O pai do Fusca também criou um tanque de guerra

Conheça a história do VK 45.01 (P), o carro de combate projetado por Ferdinand Porsche durante a Segunda Guerra Mundial

Porsche VK 45.01 (P) (Reprodução)

O VW Fusca é um dos projetos mais conhecidos do engenheiro austríaco Ferdinand Porsche. Mas durante a Segunda Guerra Mundial, alguns anos antes do surgimento dos esportivos que levam o seu sobrenome, a empresa que ele fundou projetou uma série de veículos militares. E um dos modelos mais raros foi um tanque de guerra (ou carro de combate, no jargão do Exército Brasileiro). Conheça a história do VK 45.01 (P).

O VK 45.01 (P) foi um modelo desenvolvido pela Porsche em 1942 a partir de um pedido do exército alemão para a criação de um novo carro de combate. Com peso de 60 toneladas e projetado para receber o canhão alemão de 88 mm, o modelo era cheio de inovações para a época: usava dois motores V-10 refrigerados a ar de 310 cv cada, mas que serviam apenas para colocar em funcionamento os geradores de energia os dois propulsores elétricos. Esses sim, responsáveis por fazer girar as esteiras do blindado.

Apesar de avançado, o tanque da Porsche foi considerado caro e complexo demais para construir e operar, além de o seu desempenho ter ficado abaixo das expectativas. Em seu lugar, o exército decidiu adotar, em julho de 1942, um projeto da empresa Henschel que viria a se tornar o famoso (e temido) Tiger I.

Mas mesmo antes de perder o contrato a Porsche já havia encomendado a produção de 100 unidades do seu tanque. Como em tempos de guerra nada se perde e pelo fato de o projeto já estar em estágio bem adiantado, os militares decidiram ceder e autorizaram a construção do veículo.

Apenas um exemplar ficou pronto como o carro de combate original e foi enviado para enfrentar os soviéticos, em meados de 1944. Outros 90 chassis do VK 45.01 foram reprojetados como um novo tipo de blindado, equipado com uma versão mais potente do canhão alemão de 88mm.

Rebatizado como Ferdinand, combateu até o fim da Segunda Guerra Mundial. Poderoso, podia destruir os carros de combate inimigos a uma distância de mais de 3 quilômetros. Mas o conjunto motriz era um verdadeiro terror para as equipes de manutenção. Atualmente, dois exemplares do tanque da Porsche estão expostos em museus dos Estados Unidos e da Rússia.