O Ecosport dá o troco

FORD NEW ECOSPORT FREESTYLE

R$ 53.490

SUGERIDO/A PARTR DE

VW CROSSFOX

R$ 47.523

SUGERIDO/A PARTIR DE

RENAULT DUSTER DYNAMIQUE 1.6

R$ 54.030

SUGERIDO/A PARTIR DE

O Renault Duster mudou a cara do segmento de utilitários esportivos compactos. Em pouco tempo, abalou as vendas do EcoSport e virou o líder de mercado, copiando a receita criada pela Ford de plataforma de hatch com carroceria de SUV. Mas enfim chegou a hora de o “Eco” dar o troco. Depois de ser apresentado em Salões na China e na Índia e em alguns eventos no Brasil, a nova geração do “jipinho”, agora chamado de New EcoSport, chega ao mercado – e não só o nacional. “Ele estará em mais de 100 países e a sua fabricação acontecerá no Brasil, na China, na Índia e na Tailândia”, explica Alex Machado, engenheiro-chefe do projeto.

As linhas quadradas do antigo EcoSport deram lugar ao visual arrojado da linguagem de design Kinetic 2.0. O modelo ganhou um perfil mais atlético, grade dianteira elevada, faróis com LEDs e lanternas afinadas. “Apesar da evolução, ele não abriu mão da robustez apreciada pelos consumidores”, comenta Fábio Sandrin, designer da Ford América do Sul. Algo que destoa um pouco do conjunto é o estepe, mantido na tampa do porta-malas como na primeira geração e no rival CrossFox. “Fizemos pesquisas de mercado. Ao final, foi uma escolha do público manter o estepe do lado de fora”, comenta Sandrin. Trata-se de uma opção curiosa do consumidor, considerando que o recurso de estilo atrapalha a abertura da tampa no uso cotidiano e também aumenta o risco de roubo do pneu reserva.

Se a ideia é encarar estradas de terra, o New EcoSport tem 20 cm de vão livre do solo e capacidade de imersão de até 55 cm

O painel do Ford tem visual moderno, mas os comandos do rádio são pouco intuitivos e ficam muito distantes das mãos do motorista: o volante podia ter mais botões

Falando em design, a imagem parruda do Duster, mais masculina e de maior robustez, é sua maior arma diante dos concorrentes – ainda mais agora que o EcoSport ficou mais delicado. Já o Volks foi reestilizado recentemente, e ficou mais invocado, mas ainda não é agressivo como o Duster.

S= Item de série / N= Item não disponível / O= Item opcional *Duster Dynamique e EcoSport Freestle.

 

O Renault é oferecido em três versões de acabamento e motores 1.6 ou 2.0. Com o motor maior, pode ter câmbio manual ou automático; com o menor, só pode ser manual (avaliamos aqui a Dynamique 1.6, de R$ 54.618). O New EcoSport tem opções similares e segue a nova nomenclatura global: são três versões com o motor 1.6: S (R$ 53.490), SE (R$ 56.490) e topo Titanium (R$ 70. 190). Segundo a marca, a Freestyle aqui avaliada (R$ 59.900) foi uma herança do Eco anterior e será responsável pela maior parcela nas vendas. Até o fim do ano, chegam as versões 2.0, com tração dianteira ou nas quatro rodas e opção de câmbio automático. Já o CrossFox tem preço de R$ 48.789 e uma única configuração – à qual se podem adicionar opcionais.

A carroceria de hatch do CrossFox não é tão imponente quanto a dos rivais

O painel do Volkswagen tem acabamento de qualidade, mas é mais conservador no design, com linhas bem tradicionais

Os três modelos têm motor 1.6, mas o do New Ecosport é o mais moderno e tem maior elasticidade, garantindo melhor dirigibilidade e menor consumo

Os três modelos são derivados de hatches, mas Duster e New EcoSport têm maior espaço interno, graças à carroceria de SUV. O Eco utiliza a base do New Fiesta Hatch, enquanto o Duster é montado sobre a plataforma do Logan/ Sandero. Quem sai perdendo em espaço interno é o CrossFox, por conta de suas dimensões mais compactas. Praticamente com o mesmo comprimento da última geração, o New EcoSport é, no entanto, mais alto e tem maior distância entre-eixos – o que aumenta o conforto de quem viaja atrás. Além disso, o encosto do banco traseiro pode ser reclinado em quatro estágios. Em contrapartida, o SUV ficou mais estreito. Dos três, é o Duster quem dá um show à parte na amplitude e porta-malas. Apesar de o compartimento de carga do Eco ter sido aumentado em 20 litros, totalizando 380 litros, isso ainda é pouco para acomodar as bagagens dos cinco ocupantes. É, por exemplo, menor que o de um 308, que é um hatch médio. E, se antes o assento do passageiro abria para dar acesso a um porta-objetos, agora há uma gaveta embaixo dele, como no CrossFox, e 20 porta-objetos.

O Duster tem caixas de roda marcadas, que o fazem parecer maior que os rivais

O Renault tem acabamento simples, mas é mais espaçoso. É o único dos três sem ajuste de profundidade do volante

 

O painel do Ford tem linhas tão modernas quanto as exteriores, e a iluminação azulada substituiu o vermelho do Fiesta. Pena que a tela de 3,5 polegadas do sistema Sync seja tão pequena. O Eco é o único com a direção elétrica, mais leve para manobras, e traz ainda o sistema PDC, que ajuda a corrigir desvios de trajetória, e outro que detecta e minimiza as vibrações da coluna e do volante. O arcondicionado impressiona pela eficiência. No Volks, destaque para os bancos que abraçam muito bem o corpo e são revestidos, opcionalmente, com couro de duas tonalidades.

 

Os bancos de couro são opcionais na versão Freestyle, mas o espaço interno não é o forte do Ford, com carroceria mais estreita

O Duster é o único dos três que não permite regular a profundidade do volante – herança da plataforma simples, assim como o visual antiquado do interior, idêntico aos de Sandero e Logan. A qualidade dos materiais é inferior à que é encontrada nos concorrentes. Incomoda a posição dos botões dos vidros elétricos, que esbarram no joelho, e dos comandos dos retrovisores, embaixo do freio de mão – além do excessivo peso da direção hidráulica.

O motor 1.6 16V do New EcoSport é o mais moderno. Apesar de os três modelos terem torque parecido, o Ford tem mais força abaixo das 2.500 rpm, exigindo menos trocas de marchas. O funcionamento é suave e a entrega de potência é progressiva. No Duster, o câmbio não aproveita a potência e os engates poderiam ser melhores – como no Volks, o melhor nesse quesito. Os pneus do Eco, “verdes”, ajudam a reduzir o consumo em 2% – confira os números na ficha técnica.

*Os preços podem apresentar variações, dependendo da concessionária.

**Somadas só as peças com cotações para os três modelos

 

 

Em relação às suspensões, as do Ford são macias e transmitem conforto sem abrir mão da estabilidade ou da segurança nas curvas. No Duster, parte das irregularidades do piso são passadas para o interior. De um modo geral, o CrossFox é o que transmite mais esportividade. Já nos itens de segurança, além dos sistemas já citados, o Ford tem o Advanced Trac – que incorpora os freios ABS de série, e os controles eletrônicos de estabilidade (ESC) e de tração (TCS) – e também auxílio de frenagem emergencial (EBA) com luz de alerta (EBL), airbags frontais, laterais e de cortina (esses últimos opcionais), além do assistente de partida em rampa (HLA), que segura o carro por até três segundos nas partidas em ruas íngremes. No CrossFox, há freios ABS e as bolsas de ar frontais, assim como no Renault Duster.

Conclusão: o EcoSport tem tudo para retonar a liderança: além de ser a grande novidade, cuida melhor de você, traz mais equipamentos e tem peças mais baratas.

*Os preços podem variar dependendo da concessionária (o valor mostrado é a média das consultadas). Seguros cotados pela D&G Corretora (11) 3985-3118 junto à Porto Seguro.

 

 

 

COMPARTILHAR
Notícia anteriorMercado
Próxima notíciaMotor News Edição 354