Mercedes-Benz revela a Classe X, sua picape média

Modelo será fabricado na Argentina e chega ao Brasil no 1º semestre de 2019

No fim do ano passado, fomos a Estocolmo conferir as versões conceito da Classe X, a primeira picape média da Mercedes-Benz — na verdade, a primeira picape média de luxo de uma marca premium. Agora, direto da Cidade do Cabo, na África do Sul, acompanhamos a premiére mundial da versão de produção da picape. (Confira aqui uma galeria de fotos do Classe X)

De olho no agronegócio, em jovens que praticam esporte radicais, aventureiros de fim de semana e pequenos produtores de vídeos e comerciantes, o objetivo é oferecer luxo e sofisticação que nenhuma picape jamais ofereceu. Atacando mais um nicho inexplorado, a marca segue a estratégia de ter um carro para cada consumidor.

A plataforma da Classe X é compartilhada com a nova Nissan Frontier e a futura Renault Alaskan – fruto de uma parceria entre a Mercedes-Benz e a aliança Renault-Nissan. Por isso, sua fabricação será em Córdoba, na Argentina, junto com as duas. Deve começar em 2018, com a Frontier, para talvez só em 2019 saírem da linha a Classe X e a Alaskan.

Além da plataforma, as versões iniciais da Classe X serão equipadas com motores e câmbios da Frontier. Serão quatro opções de motorização oriundas da picape da Nissan, sendo uma a gasolina (X 200, de 166 cv) e duas a diesel (X 220 d, de 163 cv, e X 250 d, de 190 cv). As duas últimas, com tração 4×4 acionada por botão nas diesel. Já a gama de transmissões é composta por um câmbio manual de seis marchas e um automático de sete marchas.

Apenas na configuração mais cara (X 350 d) é que o conjunto motriz será Mercedes-Benz: um V6 a diesel de 258 cv (o mesmo do SUV GLE vendido no Brasil) e o câmbio automático de sete marchas, além do sistema de tração integral 4matic da marca alemã. A capacidade de carga na caçamba é de 1,1 tonelada e a de reboque é de 3,5 toneladas.

A Classe X será oferecida em três versões (Pure, Progressive e Power). Para não ser considerada só uma versão com nariz empinado das irmãs “generalistas””, a Classe X tem mais equipamentos (como a câmera de 360º e o assistente de manutenção em faixa Lane Assist) e acabamento mais fino, além de mais tecnologia e conectividade, e, ainda, mecânica e dinâmica que garantem, em teoria, conforto e agilidade que não fujam muito aos padrões dos carros da marca. O eixo traseiro, por exemplo, tem suspensão multilink como na Frontier, mas é calibrado e aprimorado pela Mercedes, com bitola maior para melhorar o comportamento em curvas.

As vendas da Classe X no mercado alemão começam em novembro, apenas nas versões com mecânica Nissan e com preços que partem de 37.000 euros (equivalente a R$ 136.700). A V6 chega ao mercado só em meados do próximo ano. Ainda não foram definidas as configurações da picape para o Brasil, onde será comercializada nas concessionárias de veículos comerciais e também de automóveis, a partir do 1º semestre de 2019.

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool
+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas
+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial
+ Os 20 carros 1.0 mais econômicos do mercado brasileiro
+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar