Médica lista cuidados especiais para motociclistas

A médica Daniella Gonçalves listou cuidados especiais para os motociclistas. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
A médica Daniella Gonçalves listou cuidados especiais para os motociclistas. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A quarentena preventiva contra a pandemia do coronavírus fez crescer a demanda por serviços de delivery, especialmente nos grandes centros urbanos. Isso levantou questões sobre o risco a que os profissionais desse segmento estariam expostos. A médica Daniella Gonçalves, infectologista do Hospital Samaritano em São Paulo, listou cuidados especiais de higiene e proteção que os motociclistas devem adotar durante esse período.

+ Veja como cuidar do carro parado na quarentena
+ Coronavírus: veja 40 itens que você precisa higienizar no carro
+ Coronavírus: motoboys estão preocupados com contágio

“É essencial não sair de casa caso esteja apresentando sinais de infecção: febre, tosse, dor de garganta, coriza, diarreia ou fortes dores pelo corpo”, afirma a médica. Ela ainda recomenda evitar aglomerações mantendo a distância entre as pessoas superior a 1 metro. é preciso também higienizar frequentemente as mãos e as luvas com álcool em gel.

O procedimento deve ser feito também na motocicleta, principalmente no guidão e banco frequentemente. Daniella destaca que a luva utilizada deve ser a recomendada pelo Conselho Nacional de Trânsito como equipamentos de proteção individual. “Não é indicado o uso de luvas hospitalares.”

Para os profissionais que trabalhem com aplicativos de entregas de alimentos com iFood, Uber Eats ou Rappi, a médica infectologista lista alguns cuidados especiais que devem ser adotados pelos motociclistas. “Antes e após manusear a encomenda o motociclista deverá sempre higienizar as mãos com álcool em gel.”

O mesmo se aplica às mochilas térmicas que eles carregam: é preciso higienizar com álcool em gel antes e após colocar as encomendas.

Sobre outro item imprescindível para os motociclistas, o capacete, a médica também faz considerações: ele deve ser fechado segundo recomendação do Conselho Nacional de Trânsito. E a viseira deve estar sempre abaixada durante a pilotagem.

“É perigoso pilotar com viseira aberta, não por apresentar maior exposição aos vírus ,mas sim por risco de exposição à agentes químicos, pedregulhos, ressecamento das córneas, dentre outros possíveis danos aos olhos e vias aéreas”, alerta a médica.

Ainda sobre a proteção do rosto e vias aéreas, Daniella faz um alerta: ” a máscara N95 é contra-indicada, assim como o uso de qualquer outra máscara para a pessoa que está saudável”. Ela recomenda, entretanto, que todos os homens que possuem barba, cavanhaque ou bigode a sua remoção. “Isso facilita a higienização da face.”

A médica não vê o motociclista como alguém mais exposto ao risco de contágio do que alguém que faça serviço de delivery em um carro, por exemplo. “Se o profissional seguir as recomendações de distanciamento de 1,5 metro, de higiene pessoal e do material de trabalho, o risco provavelmente será o mesmo que o de um motorista.”

Mas ele destaca, porém, o risco de queda a que um motociclista está sujeito. “A queda possivelmente não promove, por si só, uma maior exposição ao vírus. Porém o acúmulo de pessoas que poderão prestar o socorro inicial sim.”

“Independentemente da covid-19, é fundamental que toda a população tenha vacina contra  o tétano em dia. No caso dos motociclistas, que possuem um risco maior para queda, este cuidado deve ser redobrado.”