O leão mostra as garras

EMISSÃO DE CO2 149 g/km BAIXA

PEUGEOT 508 ESTIMADO R$ 95.000


O segmento que engloba os modelos três volumes de grande porte, ou médios-grandes, não tem muita representatividade no Brasil (con ra quadro abaixo). Apesar de uma oferta considerável, ainda se vende poucos sedãs nessa faixa de preço, que, não raro, quebra a barreira dos R$ 100 mil. Por isso, a Peugeot ainda não bateu o martelo. Está relutando em trazer o recém-lançado 508 ao Brasil, onde hoje investe suas chas no médio 408. Por hora, a fábrica da França atenderá apenas os clientes da Europa, e a da China, a demanda local. Fala-se da possibilidade de o sedã dar as caras por aqui no nal deste ano ou no começo de 2012, mas nenhum executivo da marca con rma essa informação.

Ainda assim, fomos convidados a conhecer o novo modelo na cidade de Alicante, na Espanha. O test drive percorreu rodovias largas e modernas e estradas de serra bastante sinuosas, englobando até alguns trechos com asfalto quase tão esburacado quanto o nosso. E a primeira conclusão é a de que o carro está muito bem acertado para qualquer uma das condições.

Os modelos de entrada contam com suspensão com esquema MacPherson na dianteira e multilink na traseira. Já a versão top, batizada de GT (o carro que aparece nas fotos), traz o esquema com duplo triângulo na dianteira. Ambos garantem total conforto sem comprometer a dinâmica, irrepreensível principalmente no modelo mais caro, que mostrou mínima rolagem da carroceria e total controle direcional, mesmo quando se abusa do 2.2 diesel de 204 cv e 46 kgfm.

Nesse catálogo, a direção com assistência eletrohidráulica, que já tem um peso correto e é bem reativa, ca mais rápida e precisa. A sensação é de robustez e de alta rigidez e o silêncio impressiona. Providencial para quem pretende enfrentar rivais como Audi A4, Mercedes Classe C, BMW Série 3 e VW Passat.

A sensação de qualidade é reforçada no interior. Os 2,82 metros de entre-eixos foram bem aproveitados e o espaço é amplo. Para se ter uma ideia, em relação ao 407 (que ele substitui na Europa), há 5,3 cm a mais de espaço para os joelhos! O acabamento tem qualidade e há muitos itens de conforto. A partida é feita sem chave e o freio de mão é automático.

O arcondicionado tem quatro zonas independentes e os bancos dianteiros têm extensor que garante comodidade para ocupantes mais altos e poderia estar presente também nos bancos traseiros. Há ainda massageador para o motorista, navegador GPS e um sistema que calcula o tamanho da vaga onde se quer estacionar e avalia a di culdade da manobra. Sente-se falta apenas de mais porta-objetos.

Na segurança, seis airbags, ABS, controle de estabilidade, faróis bixenon direcionais com luz alta automática (apaga quando identi ca veículos no sentido contrário), lanternas com LEDs e assistência em ladeiras, que segura o automóvel por alguns segundos quando se tira o pé do freio.

Para a Europa, o modelo terá oito con gurações, com motores diesel ou gasolina e caixas manuais ou automáticas. No Brasil, deveremos ter a versão 1.6 de 156 cv e 24,5 kgfm com transmissão automática de seis marchas. Esse modelo não estava disponível para teste, mas avaliamos o propulsor acoplado à transmissão manual.

O comportamento do motor, o mesmo do 3008, não impõe uma tocada de arrepiar, mas resolve o problema. A nal, a alma do 508 não é mesmo de esportivo. Graças à elasticidade da unidade turbinada, há força disponível em todas as rotações e as retomadas são ágeis e garantem ultrapassagens seguras. Quase não se sente falta de mais cilindrada. Aliado à contenção de peso (com uso de magnésio, alumínio, solda a laser, tratamento acústico de cada componente individualmente), esse conjunto motriz garante ao 508 um desempenho de carro grande com consumo médio de bons 15 km/l.

Ainda que seja para vender pouco, ter unidades do 508 rodando pelas ruas brasileiras seria importantíssimo para a Peugeot. Acrescentaria pontos à imagem da marca em status, qualidade percebida, con abilidade e inovação sustentável. Que venha o 508!

Comandos do som e do navegador cam juntos da alavanca de câmbio; velocidade e outras informações são projetadas em uma lâmina de policarbonato e os bancos dianteiros têm extensor para as pernas

Peugeot 508

MOTOR quatro cilindros em linha, 1,6 litro, 16V, turbo TRANSMISSÃO manual, seis marchas, tração dianteira DIMENSÕES comp.: 4,79 m larg.: 1,85 m alt.: 1,46 m ENTRE-EIXOS 2,817 m PORTA-MALAS 515 litros PNEUS 245/45 R18 PESO 1.940 kg • GASOLINA POTÊNCIA 156 cv a 6.000 rpm TORQUE 24,5 kgfm de 1.400 a 4.000 rpm VELOCIDADE MÁXIMA 222 km/h 0 100 km/h 9,4 segundos CONSUMO cidade: 10,8 km/l estrada: 20 km/l (na Europa) CONSUMO REAL não disponível

ALGUNS DOS CONCORRENTES DO PEUGEOT 508

Hyundai Azera

O modelo tem motor maior, 3.3 seis cilindros, com 240 cv, mas sua nova geração está prestes a chegar e, por isso, hoje é vendido pela marca por cerca de R$ 85 mil

VW Passat

O modelo reestilizado chega ainda este ano com motor 2.0 turbo de 210 cv e uma versão seis cilindros 3.2 com 250 cv. Deverá ter preço acima dos R$ 100 mil

Chevrolet Malibu

Com motor 2.4 de 171 cv de potência, o modelo da Chevrolet tem bom desempenho, mas é menos equipado. Custa R$ 89 mil, segundo a tabela Fipe/MOTOR SHOW

SHARE
Artigo anteriorFeliz carro novo
Próximo artigoMercado