Os dois lados de um rali

Seja em um kart, em um F-1 ou em um stock car, pilotos costumam trabalhar sozinhos. Claro que sempre há uma grande equipe por trás, mas, na pista, o piloto briga por si só. O automobilismo costuma ser um esporte individual. Competir também custa caro, requer altíssimos investimentos e por isso é considerado esporte de elite.


Na largada, um carro sai entre 30 segundos e um minuto depois do outro, para que mantenham uma distância segura entre eles. No total, a largada pode durar mais de três horas, dependendo do número de veículos. Cada um sabe o horário exato de sua saída

Mas os ralis de regularidade organizados por montadoras mostram uma face diferente das competições sobre rodas. Em primeiro lugar, participar destes ralis, não custa quase nada: basta ter um 4×4 da marca, pois a taxa de inscrição é paga com doações de alimentos. Em segundo lugar, o trabalho em equipe é fundamental: piloto e navegador não chegam a lugar nenhum se não houver sincronia entre eles.

Nestes ralis, o que importa é a diversão: porta de entrada para o esporte, participam deles equipes em que piloto e navegador são pai e filho, marido e mulher, amigos… e as crianças (os limites de idade mínima variam) podem ser levadas de “Zequinha”, que vai no banco de trás para se divertir – e até ajudar.

Minha primeira participação foi no Toyota Hilux Expedition, em Campos do Jordão (SP). Fiquei longe do volante, como navegador. Depois de acordar sábado cedo, segui para o ponto de largada e a vistoria nos carros. Nossa Hilux cabine dupla foi adesivada, colocada na linha de largada e seguimos para o briefing, onde são dadas explicações para a leitura das planilhas (veja box).

No rali de regularidade o fundamental é manter a velocidade média indicada na planilha, que indica com precisão em que ponto o competidor deve passar em um momento exato, também marcado na planilha. Passar em um dos pontos de referência – como uma

cerca ou uma igreja – antes ou depois do momento estipulado, soma pontos para a equipe. No final, quem tiver menos pontos ganha o rali. Em alguns momentos precisávamos andar mais rápido, mas retardatários nos faziam perder tempo. Depois, um erro do piloto quase nos faz perder a prova: ele devia zerar o hodômetro, mas não o fez. Resultado: todas as referências ficaram erradas, e tive (como navegador) que recalcular as indicações da planilha até a hora de zerar o hodômetro novamente. Mesmo assim, terminamos em segundo lugar. A segunda experiência foi na etapa final da Mitsubishi MotorSports Sudeste, realizada em Mogi das Cruzes (SP) em 21 de novembro passado. Desta vez, fui piloto, na categoria para iniciantes. Minha navegadora não tinha experiência e se confundiu logo no começo.

À esquerda, a L200 Triton faz uma curva da maneira errada: quando os pneus perdem aderência com o solo e as rodas giram em falso, o hodômetro registra uma distância maior do que a percorrida. Quando isso acontece, fica mais difícil seguir as indicações da planilha, e assim pode-se acabar errando o caminho

Mitsubishi MotorSports:Informações: www.mitsubishimotors.com.br, clique no link MitRalis, depois em Mitsubishi MotorSports e escolha a região Inscrição: 30 kg de alimento não-perecíveis + 6 sabonetes ou 6 escovas de dente Sudeste: sete provas, entre abril e novembro Nordeste: quatro etapas, entre agosto e novembro

Toyota Hilux Expedition Informações: www.toyotahiluxexpedition.com.br Inscrição: 20 kg de alimentos não perecíveis Oito etapas, entre maio e novembro

Nas categorias para iniciantes, os trechos alagados são raros e de fácil transposição: diversão garantida, mas sem danos aos veículos

Acima, uma planilha-padrão de rali de regularidade: na primeira coluna, o número maior mostra a quilometragem que deve estar no hodômetro. A segunda coluna mostra as tulipas: o caminho a ser seguido em uma bifurcação, por exemplo, ou alerta sobre pontos de referência ou obstáculos. A terceira coluna mostra a velocidade média que se deve manter no trecho e a quarta o tempo exato de passagem no ponto, que deve ser acompanhado pelo navegador em seu cronômetro

Mais opções de ralis para iniciantes

Além destes dois ralis dos quais participamos, outras montadoras também oferecem a oportunidade de se iniciar no esporte – todos com inscrições pagas com doação de alimentos ou brinquedos. A Copa Troller (www.copatroller.com.br) tem categorias para iniciantes e também para os mais experientes.

Já a Fiat organiza o Rally Universitário Fiat

(http:// www.exclusive.com.br/rally), com a vantagem de não exigir que se tenha um carro da marca. Se piloto ou navegador fazem curso superior, competem na categoria Universitário, caso contrário podem competir na categoria Turismo, e há ainda a categoria especial para carros Fiat da linha Adventure. Já na Copa Peugeot (www.copapeugeot.com.br), podem competir, com qualquer carro da marca, só piloto e navegador – não se permite levar “zequinha”.