Modelo antigo, mas ainda competitivo

FRONTIER SE SERRANA R$ 91.673

Tudo bem que a “velha” Frontier, fabricada no Brasil, não chega aos pés do novo modelo, que é importado – e custa bem mais caro. Este ano, a Nissan começa a produzir a nova geração da picape no Brasil, o que deve baixar seu preço, mas, enquanto isso não acontece, é bom lembrar que a versão antiga continua sendo vendida.

Na versão avaliada, a Serrana, custa R$ 91.673, segundo a tabela Fipe, enquanto a Nova Frontier beira os R$ 120 mil – uma diferença considerável. E, se a geração mais atual compete com L200 Triton e Toyota Hilux, a antiga continua com potencial para disputar mercado em seu segmento, de picapes nacionais mais baratas (e igualmente defasadas em estilo e tecnologia), como GM S-10 e Ford Ranger.

No caso, é uma boa opção às versões “top” das concorrentes, pois, além dos grandes adesivos laterais e Santo Antônio, vem com os itens de série equivalentes aos delas: airbag duplo, freios ABS, trio elétrico, CD player, volante em couro e ar-condicionado, entre outros equipamentos.

Apesar de vir com pneus mistos e não lameiros, como a Frontier Attack, a Serrana tem uma eficiente tração 4×4 com opção de reduzida que não decepciona no off-road. O engate do 4×4 é feito por alavancas, e não por botão, como nas concorrentes (Ford Ranger e Chevrolet S-10) – mas para muitos essa característica não passa de um simples detalhe que acaba não decidindo uma compra.

O motor 2.8 turbodiesel, com 140 cavalos e 34,7 kgfm de torque, não é um primor de tecnologia, mas proporciona um bom desempenho com consumo moderado. Novamente, não se compara ao 2.5 de 172 cv e 41,1 kgfm da Nova Frontier, mas é igual ao usado na S-10 (embora inferior ao da Ranger, que é mais moderno). Enfim, a “velha” Frontier pode estar com os dias contados, mas, sem dúvida nenhuma, ainda é uma boa compra em sua faixa de preço.

Esta versão Serrana tem na lateral um exagerado adesivo de identificação. Sua tração 4×4, ao contrário das concorrentes, é acionada por alavancas

COMPARTILHAR
Notícia anteriorPlcanto
Próxima notíciaSantana ainda reina na China