polo acaba de ser revigorado. Essa segunda reestilizada (a primeira ocorreu em 2006) trouxe um novo para-choque dianteiro, a grade do radiador em preto brilhante (mesma cor dos retrovisores com dois filetes cromados), e os faróis ganharam máscara negra. Na traseira, as lanternas também foram escurecidas, o para-choque mudou sutilmente e recebeu peças retrorreflexivas na parte inferior. Os frisos laterais também ficaram mais finos. Entre as novidades da linha Polo 2012, a versão GT deixa de existir para a entrada da Sportline 2.0 e o E-Flex, que dispensava o tanquinho de gasolina do sistema de partida a frio, foi transferido para o Bluemotion.

 

Bonitos e joviais por fora eles são. Internamente, o New Fiesta Hatch é o mais arrojado. O hatch ganhou um novo sistema Sync, totalmente em português, desenvolvido para o nosso mercado. De acordo com Guilherme Campos, supervisor do projeto, o motorista pode fazer ligações, escutar as músicas armazenadas no telefone celular e ainda receber e enviar as mensagens de texto. O Polo também traz a conectividade bluetooth. No Punto toda essa conveniência é proporcionada pelo Blue&Me. Além disso, os três trazem entradas auxiliares para USB, iPod, MP3. No New Fiesta, o apoio de braço do banco do motorista pode ser bastante útil em viagens longas. Já na cidade, atrapalha um bocado, principalmente, na hora de trocar as marchas.

Reestilizado, o painel central do VW ganhou cor prata, mas continua com visual comportado. Os controles intuitivos e o porta-copos retrátil foram mantidos

O fiat Punto é o mesmo desde 2007 e O VW polo

não traz grandes mudanças desde 2006.

Resultado? O estilo do new fiesta sobressai 

 

O interior do Punto ainda não envelheceu tanto, mas está longe da modernidade do Fiesta

Uma das novidades do Polo 2012 é o painel de instrumentos com nova grafia e a iluminação em branco. O tecido do teto em preto (versão Sportline avaliada) aumenta a esportividade da cabine. A peça que acomoda os comandos do ar-condicionado e do som está na cor cinza substituindo a tonalidade preta. No Punto, a ergonomia é beneficiada pela melhor posição de dirigir e os bancos que acomodam muito bem o corpo. Nos três, o volante – com excelente empunhadura no Punto – tem ajustes de altura e profundidade. No Fiesta, a alavanca de regulagem é desconfortável e as maçanetas internas poderiam ser mais elaboradas. O Ford é o único a ter a direção com assistência elétrica, que, aqui se mostra mais suave sem se tornar imprecisa ou desconectar o motorista do asfalto.

 

Sob o capô do Ford, o motor Sigma 1.6 16V, todo de alumínio, já utilizado no Focus caiu como uma luva. Com funcionamento silencioso, passa a impressão de ter 8V, como no Polo. Transmite força em baixos giros e tem agilidade nas retomadas de marcha. Aliás, toda a calibração Flex foi desenvolvida no Brasil. O câmbio manual de cinco marchas – como o dos rivais – tem os engates precisos e a embreagem traz acionamento hidráulico. A desvantagem do Ford é não oferecer a transmissão automatizada e ter apenas uma opção de propulsor.

Por dentro, o Fiesta parece menor. E de fato é! Isso se deve em parte à modernidade de suas linhas internas e externas. Os recortes acabam roubando espaço dos ocupantes

O Punto foi o primeiro modelo da Fiat a receber os novos motores da família E.Torq, desenvolvidos pela Fiat Powertrain Technologies (FPT). São duas opções: 1.8 16V e 1.6 16V (versão avaliada). É o mais potente dos três modelos comparados, apesar da falta de fôlego em baixos giros. Somente acima das 3.500 rpm que o carro deslancha e o desempenho aparece. A transmissão, em determinados momentos, parece não administrar bem toda a potência do propulsor e ainda tem os engates imprecisos.

O Polo é o mais divertido de guiar. Além de ser o menor dos três, tem suspensão firme e seu motor 1.6 8V – em conjunto com o primoroso câmbio – faz do compacto um “foguetinho de bolso”. Por isso, apesar de se tratar de um projeto antigo, fabricado no Brasil desde 2002, ele ainda agrada.

Todos preservam muito bem a segurança dos seus ocupantes. O Volkswagen passa a ser oferecido, na linha 2012, com o duplo airbag dianteiro e os freios ABS como itens de série, dispositivos encontrados também nos dois concorrentes. O New Fiesta, opcionalmente, podem ser equipados ainda com bolsas infláveis nas laterais e se sobressai ainda mais, oferecendo o airbag de joelhos para o motorista e de cortina, além de controle de estabilidade e tração, e o prático assistente de subidas. O sistema começa a atuar em ladeiras ou em descidas a partir de quatro graus de inclinação, segurando carro por 3,5 segundos. Se quiser, o motorista pode sair com o carro tranquilamente.

Desenho mais sóbrio, bancos com menos espuma e melhor aproveitamento do habitáculo fazem do “pequeno” Polo o mais espaçoso internamente  

Dentro dos modelos, com quatro pessoas a bordo, você começa a se dar conta de que eles estão muito mais para compactos do que para médios

 

Os ocupantes do Punto sofrem mais. Apesar de ter o maior entreeixos, o espaço para as pernas é menor que nos rivais. No vão para os ombros é igual ao Polo

A OPÇÃO DA CHEVROLET

O Chevrolet Astra, que em porte concorre com esses carros, não está neste comparativo porque será substituído em breve. Se daria bem em preço e desempenho, mas não no quesito modernidade. Já o Agile, mais atual, é bem recheado de série, mas o seu preço o posiciona um degrau abaixo de Polo e new Fiesta.

 

 

 

Três anos de garantia, seguro baixo, bom custo de manutenção e design mais moderno: O fiesta se tornou um rival duro de encarar

Outro ponto positivo do Ford New Fiesta Hatch são os espelhos retrovisores que trazem aquecimento e um segundo espelho integrado de série para eliminar os pontos cegos.

Nas dimensões, o Polo é ligeiramente menor que os rivais e o Punto vence na briga pelo maior entre-eixos. Mas, na prática, o espaço interno útil oferecido por eles muda um pouco as coisas. Apesar de reservar mais espaço para o habitáculo, medindo do centro do painel até o banco traseiro, o modelo da Fiat é o menor, com 2,24 m. Nessa medida, quem leva a melhor é o “pequenino” Polo. O modelo também vence por oferecer o maior vão para os joelhos e a maior altura para a cabeça. Apesar das medidas externas menores, o Polo tem interior mais bem aproveitado dos ocupantes, seguido pelo Fiesta.

 

 

No Ford há um novo acerto de suspensão. De acordo com a marca, a carga dos amortecedores é diferente para as versões sedã e hatch. A calibração firme – como a do Polo – aumenta a estabilidade ao contornar as curvas mais rapidamente. Já o Punto opta pelo conforto e absorve muito bem as irregularidades do asfalto. Tanto o Punto como o Fiesta (dependendo do pacote de equipamentos) podem vir com rodas de 16”. O Polo tem apenas o jogo de 15”.

Não seria a hora de a Volks e a Fiat trazerem as suas versões europeias mais atualizadas para o Brasil? Enquanto isso não acontece, o Fiesta continua sendo a melhor opção, principalmente pela inovação.

 

 

SHARE
Artigo anteriorMoss se aposenta
Próximo artigoContato