O Novato e o Injustiçado

 

Estaciono o Fluence, um homem se aproxima e pergunta: “Esse carro é mesmo tudo isso que estão dizendo?”. Não me surpreendo com a curiosidade dele. Não foi só no comparativo da última edição da MOTOR SHOW, contra Corolla, 408 e Jetta, que esse novo sedã da Renault se saiu muito bem. Outras revistas, jornais e sites também o consideraram, senão a melhor, uma das melhores opções do segmento.

Isso me fez lembrar do injustiçado Nissan Sentra, cuja sétima geração chegou ao Brasil em 2007 e também foi muito elogiada, mas nunca um sucesso de vendas. De 2008 a 2010, teve a média de apenas 514 unidades emplacadas por mês. E estamos falando de um bom sedã japonês, como Civic e Corolla, os líderes do segmento. Os sedãs da Honda e da Toyota são imbatíveis? Se o Nissan não chegou perto das vendas dos conterrâneos, a história se repetirá com o Fluence?

 

Nenhum dos dois modelos tem um design unânime: o Renault Fluence é do tipo ame ou odeie…

Fluence Dynamique CVT

Motor quatro cilindros em linha, 2,0 litros, 16V, comando variável Transmissão automática continuamente variável (CVT), seis marchas virtuais, tração dianteira

Dimensões comp: 4,62 m – larg: 1,81 m – alt: 1,47 m

Entre-eixos 2,700 m

Porta-malas 530 litros

Pneus 205/60 R16 peso 1.369 kg

Gasolina

Potência 140 cv a 6.000 rpm

Torque 19,9 kgfm a 3.750 rpm

Velocidade máxima195 km/h

0 – 100 km/h 10,1 segundos

Consumo não disponível

Consumo real não disponível

Etanol

potência 143 cv a 6.000 rpm

Torque 20,3 kgfm a 3.750 rpm

VelocIdade máxima 200 km/h 0 –

100 km/h 9,9 segundos

Consumo não disponível

Consumo real não disponível

 

Gustavo Schmidt, vice-presidente comercial da Renault do Brasil, acredita que não. Diz que espera vender 20 mil unidades do Fluence por ano, uma média de 1.700 carros/ mês. É o que têm vendido o Kia Cerato, mais barato, e o Vectra, auxiliado pela força de seu nome e de sua marca. Mas, ainda assim, não é nem metade das mais de quatro mil unidades de Corolla mensais (ou dos quase cinco mil Civic e City somados). “Honda e Toyota se especializaram nesse segmento e, por muito tempo, ficaram só nele. Vamos trabalhar focados nesse cliente. A ideia é fazer com que ele, como diz nosso slogan, ‘mude a direção’.” Para atraí-los, a marca investiu em tecnologia. De fato, nesse quesito, o Fluence tem quase tudo.

 

O Renault tem melhor posição de dirigir, com ajuste de altura e profundidade do volante. Além disso, suas linhas também são mais bem trabalhadas, mas a disposição dos instrumentos é confusa

Acima, o GPS, que só equipa a versão Privilége das fotos, de R$ 75.990, a alavanca do câmbio, que permite trocas sequenciais, e o som, não tão bem localizado quanto no rival

 

 

Mas o Renault Mégane, antecessor do Fluence, tinha muitas qualidades, sempre foi elogiado e não fez sucesso. Como superar isso? Schmidt diz que a equipe de vendas foi mais bem treinada agora e a rede de concessionárias cresceu. “Tenho certeza de que o Fluence será um grande vencedor, e o nível de pedidos mostra que, dessa vez, a coisa vai ser diferente”, concluiu.

 

… enquanto o nissan Sentra é comportado e acaba, muitas vezes, passando despercebido no trânsito

Sentra S CVT

Motor quatro cilindros em linha, 2,0 litros, 16V, comando variável

Transmissão automática continuamente variável (CVT), controle de overdrive, tração dianteira

Dimensões comp: 4,57 m – larg: 1,79 m – alt: 1,51 m

Entre-eixos 2,685 m

Porta-malas 442 litros pneus 205/55 R16

Peso 1.355 kg

Gasolina potência 143 cv a 5.200 rpm

torque 20,3 kgfm a 4.800 rpm

Velocidade máxima 190 km/h

0 – 100 km/h 10,3 segundos

Consumo cidade: 12,2 km/l – estrada: 17,7 km/l

Consumo real cidade: 9,4 km/l – estrada: 12,6 km/l

Etanol potência 143 cv a 6.000 rpm

Ttorque 20,3 kgfm a 3.750 rpm

Velocidade máxima 200 km/h

0 – 100 km/h 9,9 segundos

Consumo cidade: 8,1 km/l – estrada: 11,8 km/l

Consumo real cidade: 6,2 km/l – estrada: 8,4 km/l

 

Já em relação ao injustiçado Sentra, Anderson Suzuki, gerente de marketing e produto da marca, aponta que o Nissan chegou em 2007, enquanto o Corolla é fabricado no Brasil desde 1998 e, o Civic, desde 1997. “Tivemos muito menos tempo para conquistar a confiança dos consumidores”, diz. E afirma que a marca tem investido para tornar seus carros mais conhecidos. “No mês passado, o Sentra vendeu 132% mais que em março de 2010”, comemora.

 

O interior do Sentra segue o estilo racional dos demais japoneses: boa ergonomia e disposição adequada de cada um dos equipamentos, mas sem muitos mimos para os ocupantes

Nas fotos, a versão S do Sentra. Em sua configuração top, SL, o carro ganha um sistema de som com tela maior, que exibe imagens da câmera de ré. O CD tem melhor qualidade sonora

 

Comparando os carros e considerando que, agora, o Nissan está finalmente atingindo o volume de vendas pretendido pela marca, os dois executivos têm razão. O Sentra está deixando o limbo aos poucos e a história de fracasso do Mégane não deve se repetir. A plataforma do Fluence é praticamente a mesma do Sentra, que é a do extinto Mégane. Motor 2.0 flex e câmbio também são compartilhados. Mas isso não quer dizer que eles sejam iguais. Desempenho, consumo e dirigibilidade são parecidos, mas não idênticos. Há diferenças, por exemplo, no câmbio automático. Apesar de usarem o sistema de engrenagens “infinitas” (continuamente variável), o Fluence tem seis marchas virtuais para que se possa optar pelas trocas manuais, o que dá mais esportividade ao carro, permitindo úteis reduções de marcha. No Sentra, não há trocas sequenciais – apenas um botão que desativa o modo overdrive (o que, na prática, funciona também como uma “reduzida”).

 

 

Assim como a Renault aprimorou o câmbio, melhorou outros detalhes. Entre os mais importantes, a posição de dirigir. No Fluence, o volante tem profundidade ajustável, enquanto no Sentra só se ajusta altura. No japonês, porém, a alavanca de câmbio e comando do som ficam mais bem posicionados. E há outras diferenças importantes: o porta-malas do Sentra é menor, mas suas alças não esmagam as malas como no francês; e ele ainda tem o sistema Isofix para fixação de cadeirinhas infantis.

 

Construídos na mesma plataforma e com o mesmo conjunto motriz, os dois sedãs têm dinâmicas bastante semelhante

 

A lista completa de itens de tecnologia e segurança do Fluence impressiona, principalmente na versão mais cara. Mas itens como o ESP e o GPS, por exemplo, só aparecem nessa configuração – R$ 4 mil mais cara que o Sentra top. Comparando o catálogo Dynamique ao Sentra SL, com preço quase igual, o francês leva vantagem por oferecer seis airbags, mas não tem piloto automático. Além das versões automáticas de cada um, que aparecem na tabela de equipamentos das páginas anteriores, o Nissan ainda tem uma versão CVT de R$ 60.290. E, na manual, também é mais barato.

 

Para quem viaja no banco traseiro, o Renault oferece bom espaço e saídas de ar-condicionado

O espaço no banco traseiro do Sentra é equivalente ao do rival, mas não há saídas de ar-condicionado

 

Fazer o seguro custa mais ou menos o mesmo para os dois carros, mas, na hora da manutenção, o pacote de peças do Fluence é mais barato. Além disso, as revisões do Sentra são mais caras e as visitas à concessionária, para quem roda pouco, mais frequentes. O Renault tem um ano a menos de garantia.

O Sentra é mais racional e, menos equipado, tem opções mais baratas . Mas custa mais para manter. O Fluence tem muita sofisticação, mas cobra por isso. No fim, a questão é de gosto e prioridades. Já na disputa com os outros modelos do segmento, essa dupla merece sempre ser seriamente considerada.

 

 

COMPARTILHAR
Notícia anteriorMotor News
Próxima notíciaRacional e econômico