Irmãos Gêmeos

No interior, os dois têm boa ergonomia e bancos envolventes

e instrumentação esportiva: tudo muito adequado à proposta

Motor boxer aspirado de 200 cv, tração traseira, diferencial

Torsen, centro de gravidade baixo, rolagem contida da

carroceria, medidas compactas, boa distribuição de peso,

con guração 2+2 e linhas que lembram os antigos esportivos

japoneses. Partindo dessa receita, nasceram dois

modelos gêmeos que, a partir deste mês, chegam às concessionárias

europeias: Toyota GT 86 e Subaru BRZ. Os nipônicos agradam de

imediato, principalmente pela proposta quase retrô. Mas é na pista, ou

na rua, que você passa a respeitá-los como legítimos esportivos.

Nosso primeiro contato foi com o Toyota de câmbio manual. Na

reta, o motor, com torque máximo a altas 6.600 rpm, chega rápido aos

7.000 giros. Na curva, o esterço é direto e rápido e o carro mostra-se

equilibrado. O GT 86 é um carro fácil de guiar, leve, rápido e dócil

aos comandos. O ESP pode ser desativado para que você aproveite

a tração traseira e brinque de drift nas cruvas mais fortes, mas ele

continua ali, pronto para agir ao menor sinal de desequilíbrio.

A versão automática é igualmente empolgante.

As trocas são rápidas e chegam no momento

correto. O piloto nem precisa intervir,

mas, caso queira, pode fazer as mudanças de

marcha no volante. Antes de voltar ao boxe,

uma última olhada no interior. Belo painel,

materiais macios, instrumentação esportiva,

contagiros em evidência e comandos à mão.

Para descobrir como os modelos se saem na estrada, levamos o

Subaru BRZ para um passeio. Fora da pista, tudo é diferente. E, mais

uma vez, o carro agrada. Os bancos são envolventes, a instrumentação

é racional e, o cabamento, mais sóbrio que no irmão. O motor de

origem Subaru tem injeção direta desenvolvida pela parceira e, com

seus 100 cv/l, não é brutal ou cansativo no trânsito. Por enquanto,

não se fala em turbo ou 4×4, como é de praxe da marca. Nem precisa.

A performance é elogiável, com zero a 100 km/h em 7,6 segundos.

Na rua, a mesma suspensão que garante o equilíbrio nas curvas agrada

ao ltrar com competência as irregularidades do piso, credenciando os

esportivos como excelentes carros para o dia a dia. O espaço na frente é

suficiente, mas, na traseira, os bancos são quase inúteis. Servem só para

carga, completando a razoável capacidade de 223 litros do porta-malas.

Duas opções quase sem concorrentes, que se mostram justas e

bem honestas em desempenho e espaço. Não se propõem a ser

extremos, mas são esportivos sem cansar o motorista.

No desenho da dianteira, nota-se que as marcas nem zeram questão de diferenciar os dois modelos: até mesmo os faróis são quase idênticos

Toyota GT 86 e Subaru BRZ

MOTOR quatro cilindros em linha, 2,0 litros, 16 V, injeção direta TRANSMISSÃO manual, seis marchas, tração traseira DIMENSÕES comp.:

4,24 m – larg.:1,78 m – alt.: 1,29 m ENTRE-EIXOS não disponível PORTAMALAS 223 litros PNEUS não disponível PESO 1.180 kg GASOLINA POTÊNCIA 200 cv a 7.000 rpm TORQUE 20,9 kgfm a 6.600 rpm VELOCIDADE

MÁXIMA 230 km/h 0 – 100 KM/H 7 segundos CONSUMO 14,5 km/l (média

cidade/estrada, na Europa) CONSUMO REAL não disponível

 

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool
+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas
+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial
+ Os 20 carros 1.0 mais econômicos do mercado brasileiro
+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar



COMPARTILHAR
Notícia anteriorConforto acessível
Próxima notíciaAgora no rumo certo