Mitos e verdades sobre o teste do bafômetro

Posso beber uma latinha de cerveja e escapar do teste? Mascar chiclete ajuda a camuflar o consumo de álcool? O Detran.SP responde a essas e outras dúvidas sobre o tema

Tempo longo

O pico de concentração de álcool no sangue acontece de 30 a 45 minutos após a ingestão. Por outro lado, pode levar até dez horas para que ele não seja mais detectado no sangue, tempo que pode ser menor se a pessoa já consome grandes quantidades de álcool regularmente ou maior, caso o fígado não esteja totalmente saudável.

Nem uma latinha

Pela Lei Seca, não existe quantidade de bebida alcoólica aceitável. Quem é autuado por dirigir sob o efeito de álcool recebe uma multa de R$ 2.934,70 e ainda pode ficar impedido de dirigir por um ano. Em caso de reincidência, a multa vai para R$ 5.869,40 e a suspensão da CNH pode subir para dois anos.

Sem truques

O bafômetro mede o álcool ingerido que passou para a corrente sanguínea e o sistema respiratório. Por esse motivo, “truques” como beber refrigerante e vinagre, mascar chiclete ou utilizar o medicamento Metadoxil não vão conseguir enganar o equipamento. Ter comido um bombom com licor ou ter utilizado o antisséptico bucal também não são desculpas para não fazer o teste. O motorista pode fazer um bochecho com água e esperar alguns minutos antes de soprar o bafômetro. Se a pessoa não tiver ingerido bebida, não será detectado álcool vindo dos pulmões.

Sem alternativa

Quem se recusa a fazer o teste do bafômetro também é multado em R$ 2.934,70 e responde a processo de suspensão do direito de dirigir pelo período de um ano.

Recurso

Os motoristas autuados pela Lei Seca têm direito à defesa antes da conclusão do processo de suspensão ou cassação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Veja também

+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA

+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar