Mexicano de sucesso

FORD FUSION 2006 R$ 61.972


Quando se fala em um sedã de luxo bonito e confortável, logo pensamos, de bate pronto, no Ford Fusion. Há quase três anos no mercado brasileiro, o modelo tem boas médias de vendas. O substituto do velho Mondeo, apesar de em diversos pontos ser inferior ao antecessor, é um carro bemvisto pelos brasileiros. Aliás, a Ford conseguiu colocar no seu sedã qualidades que vão ao encontro do gosto de seus consumidores: generoso espaço interno, design atraente, grande porta-malas (530 litros), uma boa pitada de conforto, além de um bom pacote de itens de série: seis airbags, câmbio automático e ar-condicionado com regulagem digital.

“O Fusion, de uma forma geral, me satisfaz em todos os sentidos: conforto, agilidade e segurança”, diz o proprietário Élcio Moreno, que completa: “Eu tinha um Corolla e resolvi trocar por um carro mais completo, para o qual não haveria a necessidade de ficar agregando equipamentos extras, como acontecia com o Toyota”. Segundo Gilmar de S. Augusto, outro dono de Fusion, “o carro é muito bom, mas é claro que poderia melhorar algumas coisas, como oferecer a opção do câmbio Tiptronic [automático sequêncial]”. Mas, em uma análise geral dos proprietários consultados, o Ford tem a preferência em relação a seus concorrentes VW Jetta e Honda Accord. Porém, um carro com quase três anos de uso tem suas desvantagens.

As lanternas traseiras transparentes são uma característica marcante do sedã

A primeira delas é a desvalorização: o modelo 2006 perdeu 7,5 % do seu valor no último ano. Vale ressaltar que essa desvalorização, apesar de alta, é menor do que a dos principais concorrentes. O segundo ponto a ser levado em consideração na aquisição do Fusion é o alto preço de suas peças, importadas do México, tanto no mercado paralelo quanto nas concessionárias. “Peças de reposição caras são um dos principais problemas que os donos do Fusion encontram durante a fase crítica da manutenção, que acontece entre os 60 e 70 mil quilômetros de uso”, analisa o mecânico Mauro Frison, da FrisonTech, oficina da capital paulista.

Em um contexto geral, o Fusion 2006 pode ser uma boa compra. Mas é importante estar preparado para gastar na hora da manutenção e que não se tenha pressa para revendê-lo. E o modelo 2010, reestilizado, já foi apresentado (veja MotorNews), o que pode causar uma desvalorização ainda maior a médio prazo.

S-10 Executive Diesel 2003 R$ 60.273

Com proposta distinta, a picape da GM tem motor diesel, tração 4×4 e, nesta versão, boa dose de luxo

Picasso Excl. 2.0 Aut. 2008 R$ 64.578

Tem espaço de sobra no interior, é mais nova e, na versão Exclusive, vem cheia de itens de conforto

Verifique a manutenção feita

Em um carro com peças de reposição um tanto caras, é importante tentar descobrir a manutenção que foi feita pelo antigo proprietário para evitar surpresas desagradáveis. Se o modelo já estiver perto dos 60 mil quilômetros, a medida se torna ainda mais essencial. De preferência obtenha comprovantes das revisões feitas na concessionária. Se o vendedor não tiver esses comprovantes, tente levar o carro a um mecânico de confiança para que ele verifique alguns itens que indicam o estado geral de manutenção e o nível de cuidado que o vendedor tem com o carro.

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel