O Aircross muda tudo

AIRCROSS GLX SUGERIDO / A PARTIR DE R$ 56.400

EMISSÃO DE CO2 n/d g/km

SEM DADOS COM ETANOL = ZERO

CROSSFOX SUGERIDO / A PARTIR DE R$ 48.600

EMISSÃO DE CO2 158 g/km

BAIXA COM ETANOL = ZERO

ECOSPORT FREESTYLE 1.6 SUGERIDO / A PARTIR DE R$ 60.830

EMISSÃO DE CO2 166 g/km

MÉDIA COM ETANOL = ZERO

IDEA ADVENTURE SUGERIDO / A PARTIR DE R$ 56.900

EMISSÃO DE CO2 169 g/km

MÉDIA COM ETANOL = ZERO

Vamos combinar que quem compra um aventureiro urbano, compra visual e não capacidade off-road. Portanto, equipamentos como ar-condicionado e direção assistida e características dinâmicas como retomada e estabilidade valem mais do que bússola, inclinômetro e altura livre do solo. Certo? Bem, acertada essa premissa básica, vamos iniciar o embate do novato Citroën Aircross GLX (1.6 de 113 cv e 15,8 kgfm com etanol) com seus principais rivais: Ford EcoSport Freestyle (1.6 de 107 cv e 15,3 kgfm), Volkswagen Crossfox (1.6 de 113 cv e 15,8 kgfm) e Fiat Idea Adventure (1.8 de 132 cv e 18,9 kgfm). No que se refere ao visual, o franco-brasileiro dá um banho nos adversários. Você pode gostar ou não de suas linhas, mas não poderá negar que são extremamente modernas.

O carro cou tão bem resolvido esteticamente que até os franceses, criadores do C3 Picasso que lhe deu origem, estão cobiçando a criação. O Idea, que era careta e estava envelhecido, foi reestilizado e, no quesito alegorias e adereços, continua imbatível. Quem gosta de um visual off-road mais exagerado certamente aprovará o modelo, que recebeu ainda novos faróis e lanternas com LEDs. Já o Crossfox, também há pouco tempo remodelado, aposta em um visual mais so sticado, sem evidenciar o caráter aventureiro. Comparado com esses três, o EcoSport, outro que recebeu facelift este ano, ca anos-luz de distância. Basta olhar as fotos para comprovar o quanto ele está defasado. É verdade que o SUV da Ford (o mais “jipinho” de todos) deve receber uma nova geração no ano que vem, mas, hoje, o peso de sua idade se faz notar.

O interior do Aircross, igual ao do C3 europeu, o destaca do grupo pela qualidade superior. Bússola e inclinômetros são copiados do Idea e, na traseira, há duas mesinhas do tipo “avião”

O CrossFox, nessa última atualização, melhorou muito em acabamento. O espaço interno não é generoso, mas a posição de dirigir é boa, com ajustes de altura e de profundidade do volante

O acabamento interno do Idea é bem mais simples, mas ele tem vários portaobjetos. Apesar da grande altura da carroceria, o espaço interno é menor do que parece de fora

No EcoSport, o peso da idade: o acabamento é mais simples – e ainda há alguns ruídos internos (apesar de ter melhorado ao longo dos anos). No banco traseiro, o espaço é bom

*Preços cotados pela D&G Corretora (11) 3985 3118, junto à Porto Seguro

Internamente, o mesmo se repete. O Citroën é mais bem acabado, espaçoso (é o maior) e cheio de mimos, seguido por Crossfox – mais racional, mas bem cuidado -, Idea e EcoSport. Os dois últimos são um tanto mais barulhentos. Ao modelo da Fiat recai o incômodo de ter o porta-malas de mais difícil acesso (em volume, o do EcoSport é o menor, e o do Aircross, o maior). O Ford tem a abertura horizontal, e o Crossfox e o Aircross têm abertura por comando na chave e travamento para evitar o retorno do estepe com a tampa do bagageiro aberta.

Em relação ao preço, o Citroën, que começa em R$ 53.900 (GL), na versão GLX (bem semelhante à Exclusive das fotos, de R$ 61.900) custa R$ 56.400 e oferece ar-condicionado (com interessantes três saídas dianteiras), computador de bordo, vidros elétricos (todos), regulagem de altura do banco do motorista, som com MP3 e comandos no volante, bússola e inclinômetros no painel, rodas de liga e faróis de neblina – um pacote atraente, mas caro se comparado aos dos rivais.

O Idea Adventure, que começa em R$ 56.900, traz todos os equipamentos do Aircross acrescidos ainda de airbag duplo e ABS. O modelo avaliado era o Dualogic, com preço sugerido de R$ 59.010. Apesar de melhorado, o câmbio automatizado da Fiat ainda não merece nota dez. Quem não se incomoda em trocar as marchas pode economizar esses R$ 2.100 sem grandes perdas.

O Aircross é mais um “problema” para o Eco, que já estava atrasado em comparação aos concorrentes

O Crossfox, vendido em versão única, começa em R$ 48.600. Equiparados os equipamentos aos do Citroën, ele sobe para R$ 54.190 – já com airbag duplo e ABS. O EcoSport começa a partir de R$ 53.070 com ar-condicionado e direção assistida. Já o modelo FreeStyle (das fotos), com o mesmo nível de equipamentos dos rivais, sai por R$ 60.830, (airbag duplo e o ABS, nem como opcional).

Se, em preço, o modelo novato está entre os mais caros, a Citroën aposta na manutenção para fazer valer essa diferença. São três anos de garantia, peças mais baratas (leia tabela) e as três primeiras revisões gratuitas para quem comprar o carro até dezembro próximo. Isso dá ao proprietário uma tranquilidade de, pelo menos, dois anos.

O valor da quarta revisão ainda não foi divulgado. Por isso, seu preço total de manutenção (para 40 mil quilômetros) não tem um valor total no quadro comparativo à direita. Ainda assim, depois da terceira revisão, o modelo não deverá estar mais na garantia – e os serviços poderão ser efetuados fora das concessionárias.

Na cidade, todos oferecem agilidade, mas com pequena vantagem para o Idea, “mais torcudo”, em certas situações. Com o EcoSport e o Aircross, sente-se, por vezes, falta de força nas retomadas, o que é menos notado com o CrossFox (que, além de ser mais leve, oferece mais torque em baixas rotações, por ser 8V), mas, no geral, eles estão equiparados. Na estrada, no entanto, as diferenças aumentam. O Idea se sobressai pelo motor maior.

*Algumas peças estão com preços indisponíveis porque a Citroën ainda não tem tabela para o Aircross. Os preços podem apresentar variações, dependendo da concessionária consultada

O E.torQ é silencioso, liso, tem comportamento suave, sem vibração e garante bom desempenho com retomadas seguras. Mas a dirigibilidade do Fiat é comprometida pela suspensão, macia demais (a posição de dirigir extremamente alta, agrava ainda mais a sensação ruim), unida ao centro de gravidade elevado. A carroceria rola além do desejável e não transmite segurança.

O mesmo acontece com o EcoSport. Mais baixo e com suspensão mais bem acertada, o CrossFox é o melhor em comportamento dinâmico. Não é desconfortável na cidade e não balança ou escorrega demais nas curvas. No Aircross, uma grata surpresa também nesse quesito. Parece que os franceses da Citroën en m aprenderam a fazer um acerto adequado às necessidades dos brasileiros. Ainda é rme, porém não é barulhento nem incômodo, e funciona bem nas curvas. A carroceria tem rolagem controlada – tão bom quanto o VW, considerando que o centro de gravidade é mais alto – e saídas mínimas são facilmente controladas.

O Aircross é o melhor entre os oponentes: é mais moderno, mais espaçoso, bem acabado, tem a desejada altura sem comprometer o comportamento dinâmico, um motor com bom desempenho, bom pacote de itens de série e manutenção, ao menos por enquanto, barata (a promoção de revisão gratuita acaba em dezembro). Em contrapartida, é o segundo mais caro e deverá ter desvalorização mais alta (os Citroën, em geral, têm depreciação maior que seus equivalentes). Se você não se preocupa com esses detalhes…

O CrossFox também é uma boa opção para quem prefere um visual mais discreto e bom comportamento dinâmico. Idea Adventure e EcoSport são um pouco mais adaptados à aventura e, entre os dois, o Fiat acena com motor maior e a opção de se adquirir o bloqueio do diferencial (Locker) – além de peças e revisões mais em conta.

Clique na imagem para ampliar

Os preços podem apresentar variações dependendo da concessionária consultada – SEM CUSTO para modelos adquiridos até dezembro de 2010

 

Veja também

+ Fiat faz desconto em toda a linha; preço do Toro cai R$ 32 mil
+ Acesso de fúria de macaco deixa um homem morto e 250 pessoas feridas na Índia
+ Risco de casos graves de Covid é 45% maior em pessoas com sangue do tipo A, segundo pesquisadores europeus,
+ Aprenda a fazer o brigadeiro de paçoca de Ana Maria Braga


COMPARTILHAR
Notícia anteriorMercado
Próxima notíciaEditorial