Não é mais café com leite


Depois de um longo período de estagnação e falta absoluta de novidades, o segmento de hatches médios volta a se agitar. A Peugeot iniciou a comercialização do 308; a nova geração do líder Hyundai I30 está chegando ao Brasil; e, agora, a Chevrolet apresenta seu novo representante para a categoria. O Vectra GT, que não obteve o mesmo sucesso do Astra, foi substituído pelo mais moderno e belo Cruze Hatch Sport6. A variante dois volumes do sedã será oferecida em duas versões: LT e LTZ, ambas com motor de 1,8 litro e opção de transmissão manual ou automática de seis velocidades com trocas sequenciais pela alavanca. “Entendemos as necessidades dos clientes e lançamos um novo conceito de carro médio”, diz Gustavo Colossi, diretor de marketing da Chevrolet do Brasil. “Foi uma decisão estratégica aguardar a consolidação da versão sedã antes de lançar o hatch”, completa o executivo.

Construído sobre a mesma plataforma do três volumes, ele é nove centímetros mais curto e quatro centímetros mais alto na parte traseira, a fim de beneficiar o conforto das pessoas que viajam atrás. Além disso, o carro recebeu novos reforços estruturais. A diferença de peso não passou dos sete quilos. “Eles são bastante semelhantes construtivamente”, resume Pedro Manuchakian, vice-presidente de engenharia da GM. Ficou para o departamento de design a obrigação de construir a personalidade do modelo. “Empregamos linhas fluidas, mas sem perder a robustez”, explica Carlos Barba, diretor de design da GM para a América Latina. Em relação ao irmão maior, os para-choques dianteiros ficaram mais envolventes e ganharam um contorno cromado em torno dos faróis de neblina. A grade dianteira também foi redesenhada de modo sutil. As saias laterais estão grudadas na carroceria e, dependendo da versão, têm um desenho próprio.

 

 

Mecanicamente semelhante ao sedã, o hatch mostra personalidade no design

A grande novidade mecânica do Cruze Hatch é a opção do câmbio manual de seis marchas na versão LTZ – ainda inexistente no sedã. O motor de quatro cilindros e 1,8 litro despeja força desde as baixas rotações, e os engates do câmbio são muito leves e precisos. É um conjunto muito bem acertado, que oferece boas acelerações e retomadas espertas. Realmente faz jus à nomenclatura Sport colada na tampa do portamalas. A suspensão tem um acerto macio. Privilegia o conforto, mas cobra o seu preço, fazendo a carroceria rolar um pouco a mais nas curvas. Para conter os ânimos, a eletrônica aparece nos freios ABS, no controle de estabilidade e no de tração.

Comparado ao Vectra GT, o habitáculo do Cruze Hatch foi ampliado em 150 litros, o que benefi ciou o espaço e a ergonomia interna. Com as medidas generosas da carroceria – as maiores do segmento até o momento -, o Chevrolet tem habitáculo amplo. Na traseira, o espaço é ótimo para dois, mas um terceiro passageiro também se acomoda sem sofrimento. Outro destaque é o amplo porta-malas de 402 litros, que só perde para o do Peugeot 308, com seus respeitáveis 430 litros. Digno de um sedã.

Os passageiros de trás têm espaço de sobra e o interior bicolor é sofisticado. O teto solar, assim como os airbags extras, são opcionais do LTZ

A posição de dirigir é agradável e o volante oferece ajuste de altura e profundidade. A sensação a bordo é de sobriedade e refinamento, principalmente por conta do bom gosto na escolha das cores e dos materiais de acabamento. “Trabalhamos o revestimento do interior com cores escuras, como na Europa”, comenta Barba. A versão topo, LTZ, que tem caráter mais esportivo, traz detalhes em prata no console central e no volante. Para essa versão, também estão disponíveis teto-solar elétrico e seis airbags. Por fora, a LTZ se diferencia da versão de entrada pelas maçanetas cromadas e rodas exclusivas.

A GM ainda não divulgou os preços oficiais do novo carro, mas adiantou que os valores devem ficar entre R$ 65 mil e R$ 70 mil para a versão LT e entre R$ 78 mil e R$ 80 mil para a LTZ. São preços altos, considerando que os rivais partem dos R$ 60 mil. Mas, de qualquer forma, com esse modelo, a marca volta a ter uma boa opção no segmento de hatches médios. Os bons tempos do Astra voltarão?

Como o segmento está iniciando uma renovação completa, quem chega agora leva vantagem por ser mais moderno. Assim, Cruze e Peugeot 308 são os mais espaçosos e têm também os maiores porta-malas

Chevrolet Cruze Hatch LTZ

Motor quatro cilindros, 1,8 litro, 16V, duplo comando variável Transmissão manual, seis marchas, tração dianteira Dimensões comp.: 4,51 m – larg.: 1,79 m – alt.: 1,47 m Entre-eixos 2,685 m Porta-malas 402 litros Pneus 225/50 R17 Peso 1.410 kg ● Gasolina Potência 140 cv a 6.300 rpm Torque 17,8 kgfm a 3.800 rpm Velocidade máxima 203 km/h 0 – 100 km/h 10,8 segundos Consumo não disponível Consumo real não disponível ● Etanol Potência 144 cv a 6.300 rpm Torque 18,9 kgfm a 3.800 rpm Velocidade máxima 204 km/h 0 – 100 km/h 10,7 segundos Consumo não disponível Consumo real não disponível

 

Motor 2.0 16V ● 151 cv ● 22 kgfm (etanol) 0 – 100 km/h 8,9 segundos Velocidade máxima 213 km/h Consumo médio não disponível

O recém-lançado modelo da Peugeot tenta repetir o sucesso do 307. É mais potente e mais barato que o GM, mas é menor

 

Motor 2.0 16V ● 145 cv ● 19.4 kgfm (gasolina) 0 – 100 km/h 10,6 segundos Velocidade máxima 250 km/h Consumo médio não disponível

O desempenho é semelhante ao do novo Chevrolet e o preço está bem interessante. Mas a nova geração está chegando

Motor 2.0 16V ● 148 cv ● 19,5 kgfm (etanol) 0 – 100 km/h 10,4 segundos Velocidade máxima 205 km/h Consumo médio 6,3 km/l (real)

Por aqui, o novo Focus chega em 2013. No desempenho, empata com o Cruze Hatch, mas suas suspensões são mais esportivas

 

Motor 1.8 16V ● 132 cv ● 18,9 kgfm (etanol) 0 – 100 km/h 9,9 segundos Velocidade máxima 193 km/h Consumo médio 7 km/l (real)

Outra boa opção no segmento, principalmente por seu preço atraente. Também tem motor 1.8 e acabamento refinado

SHARE
Artigo anteriorMercado
Próximo artigoContato