Mercedes-Benz GLA

+ PONTOS POSITIVOS +

O Mercedes GLA teve uma discreta mudança em 2017: ganhou novos para-choques e grade frontal e herdou do irmão GLS o design dos faróis, lanternas e rodas. Além de ficar mais bonito, o carro manteve sua essência: a ótima dirigibilidade. O motor 1.6 turboflex tem respostas eficientes em baixos giros. O câmbio é de dupla embreagem com sete marchas. Na cidade, dependendo da situação, é possível andar com a sexta ou até a sétima engatada, cooperando no consumo. Para ser econômico, o Mercedes-Benz GLA possui ainda o sistema start-stop.

PONTOS NEGATIVOS

Apesar de suas elogiáveis qualidades dinâmicas, é difícil considerar o Mercedes-Benz GLA um autêntico SUV. O termo que lhe cabe melhor é crossover. Afinal, trata-se de um veículo baixo, que lembra mais um hatchback elevado do que um utilitário esportivo. Isso tira um pouco do status do GLA e afasta consumidores que preferem uma posição de dirigir bem alta. Em função disso, o Mercedes GLA perde em conforto, porque é meio apertado para quatro pessoas adultas.


Ficha técnica:

Mercedes-Benz GLA 200

Motor: 1.6 turbo flex
Potência: 156 cv a 5.300 rpm (g/e)
Torque: 25,5 kgfm entre 1.200 e 4.000 rpm (g/e)
Câmbio: ATZ7
Pneus: 235/50 R18
Consumo cidade: 10,3 km/l (g) e 7,1 km/l (e)
Consumo estrada: 12,7 km/l (g) e 8,6 km/l (e)
Emissão de CO2: 120 g/km
Nota do Inmetro: C