Hyundai Creta: nunca é tarde demais

Divulgação

A Hyundai já havia lançado um crossover compacto há alguns meses na China. Chamado por lá de ix25, ele é o irmão menor do ix35, com 4,27 m de comprimento. Inicialmente, os representantes da marca coreana aqui no Brasil haviam nos informado que esse modelo seria exclusivo para o mercado chinês – e até se cogitava um outro crossover, diferente no design e mais sofisticado no acabamento, para os consumidores ocidentais.


No sketch do interior do Creta, abaixo, mais uma vez fica claro que ele será só uma versão global do ix25 chinês (à direita)

Agora em junho, entretanto, as coisas mudaram de figura: a Hyundai anunciou que lançará ainda este ano, na Índia, um novo crossover compacto chamado Creta – e que ele será, sim, um carro global. Supresa ainda maior veio alguns dias depois, quando a marca divulgou um esboço de design mostrando um modelo quase idêntico ao ix25 chinês, tanto externa quanto internamente. Ou seja, de exclusivo para a China parece que ele terá apenas o nome (e olhe lá, porque em mercados como o nosso, ix25 pode ser mais atraente).

De qualquer modo, embora essa cartada da Hyundai venha um pouco tarde, no segmento de crossovers parece que nunca é tarde demais. Na Europa, a previsão é que as vendas desses “jipinhos urbanos” dobrem até 2020, enquanto aqui no Brasil, na contramão de um mercado em queda (20% em relação ao ano passado), essa é uma das raras categorias que seguem crescendo. Analistas apontam alta de 15% neste ano e de qualquer forma não há dúvida de que, mesmo com a atual “inundação” de novidades (HR-V, Renegade, 2008, etc.), ainda há espaço para mais novidades, principalmente se tratando de um Hyundai.

Depois de iniciada a produção na Índia, ainda este ano, o Creta/ix25 ganhará aos poucos outros mercados, sempre com adaptações locais, principalmente mecânicas. Os detalhes da configuração europeia devem ser revelados no Salão de Paris, em setembro do ano que vem, enquanto a versão brasileira deve ser mostrada pouco depois, no Salão de São Paulo (outubro), para em 2017 ser fabricada em Piracicaba e vendida aqui.


No detalhes do ix25 chinês, a central multimídia já conhecida da linha HB20 e a alavanca de câmbio com os botões do sistema 4×4, que, ao que tudo indica, não deve equipar o modelo nacional

Na Europa, além do motor a diesel, ele deve ter duas opções a gasolina – uma com o 1.6 GDi (injeção direta e turbo) de 183 cv e transmissão de dupla embreagem e um 3 cilindros 1.0 turbinado de 120 cv. Já no Brasil, nas configurações de entrada, deve ter o 1.6 flex de 128 cv do HB20, aliado ao atual câmbio manual de cinco marchas ou a um novo automático de seis, enquanto as versões topo de linha devem usar o 1.8 flex do i30 (150 cv) com os mesmos câmbios. A tração integral está disponível na China, mas considerando o volume de vendas dessa opção nos rivais, talvez não compense o investimento industrial no Brasil e ela seja descartada.

Questionado pela MOTOR SHOW sobre a eventual produção de um terceiro carro na fábrica de Piracicaba, William Lee, presidente da Hyundai do Brasil, diz que está esperando por uma recuperação sustentável da economia – pois isso exigiria uma ampliação da unidade, hoje a todo vapor fazendo o HB20 nas versões hatch e sedã. Esse modelo seria um sedã maior que o HB20 ou um crossover compacto (basta olhar para o mercado para decidir pelo último). E quando esse investimento na fábrica aconteceria? “O Brasil não vive uma crise, mas um período de ajustes”, afirma Lee. “Temos confiança na retomada do crescimento a partir de 2016.” Bem a tempo de preparar nosso Creta/ix25 modelo 2017…