Muito além do turbo

Marcelo Spatafora/Volkswagen

Pouco mais de um ano depois de seu lançamento, o Volkswagen Up ganhou um novo motor que melhora muito seu desempenho e sua eficiência energética. Da mesma família EA 211, o novo 3 cilindros 1.0 flex é equipado com turbocompressor e injeção direta de combustível. Com isso, sua potência subiu de 75/82 cv (motor MPI) para 101/105 cv (motor TSI). Melhor ainda ficou o torque, que foi de 9,7/10,4 kgfm a 3.000 rpm para incríveis 16,1 kgfm a 1.500 rpm. Assim, o Up 1.0 ganhou desempenho de carro 1.8 e conseguiu ficar ainda mais econômico.

O motor 1.0 TSI equipará as versões Move, Cross, High e B/W/R (Black/White/Red), além da série especial Speed, mostrada nas fotos. O antigo motor 1.0 MPI permanece nas versões Take, Move, Cross, High e B/W/R. As versões turbinadas são identificadas pela tampa traseira sempre preta com o logo “TSI”. Mas chamar esse Up TSI apenas de “Up Turbo” é quase uma ofensa para a Volkswagen, pois as modificações técnicas foram muito além da simples instalação de um turbocompressor. Na verdade, trata-se quase de uma reinvenção do Up.

A carroceria ficou 37 mm maior, devido ao maior comprimento do balanço dianteiro (parte que fica entre o eixo e o para-choque), que passou a ter 625 mm. Os discos de freios dianteiros foram de 236 para 256 mm porque o carro ficou muito mais dinâmico: a aceleração de 0-100 passou de 12,4 para 9,1 segundos e a velocidade máxima subiu de 165 para 184 km/h. Durante o test drive que fizemos entre São Paulo e Campinas, ele mostrou um desempenho impressionante, ultrapassando com facilidade vários carros de cilindrada maior.


A série especial Speed só será vendida na cor branca, com dois detalhes azuis: a faixa nas portas e os retrovisores. No painel, a inscrição Speed aparece acima do porta-luvas. As rodas de liga leve têm aro de 15”

Na pista da Fazenda Capuava, com piso molhado, o Speed Up TSI fez valer os controles eletrônicos de tração e estabilidade. Rodando, o que mais impressionou foi o torque de motor 1.8. Com quatro pessoas, em quinta marcha, num aclive, a 2.000 rpm, o subcompacto mostrou fôlego para ir subindo a 3.000 giros. Graças à força em baixas rotações, a autonomia melhorou bastante, fazendo o Up TSI de 105 cv (16,1 km/l na estrada) superar o Up MPI de 82 cv (14,6 km/l) e até o Renault Clio sem ar-condicionado (15,8 km/l). Com o baixo consumo, o alcance na cidade também melhorou: ele agora é capaz de rodar 690 quilômetros com gasolina. O torque ainda permitiu que o câmbio ganhasse relações mais longas.

Para conseguir esses resultados, a Volkswagen reconstruiu o motor. A biela ficou 5 mm menor, os pistões foram reforçados, a taxa de compressão caiu de 11,5:1 para 10,5:1, foi introduzido um radiador de óleo, o circuito de refrigeração é triplo, o comando de válvulas agora é variável na admissão e no escape, a partida a frio é feita em altíssima pressão (antes usava 4,2 bar e agora atinge 250 bar), o volume de óleo subiu de 3,3 para 4,0 litros, o cárter ganhou uma placa defletora para que a biela não encoste no óleo, o diâmetro das válvulas de escape foi reduzido em 1,5 mm e a vela utilizada agora é NGK de dupla platina.

O turbo tem um rotor de 37 mm forjado e usinado que gira cerca de 215.000 vezes por minuto. A pressão relativa do turbo fica em torno de 0,9 bar numa altitude de 800 m (São Paulo). Até a altitude de 1.200 m (Campos do Jordão), esse turbo garante ao Up TSI um desempenho melhor do que o de carros similares com motor aspirado e não tem retardo de resposta. O intercooler é integrado ao coletor de admissão.

A série especial Speed não tem número limitado de produção. O Speed Up é vendido somente na cor branca, com dois detalhes azuis (faixa nas portas e retrovisores) para fazer referência à tecnologia BlueMotion. Ele está à venda por R$ 49.990. O Up TSI mais barato é o Move: R$ 43.490. A Volkswagen também divulgou os preços das versões Cross (R$ 47.030), High (R$ 48.040) e B/W/R (R$ 48.690). Todos os Up TSI começam a ser vendidos na segunda quinzena de agosto.

—–

Ficha técnica:

Volkswagen Speed Up 1.0 TSI

Motor: 3 cilindros em linha, 12V, turbo, injeção direta, duplo comando variável
Cilindrada: 999 cm3
Combustível: flex
Potência: 101 cv a 5.000 rpm (g) e 105 cv a 5.000 rpm (e)
Torque: 16,8 kgfm a 1.500 rpm (g/e)
Câmbio: manual, cinco marchas
Tração: dianteira
Direção: elétrica
Dimensões: 3,645 m (c), 1,645 m (l), 1,504 m (a)
Entre-eixos: 2,421 m
Pneus: 185/60 R15 (175/70 R14 na versão Move)
Porta-malas: 285 litros
Tanque: 50 litros
Peso: 951 kg 0-100 km/h: 9s3 (g) e 9s1 (e)
Velocidade máxima: 182 km/h (g) e 184 km/h (e)
Consumo cidade: 13,8 km/l (g) e 9,6 km/l (e)
Consumo estrada: 16,1 km/l (g) e 11,1 km/l (e)
Nota do Inmetro: A
Classificação na categoria: A (Subcompacto)