Mitsubishi Outlander: um sedã em corpo de crossover

Mitsubishi Outlander (Foto: Roberto Assunção)

O Mitsubishi Outlander está de cara nova, mas não é só isso. Agora ele tem uma versão a diesel. E o crossover japonês ainda sofreu mais de 100 modificações, que o deixaram em sua melhor forma. O motor a diesel tem o bloco, o cabeçote e o cárter de alumínio, além de possuir injeção direta Common Rail, turbo de geometria variável e intercooler (resfriador de ar). A dirigibilidade é um ponto alto. São 165 cv de potência, mas o torque de 36,7 kgfm permite ganhar ou retomar velocidade com desenvoltura. O câmbio automático de seis marchas proporciona mudanças suaves e as trocas sequenciais são feitas pelas generosas borboletas atrás do volante.


O interior claro do Outlander Diesel é elegante, com destaque para o volante multifuncional e para a tela multimídia (no alto). O quadro de instrumentos é eficiente, o câmbio automático tem marcha reduzida, o espaço traseiro é ótimo e o carro pode ser configurado para sete pessoas ou para ter grande bagageiro

O comportamento do Mit é semelhante ao de um sedã grande. O Outlander é “na mão”, com pouca rolagem de carroceria nas curvas, como ficou comprovado durante nossa avaliação rodoviária e no autódromo Velo Città (SP). A dinâmica acertada é mérito das suspensões. O sistema de tração oferece três modos de condução: 4WD Eco (prioriza o 4×2), 4WD Auto (4×4 com distribuição eletrônica conforme o piso) e Lock (4×4 bloqueado). Por fora, as linhas futuristas da carroceria buscaram inspiração no Outlander PHEV Concept-S, apresentado no Salão de Paris de 2014, enquanto o estilo da dianteira guarda semelhanças com o conceito XR-PHEV II, que esteve no Salão de Genebra deste ano.

O coeficiente aerodinâmico de 0,33 ajuda a proporcionar baixo nível de ruído e diminuição no consumo. Um dos destaques do exterior são os faróis e lanternas de LED, além dos retrovisores que trazem luzes de direção integradas. Completam o pacote as belas rodas aro 18 vestidas por pneus 225/55. Igualmente sofisticado é o acabamento da cabine – quem preferir pode escolher o revestimento claro. O volante tem novo desenho e detalhes em Black Piano e cromado. Quem viaja atrás encontra espaço abundante para as pernas e conta com a vantagem de o banco traseiro ser deslizante em até 250 mm. Nas versões de sete lugares (V6 e Diesel), os assentos da terceira fileira vão embutidos no assoalho do porta-malas. O silêncio interno elogiável é garantindo pelo isolamento acústico, pois  mais de 90 itens foram incluídos ou revisados.


As bonitas rodas de liga têm aro de 18” e pintura preta no fundo

Além disso, o raio de giro de 5,3 metros ajuda o motorista na hora de fazer manobras em lugares apertados. A segurança dos passageiros do Mit aparece nos airbags dianteiros, de cortina laterais e de joelho para o motorista, no piloto automático adaptativo, no alerta de mudança involuntária de faixa, nos controle eletrônicos de estabilidade e de tração, no assistente de partida em rampa e no sistema que evita colisão traseira. Quem não quiser o Outlander a diesel (R$ 173.990) pode optar pelas outras configurações da família, todas movidas a gasolina: 2.0 (R$ 114.990), V6 3.0 GT (R$ 144.990) e V6 3.0 GT com o pacote Full Pack Technology (R$ 154.990).

—–

Ficha técnica:

Mitsubishi Outlander Diesel

Motor: 4 cilindros em linha, 16V, turbo, injeção direta, intercooler
Cilindrada: 2268 cm3
Combustível: diesel
Potência: 165 cv a 3.500 rpm
Torque: 36,7 kgfm entre 1.500 e 2.750 rpm
Câmbio: automático sequencial, seis marchas
Tração: 4×4 com três modos de tração
Direção: elétrica
Dimensões: 4,695 m (c), 1,810 m (l), 1,680 m (a)
Entre-eixos: 2,670 m
Pneus: 225/55 R18
Porta-malas: não disponível
Tanque: 60 litros
Peso: 1.640 kg 0-100 km/h: não disponível
Velocidade máxima: não disponível
Consumo: não divulgado
Nota do Inmetro: não participa

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool
+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas
+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial
+ Os 20 carros 1.0 mais econômicos do mercado brasileiro
+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar